SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

domingo, 31 de julho de 2011

PREFEITO FICA REFÉM EM ASSALTO À RESIDÊNCIA

Prefeito de Cidreira é feito refém em assalto. Três homens encapuzados invadiram a residência de Roberto César Pires Camargo, no centro da cidade - 31/07/2011 | 07h05min

A casa do prefeito de Cidreira, no Litoral Norte, foi assaltada por volta das 20h30min desse sábado. Segundo o depoimento das vítimas à polícia, três homens encapuzados e armados invadiram a residência, no centro da cidade, e amarraram com fitas o prefeito Roberto César Pires Camargo, um tio dele e uma idosa que estava na casa.

Após a fuga do trio — que teria levado cerca de R$ 5 mil em dinheiro, joias, documentos, roupas, um notebook e carne —, os reféns conseguiram se soltar.

Eles ficaram amarrados por cerca de meia hora, mas não sofreram ferimentos. A polícia faz buscas pelos criminosos.

sábado, 30 de julho de 2011

BANDIDO TENTA EXECUTAR PRESO SOB LICENÇA E FERE TRÊS PESSOAS DENTRO DE HOSPITAL

Em perseguição, homem invade hospital e atira em três em MG - O DIA, TERRA, 30.07.11 às 14h05

Rio - Um homem armado que perseguia outro homem invadiu, na noite de sexta-feira, um hospital em Montes Claros (MG) e baleou três pessoas. De acordo com a Polícia Militar, um presidiário beneficiado com a saída temporária de sete dias foi abordado por dois homens armados na entrada do Hospital Aroldo Tourinho, no bairro Edgar Pereira, e fugiu para dentro da unidade, sendo seguido por um dos suspeitos.

Segundo a PM, Lauro Marcelo Ribeiro Cantídio, 29 anos, que cumpre pena por homicídio e furto, foi ao hospital buscar o atestado de óbito do sogro quando, por volta das 21h30, foi abordado pela dupla. Ele foi baleado no braço direito, mas conseguiu entrar na unidade. O carona da motocicleta o perseguiu e, dentro da unidade, disparou mais duas vezes contra Cantídio. Os tiros, porém, atingiram dois pacientes. Ninguém foi preso.

Antonio Martinho Nery Sizilio, 49 anos, foi baleado no joelho direito e Edinete Gonçalves Queiroz, 33 anos, foi atingida nas nádegas. Segundo o hospital, os ferimentos foram superficiais e as vítimas foram liberadas em seguida. Por meio de nota, a instituição afirmou que o fato não tem ligação com o hospital e, por isso, não se pronunciará sobre o episódio.

BANDIDO MORRE AO TENTAR ASSALTAR POLICIAL FEDERAL

ONDA DE CRIMES - ZERO HORA 30/07/2011

PORTO ALEGRE - TENTATIVA DE ASSALTO. Agente da PF mata assaltante

Um agente da Polícia Federal (PF) sofreu uma tentativa de assalto na noite de ontem na Rua Luciana de Abreu, no bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre. Ele estava no local com uma amiga quando foi abordado por dois homens por volta das 22h45min. O agente reagiu e baleou um deles, que morreu no local. A Brigada Militar identificou o morto como Ezequiel Pereira de Souza, 31 anos. O outro criminoso fugiu.

O agente não ficou ferido. A suspeita é de que a dupla teria tentado roubar o carro do policial. No início da madrugada de hoje, policiais federais conversavam com moradores dos prédios da região para obter mais detalhes do caso.

PORTO ALEGRE - Casal é morto a tiros dentro de casa na madrugada

A Polícia Civil procura por pistas que levem ao paradeiro de um trio que invadiu uma casa no bairro Vila Jardim, na Capital, e matou a tiros um motorista de ônibus e a mulher dele. O crime aconteceu por volta das 4h de ontem. Janderson da Silveira Grabinski da Graça, 30 anos, dormia no quarto com a mulher, a auxiliar de serviços gerais Gabriela Silveira, 36 anos, quando foram mortos. Naquele horário, a chuva havia provocado uma queda de energia na Rua Seival e em outras ruas próximas.

PORTO ALEGRE - Policial é morto sob viaduto na Zona Norte

No início da madrugada de hoje, a polícia ainda tentava esclarecer detalhes em torno da morte do inspetor de polícia Vicente Zauri Paz da Silva, 62 anos, na zona norte da Capital. Silva estava acompanhado do filho, um menino de 11 anos, quando foi abordado ao estacionar o carro próximo ao Viaduto Obirici.Inspetor na Delegacia Regional Metropolitana de Gravataí, Silva estava fora de horário de serviço no momento do crime, às 21h20min da noite de ontem. Segundo agentes da 1ª Delegacia de Polícia de Investigação de Homicídios e Desaparecidos (DHD) da Polícia Civil de Porto Alegre, a suspeita é de que Silva teria tentado correr, pois foi morto com cinco tiros pelas costas, sendo um na nuca. Silva estava armado no momento do crime. O suspeito, descrito pelas primeiras testemunhas como um homem magro de moletom preto, teria ainda efetuado mais dois disparos em direção ao menino, que correu pela Avenida Assis Brasil no sentido Centro-bairro. A criança não foi atingida e foi recolhida por familiares. Os tiros acertaram dois táxis.

PORTO ALEGRE - NO CELULAR DA GANGUE. Fotos de crianças com armas

Mais três integrantes da gangue Da Malvina, que vinha impondo o toque de recolher à população do bairro Santa Tereza, na Capital, para garantir o tráfico na região, foram presos na manhã de ontem por policiais civis. Eles estavam escondidos há pelo menos um mês, quando foram decretadas suas prisões temporárias, em uma casa alugada na zona sul de Porto Alegre. Nos celulares apreendidos pelos policiais foram descobertas fotos de crianças armadas. Não se consegue identificar se a arma é de verdade ou de brinquedo. A gangue está em guerra com os Bala de Goma, que também traficam no Santa Tereza.

CIDREIRA - Homem é encontrado morto no terminal turístico de Cidreira, no Litoral Norte. Segundo a BM, morador teria ouvido diversos disparos de arma de fogo no local

Uma pessoa foi morta na madrugada deste sábado no terminal turístico de Cidreira, no Litoral Norte. De acordo com a Brigada Militar (BM), um morador ligou por volta das 2h dizendo ter ouvido no mínimo seis disparos de arma de fogo na Rua Osvaldo Aranha, no centro da cidade. Ao atender a ocorrência, policiais encontraram o corpo de um homem ainda não identificado, que teria sido alvejado por tiros na cabeça. O local seria conhecido como ponto de tráfico de drogas, segundo a BM.

CRUELDADE - BANDIDOS JOGAM REFÉM DE SEQUESTRO RELAMPAGO NO RIO


Ladrões jogam refém no Rio Pinheiros. Estudante conseguiu se salvar após ser vítima de sequestro relâmpago e ficar 5 horas em poder de dupla que o abordou em Itapecerica. 30 de julho de 2011 | 0h 00 - Fabiano Nunes - O Estado de S.Paulo

Um estudante de Direito de 28 anos foi jogado nu no Rio Pinheiros, por volta das 6 horas de ontem, após ter sido mantido refém por cerca de cinco horas por dois criminosos em um sequestro relâmpago. De acordo com sua família, que pediu que ele não seja identificado, a abordagem foi feita por dois homens, quando o rapaz chegava em seu apartamento, em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo, na noite de anteontem.

Policiais contaram que um dos bandidos estava em uma moto e o outro dirigia um Fiat Siena. O estudante foi colocado no banco de trás de seu carro, um Gol Power vermelho, e mantido refém pelos criminosos. O boletim de ocorrência não traz informação sobre o destino dos veículos usados pelos assaltantes.

Ainda segundo a polícia, o jovem foi espancado e agredido com coronhadas na cabeça. Por estar com pouco dinheiro e sem cartões de banco, os bandidos teriam decidido tirar toda a roupa do estudante e atirá-lo no Rio Pinheiros, próximo do Parque Burle Marx, no Morumbi, zona sul da capital. Horas depois, o carro da vítima foi encontrado - intacto - no estacionamento de um supermercado no bairro.

O rapaz precisou nadar até a margem e procurou por socorro. Ele foi encontrado por uma viatura da Polícia Militar, que o levou até o Hospital do Campo Limpo, na zona sul. Ele passou por exames durante o dia de ontem e permanece internado. Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, os médicos precisam analisar o resultado de uma tomografia. O estudante está consciente e recebeu a visita dos familiares. Não há previsão de alta.

"Ele foi ameaçado e agredido durante todo o sequestro", afirmou o pai da vítima durante visita ao filho no hospital.

Outra versão. À tarde, após conversarem com o estudante, suas irmãs, que não quiseram identificar-se, deram uma versão diferente da que foi registrada no boletim de ocorrência. Segundo elas, o irmão tinha, sim, dinheiro e o entregou aos bandidos. "Ele tinha uma quantia pequena, de cerca de R$ 500, mas os criminosos queriam mais. Por isso, ele foi agredido", disse uma de suas irmãs.

Creche. Segundo familiares, o rapaz está muito assustado. "Meu irmão é um cara do bem, não estava sofrendo nenhum tipo de ameaça", afirmou a irmã.

Parentes contaram que o estudante trabalha em um escritório de advocacia e é também proprietário de uma creche, em sociedade com a namorada.

O caso foi registrado como extorsão no 34.º Distrito Policial (Vila Sônia). Até a noite de ontem, nenhum suspeito havia sido preso, segundo a polícia.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

SOLDADO DA AERONÁUTICA É ESPANCADO AO SAIR DE FESTA

Soldado é espancado ao sair de festa e polícia suspeita de milícia - O GLOBO, 28/07/2011 às 00h16m. Carolina Heringer

RIO - A vida da família Campos sofreu uma reviravolta há cerca de dez dias, quando o caçula Felipe, de 21 anos, foi internado no Hospital da Aeronáutica, na Ilha do Governador. Felipe não sofre de nenhuma doença. Ele foi espancado por um grupo de rapazes ao sair de uma festa, no último dia 17, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. A polícia investiga denúncia de familiares de que o bando é ligado a um grupo de milícia.

Desde a agressão, a mãe, o pai e o irmão do jovem deixaram para trás emprego e estudos para se dedicarem integralmente à recuperação de Felipe, que está internado no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do hospital. Ele teve várias fraturas na face, além de escoriações pelo corpo, e chegou a ficar uma semana em coma induzido. Antes da agressão, Felipe levava uma vida tranquila, era soldado da Aeronáutica há três anos e estudava ciências contábeis.

Segundo o pai de Felipe, José Campos, os agressores teriam tentado invadir uma festa em que o rapaz estava. O pai conta que o filho ajudou a dona de casa e os expulsou do local. Por isso, ao deixar a festa, teria sido agredido pelo grupo, durante cerca de meia hora. Abalado, José quer Justiça:

- Não podemos deixar essa covardia impune.

O caso está sendo investigado pela 54ª DP (Belford Roxo).

EXÍLIO AOS MANOS, UM ELO ENTRE AS RUAS E OS PRESÍDIOS

Polícia desarticula elo com presidiários - LETÍCIA BARBIERI | VALE DO SINOS/CASA ZERO HORA - 29/07/2011

Após nove prisões, investigadores pedirão ao MP transferência de detentos
Com novas prisões de integrantes da facção Os Manos, ontem, em São Leopoldo, a Polícia Civil acredita ter terminado com o elo entre a liderança de dentro dos presídios e as ruas da cidade. Depois de tirá-los das ruas, o desafio agora é tirá-los do Rio Grande do Sul.

Omaior golpe no bando ainda está por vir: em vez de mantê-los nas cadeias gaúchas de onde eles mandam e desmandam, a Polícia Civil solicitará ao Ministério Público a transferência do bando para presídios de fora do Estado.

A exemplo da transferência do líder do grupo, Paulo Marcio Duarte da Silva, o Maradona, 32 anos, para Catanduvas (PR), cinco homens que seriam os líderes do esquema no Vale do Sinos seriam isolados da facção, em presídios no Paraná ou no Mato Grosso do Sul. Os policiais não têm dúvidas de que o efeito, no caso de Maradona, foi imediato. Ele já teria sido, inclusive, substituído dentro da facção.

– Vou instigar o Ministério Público que faça alguma coisa para que esses indivíduos sejam retirados do Estado, eles não têm condições de ficar aqui. Eles têm um poder de organização muito grande, contatos muito fortes – expõe o delegado que comandou a ação ontem, em São Leopoldo, Alencar Carraro.

A pedido do promotor Sérgio Rodrigues, o delegado enviará um relatório justificando a importância da decisão na próxima semana.

Conhecida por intimidar a comunidade da área onde atuava, a facção é apontada pela polícia como responsável por pelo menos 13 homicídios, além de tortura, tráfico de drogas e de armas.

Entre as 15 pessoas que tiveram mandados de prisão executados está um adolescente de 16 anos internado em Centro de Atendimento Socioeducativo (Case), de Novo Hamburgo. Ele teria sido usado para executar seis assassinatos.

Parte dos mandados de prisão eram voltados para integrantes do bando que já estão presos e seguem no comando das ações de dentro dos presídios, entre eles, a Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc). Estes são os indicados para transferência imediata para fora do Estado. Entre as suas atividades, estava elaborar e divulgar listas de extermínio. Entre os detidos ontem, estavam as mulheres dos presos que teriam assumido os negócios do tráfico, no bairro Feitoria.

DESORDEM - "JUSTICEIRO" SE APRESENTA CONTRA LEIS QUE PROTEGEM BANDIDOS


Homem se intula "O Justiceiro" e promete matar 23 supostos criminosos no Sul de Santa Catarina. Homem disse que vai limpar a cidade de Balneário Arroio do Silva. Pedro Rockenbach - ZERO HORA, 29/07/2011 | 10h53min

Um morador de Balneário Arroio do Silva, no Sul de Santa Catarina, trouxe de uma história em quadrinhos a solução para os problema de segurança pública na cidade. Em uma carta, assinada por O Justiceiro, alguém fez um lista negra com 23 nomes. E, se as autoridades não tomarem uma providência, o homem promete: "Vou matar todos".

A carta-desabafo circula na cidade há vários dias e chegou na delegacia essa semana. No texto, O Justiceiro ameaça:

— Faz tempo que as coisas não vão bem. Cansei desses vagabundos. A lei só protege os bandidos. Não quero ver meu filho crescendo e achando que não fiz nada pela cidade. Vou limpar o Arroio do Silva.

Os "vagabundos" citados na carta são ladrões, usuários de drogas e traficantes conhecidos no município, segundo o delegado Jorge Giraldi.

— São pessoas com passagem pela polícia. Desses nomes, não conheço apenas uns três. A maioria usuários de crack que praticam furtos para sustentar o vício — explicou.

Para Giraldi, o homem autodenominado O Justiceiro conhece bem os criminosos da região de Arroio do Silva, mas o citados não são os mais perigosos. Os piores, apontou o policial, estão presos. O autor da carta também apresentou um texto bem escrito.

De acordo, com a polícia, várias cópias da carta já circulam pela cidade nas caixas de correspondência e pelo comércio. O delegado afirmou que vai investigar o caso.

— Nunca podemos duvidar do ser humano.

O personagem

O Justiceiro da história em quadrinhos é um personagem criado no Estados Unidos. O homem comete assassinatos e outros meios violentos para combater o crime e fazer justiça.

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Além de linchadores, agora um homem se apresenta como "justiceiro" pronto para cometer crimes em nome da justiça, alegando que as leis protegem "os vagabundos". Só existem heróis justiceiros, quando o povo perde a confiança na lei e na justiça. É mais uma evidência de que o Brasil está caminhando para o caos na ordem pública, pela falta de leis confiáveis e uma justiça coativa.

Em meus portais venho alertando sobre este ditado:

"QUANDO NÃO HÁ JUSTIÇA, O HOMEM HONESTO ACABA VIRANDO BANDIDO, REBELDE, JUSTICEIRO..." Bosseli.

AÇÃO DE BANDIDOS NUMA EXECUÇÃO

Execução em Cachoeirinha/RS - zero hora, diário gaúcho, 29/07/11

Polícia divulgou as imagens do assassinato de Flávio Moreira Roza Junior, 30 anos, morto em 20 de junho deste ano, em Cachoeirinha. Pelo menos seis pessoas participaram do assassinato.



Presos dois suspeitos de assassinatos em Cachoeirinha. Uma das vítimas é uma criança de quatro anos - Carolina Rocha - ZERO HORA, 29/07/2011. 10h42min.

Uma operação policial desencadeada na manhã desta sexta-feira em Cachoeirinha, na Região Metropolitana, resultou na prisão de dois homens por suposto envolvimento em homicídios no Bairro Vila City, Cohab e Parque da Matriz.

Felipe da Silva Pietro, 19 anos, Lucas Carvalho de Borba — conhecido como Lucas Atentado —, 26 anos, e uma mulher de 23 anos que teve prisão temporária decretada teriam agido a mando do líder do bando, um rapaz de 20 anos, que está foragido.

O grupo é responsável pelo assassinato de Rafaela dos Reis Braga, quatro anos, atingida por uma bala perdida enquanto o criminoso executava um rapaz com 28 tiros.

O outro crime, ocorrido em 20 de junho, resultou na morte de um homem de 30 anos e contou com um esquema planejado e a participação de pelo menos seis criminosos.

Segundo a Polícia Civil, o líder da quadrilha é Jackson dos Santos Moreira, o Batata, 20 anos, que está foragido. Ele controla o tráfico nos bairros Vila City, Cohab e Parque da Matriz, em Cachoeirinha. Por desavenças, teria ordenado a morte de Denison e Nego Zóio. A polícia acredita que ele teria fugido para o Litoral Norte.

Informações podem ser repassadas ao número 197.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

O BALANÇO DA CRIMINALIDADE

- OPINIÃO, O Estado de S.Paulo, 28 de julho de 2011 | 0h 00

O balanço da criminalidade que a Secretária da Segurança Pública acaba de divulgar apresenta duas informações importantes. Revela que, no primeiro semestre de 2011, os homicídios caíram 12% no Estado e 28% na capital, em comparação com o mesmo período de 2010. Já os latrocínios (roubo seguido de morte) cresceram 12% na capital, 30% na Grande São Paulo e 21% no interior. Aumentou também o roubo de veículos - 10% no Estado e 7,5% na capital.

A queda da taxa de homicídios já era esperada, pois, nos últimos 16 anos, a tendência de redução desse tipo de crime foi interrompida uma única vez, em 2009. Em 2010 foram registrados 10,47 assassinatos por 100 mil habitantes no Estado de São Paulo, e, no primeiro semestre de 2011, a relação caiu para 9,6 mil casos por 100 mil habitantes - na capital, foram 8,5 homicídios por 100 mil, a menor taxa desde 1965. A média brasileira é de 25 por 100 mil. Assim, a partir do primeiro semestre deste ano o Estado deixou de ser área de "violência epidêmica", que é como a Organização Mundial da Saúde classifica os locais onde há mais de 10 homicídios por 100 mil habitantes.

Esse fato auspicioso decorre do sucesso da política adotada no combate à criminalidade, nos quatro últimos governos do PSDB. Contando hoje com o mesmo número de policiais do final dos anos 90, o órgão fez o que os especialistas recomendavam: implementação de políticas que envolvem maior articulação com as prefeituras, profissionalização progressiva das guardas municipais, estratégias de prevenção integradas com entidades comunitárias, investimento em serviços de inteligência e maior utilização de tecnologia nas investigações.

Para reduzir os homicídios, essa política definiu três prioridades. A primeira foi a apreensão de armas de fogo. A segunda prioridade foi o combate ao narcotráfico, por meio de operações conduzidas por departamentos especializados e planejadas com base em mapeamentos criminais online e intercâmbio de informações com outras polícias. A terceira prioridade foi o combate ao consumo excessivo de álcool, especialmente nas cidades mais pobres da Grande São Paulo. Além disso, a polícia paulista foi favorecida por mudanças legislativas - como a entrada em vigor do Estatuto do Desarmamento, em 2004, que tipificou o porte não autorizado de arma de fogo como crime inafiançável - e pelo aumento da eficiência das Varas de Execução Penal.

No caso dos latrocínios, a tendência de aumento deste tipo de crime é atribuída, por especialistas e autoridades do setor de segurança, a diferentes fatores. Um dos mais importantes está associado ao crescimento de consumo de drogas, pois é cada vez maior o número de viciados que roubam para comprar entorpecentes. Os latrocínios também estão associados ao aumento de outros crimes - principalmente roubo de veículos e de carga. Na cúpula das Polícias Militar e Civil, há ainda quem afirme que o aumento do numero de latrocínios no interior está ocorrendo nas cidades que estão na rota do narcotráfico.

Já o aumento dos crimes contra o patrimônio - de 11,5% na capital e de 6,4% no Estado - é atribuído ao crescente uso pela população de objetos pequenos de alto valor, como celulares, iPads e laptops. Segundo o comando da Polícia Militar, é cada vez maior o número de pessoas que, valendo-se da desburocratização dos boletins de ocorrência nas companhias da corporação e nas delegacias eletrônicas, dá queixa do roubo ou furto desses equipamentos, engrossando as estatísticas da criminalidade. A Secretaria da Segurança anunciou que em breve adotará novos procedimentos - que não explicitou - para tornar mais eficiente o combate aos crimes contra o patrimônio. As autoridades do setor acreditam que, então, o número de prisões - cuja média anual é de 120 mil no Estado - baterá recorde.

A queda na taxa de homicídios é uma boa notícia. O balanço da criminalidade no primeiro semestre indica que, em linhas gerais, a política de segurança pública é eficaz.

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Cuidado com estatísticas oficiais. Nem sempre são corretas e vêm embutidas com o viés partidário. Nesta matéria, a preocupação está nos "latrocínios (roubo seguido de morte)" que "cresceram 12% na capital, 30% na Grande São Paulo e 21% no interior", complementado pelo aumento do "roubo de veículos - 10% no Estado e 7,5% na capital". Considerando que o esforço policial deveria ter continuidade na justiça, gostaria de saber se as estatísticas mostram quanto tempo as pessoas detidas pelas forças policiais permaneceram presas ou detidas - 24, 48, 72 ou mais horas ou semanas, meses e anos sem condenação? E quantas vezes estas pessoas presas reincidiram no crime e quantas vezes foram presas pela polícia?

CRACK AJUDA AUMENTO DE HOMICÍDIOS NO BRASIL


Crack ajuda a elevar estatísticas de homicídios no país - O GLOBO, 27/07/2011 às 23h05m; Thiago Herdy (opais@oglobo.com.br)


BELO HORIZONTE - O consumo do crack já provoca uma epidemia de homicídios no país, que vitima principalmente jovens de 15 a 24 anos e é um dos principais fatores do aumento da violência, especialmente no Nordeste. Luiz Flávio Sapori, professor da PUC Minas e um dos principais estudiosos do tema no Brasil, em dois anos de análise conseguiu constatar claramente este fenômeno nos dados de violência em Belo Horizonte, capital mineira.

- A fatia mais considerável da violência nas principais cidades brasileiras está relacionada à introdução do crack. Em especial no Nordeste, onde estão as capitais que tiveram o maior aumento de homicídios - afirma o pesquisador, que classifica o crack como a droga mais danosa da sociedade atual e critica a falta de medidas concretas de atenção ao problema por parte do governo federal.

Em Pernambuco, o crack já se alastrou por todas as cidades do estado . Ao lançar no ano passado o Plano de Ações Sociais Integradas de Enfrentamento ao Crack, o governador Eduardo Campos afirmou que 80% dos homicídios no estado tinham vinculação com o tráfico de drogas e que a grande maioria estava ligada ao crack.

Em Minas, Sapori conseguiu estabelecer esta relação entre o crack e o aumento da violência a partir de uma amostragem aleatória de inquéritos da Polícia Civil. Nos anos anteriores à inserção da droga na capital mineira, no meio da década de 90, o comércio de drogas era responsável por 8% dos crime contra a vida. A partir de 1997, este percentual cresceu consideravelmente, alcançando 19% dos crimes até 2004, e 33% em 2006.

- O Brasil simplesmente não tem uma política de atendimento ao usuário do crack. O SUS não está preparado tecnicamente para atender à especificidade do dependente de uma droga diferente de todas as outras existentes por aqui - diz o especialista.
Especialista defende internação forçada
Entre as medidas urgentes que ele defende estão a produção de conhecimento sobre o assunto e a quebra de tabus, entre eles a resistência à internação forçada - o que começou a ocorrer no Rio -, fundamental em vários casos, na opinião dele:

- As pessoas têm de saber que é uma droga muito sedutora e prazerosa, mas capaz de criar uma dependência química sem relação com outras drogas. O usuário não pode cair na visão ingênua de que vai conseguir fazer uso controlado do crack, pois a chance disso acontecer é quase nula.

Neste mês o tema se transformou em pauta principal do Instituto Minas pela Paz, organização da sociedade civil mantida por empresas ligadas à Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). A ONG buscou o apoio do Conselho Estadual de Políticas Sobre Drogas (Conead-MG) e do Tribunal de Justiça para uma campanha para conscientizar sobre o drama. A mobilização levou um grupo de agências de publicidade a produzir todo o material voluntariamente.

Para especialistas, a timidez do apoio do Estado à política de atendimento aos usuários tem de acabar, e o desafio é encontrar um modelo de apoio. Por lei, o SUS não pode financiar a atividade que não do próprio governo, o que obriga o Ministério da Saúde a buscar maneira eficiente de financiamento. Uma das alternativas oferecidas pelo governo é oferecer ajuda na alimentação de dependentes.

- Não queremos que o governo federal dê comida, queremos que banque vagas - afirma o mineiro Aloísio Andrade, à frente do Colegiado de Presidentes de Conselhos Estaduais de Políticas sobre Drogas.

O colegiado propôs criar uma contribuição social de 1% do rótulo de bebidas e tabaco, carimbada para o financiamento de vagas para atendimento ao dependente químico. Mas não conseguiu o apoio do governo federal. O problema se agrava ainda com o crescente consumo de outras drogas devastadoras, como o oxi, ainda mais barata e letal que o crack.

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - na matéria, o Globo colocou para seus leitores a opinarem sobre a seguinte pergunta: Você acha eficiente a política do governo no combate ao crack?

A minha respota é NÃO! Sim, um não maiúsculo para não deixar dúvidas. O problema é que nossos governantes continuam agindo no imediatismo, na superficialidade e com projetos isolados sem se ater para a complexidade do problema, para os instrumentos a serem aplicadas e para a necessária integração, as ligações e a continuidade dos esforços envolvendo os três Poderes de Estado e suas organizações com funções pertinentes às questões das drogas.

O combate às drogas precisa da integração de três componentes: o preventivo, o repressivo e o tratamento. Um não funciona sem os outros e cada um precisa dos outros para funcionar.

o que se vê é uma retórica e elaboração de leis visando um ou dois componentes, quando não enxerga os três, mas deixa de construir a estrutura operacional e administrativa, estabelecer as ligações e distribuir as responsabilidades pela estratégias de prevenção, tratamento das dependências e a repressão com continuidade na justiça e amparado por leis rigorosas.

De nada adiantam as promessas de investimentos de tratamento se estes recursos não forem colocados ao alcance das pessoas dependentes de substâncias químicas e de suas famílias de pessoas a estrutura de Centros Regionais de Saúde especialmente para tratar as dependências, assistir e orientar procedimentos.

De nada adianta investir no tratamento se não investirem na prevenção às drogas e na repressão com a prisão de traficantes e a internação, esta obrigatória para o dependente potencialmente perigoso. Com leis brandas e justiça fraca, as polícias se tornam inoperantes, a prevenção é inútil e o tratamento fica desmoralizado.

BANDIDOS DISFARÇADOS DE POLICIAIS ATACAM FAZENDA

Bandidos disfarçados de policiais fazem reféns em fazenda de Taubaté, SP - O GLOBO, 28/07/2011 às 07h29m; VNews, Bom Dia São Paulo

SÃO PAULO - Uma família foi feita refém nesta quarta-feira, durante um assalto na zona rural de Taubaté, cidade a 134 quilômetros de São Paulo. Os bandidos estavam disfarçados de policiais federais, segundo informações do site VNews.

A ação dos criminosos começou por volta das 10h. Cinco homens foram até uma fazenda, que fica na região do Itaim, e se apresentaram como policiais federais. Segundo os moradores, eles disseram que estavam numa investigação de tráfico de drogas.

- Começaram questionando, perguntando de indivíduos que supostamente estariam escondidos aqui. As vítimas relataram que eles eram bastante agressivos, faziam ameaças - afirmou o tenente Carlos Alberto de Souza.

Pelo menos seis pessoas que estavam na fazenda foram feitas reféns. Os bandidos foram até a casa principal e tentaram arrombar um cofre, que fica sob um fundo falso. Como não conseguiram, eles fugiram num carro da família.

A Polícia Militar acredita que o grupo contou com a ajuda de informantes.

- O cofre estava escondido em um local de difícil acesso. A gente parte do princípio que alguém teve uma informação privilegiada - disse o tenente.

O carro das vítimas foi encontrado pouco depois, abandonado, no bairro Gurilândia. Até agora, ninguém foi preso.

"OS MANOS" É DESARTICULADA PELA POLÍCIA



Quadrilha "Os Manos" foi desarticulada, garante polícia. Pelo menos 16 pessoas foram presas em operação realizada em São Leopoldo - Correio do Povo, 28/07/2011 09:56

A quadrilha investigada por tráfico e homicídios, conhecida como "Os Manos", foi desarticulada em operação realizada nesta quinta-feira, em São Leopoldo, no Vale dos Sinos. A informação é do titular da 3ª Delegacia do município, delegado Alencar Carraro. “Posso dizer que a quadrilha não existe mais em São Leopoldo. Essa facção está desarticulada e desmoralizada”, garantiu o delegado.

Ao menos 16 pessoas foram presas na ação intitulada Los Hermanos, realizada nos bairros Feitoria e Arroio da Manteiga (São Leopoldo) e no sistema prisional. Alguns suspeitos que já estavam presos receberam voz de prisão novamente, o que acrescentou novas acusações às penas. Dois dos detentos são conhecidos como Lila e Gabi. Ambos atuavam sob o comando do líder da quadrilha, Maradona. Segundo o delegado, eles se comunicavam via informantes e por telefone. “Solicitamos ao Ministério Público que esses dois sejam transferidos para outros presídios federais”, disse.

A irmã de um detento da Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc) também foi presa. Segundo o delegado Bolívar Llantada, que coordenou a operação, a mulher levava informações sobre o tráfico para dentro da cadeia.

Participaram da operação 200 policiais civis e militares, com apoio de cães farejadores, um helicóptero, um micro-ônibus e 50 viaturas. Em São Leopoldo, a quadrilha é suspeita de cometer pelo menos 15 assassinatos, além de tortura, tráfico de drogas e de aliciar adolescentes para o crime. Computadores e celulares foram apreendidos.

MAIS PESSOAS EXECUTADAS

PORTO ALEGRE - MORTE EM CASA. Estofador é executado na Zona Norte - ZERO HORA 28/07/2011

Pelo menos oito disparos mataram o estofador Alex Robas Moraes, 38 anos, na porta da sua casa no bairro Sarandi, zona norte da Capital, onde também funcionava a sua estofaria. O matador teria batido na porta e, ao ser atendido pela mãe de Moraes, disse que queria falar com o estofador. Ao chegar à porta, Moraes foi executado com tiros de pistola .380. O autor do assassinato fugiu a pé.

Uma das linhas de investigação da polícia teria relação com o carro de Moraes, um Marea que estava estacionado na frente da casa, com a traseira amassada. O veículo havia sido roubado há alguns dias. Depois de procurar pelo veículo, o próprio estofador o teria recuperado com os ladrões. Uma vingança não é descartada pela polícia.

O caso será investigado pela 1ª Delegacia de Homicídios, do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

CACHOEIRINHA - Perseguição termina com suspeito morto em praça - EDUARDO TORRES

A manhã fria, que espantou as crianças, e um dia sem provas de autoescola evitou o pior em uma praça no bairro Vila City, em Cachoeirinha. Uma perseguição se encerrou apenas quando um Corolla se chocou contra os brinquedos. No meio da quadra anterior, um Uno de autoescola tinha a parte da frente também destruída. Normalmente a praça estaria cheia de alunos de direção, mas não era dia de prova. O resultado da perseguição, além dos carros danificados, foi a morte de Rodrigo Cechin Batista, 21 anos. Ele foi reconhecido pelo roubo do Corolla dois dias antes, em Canoas. Um suposto comparsa teria conseguido fugir antes da chegada dos policiais à pracinha onde o cerco terminou, às 9h. Ele foi perseguido por acaso. Os PMs desconfiaram da velocidade do Corolla e confirmaram ser um carro roubado. Um disparo da PM perfurou o vidro e atingiu o suspeito no pescoço.

SANTA MARIA - INVASÃO E MORTE DE COMPARSA

Ao invadir um galpão no bairro Passo das Tropas, em Santa Maria, uma dupla foi flagrada pelo morador do local, que lutou com um dos suspeitos. Provavelmente na tentativa de balear a vítima, um dos invasores disparou e atingiu o seu comparsa, José Luis Ribeiro Nunes, 28 anos. Ele foi hospitalizado, mas não resistiu. O autor do disparo fugiu sem levar nada.

MIRAGUAÍ - OUTRA EXECUÇÃO - Pai morto a facadas

Erich Ervin Oleiniczak, 53 anos, foi assassinado na manhã de ontem em Miraguaí, no noroeste do Estado. Ele foi surpreendido por dois encapuzados quando aguardava o ônibus junto ao filho de 14 anos. O jovem fugiu por socorro. Ao retornar, o pai havia sido esfaqueado.

LAGEADO DO BUGRE - Tragédia em família

Após uma discussão, um adolescente de 16 anos matou a facadas o primo Ivan Mendonça Júnior, 20 anos, em Lajeado do Bugre, no norte do Estado. O infrator foi encaminhado ao Centro de Atendimento Socioeducativo de Passo Fundo.

DESMANCHES IGNORAM CADASTRO

BAIXA ADESÃO À LEGALIDADE. Apenas 302 dos cerca de 3 mil ferros-velhos estimados no RS se regularizaram, o que acarretou prorrogação do prazo até agosto - MARCELO GONZATTO, zero hora 28/07/2011

A pouco mais de um mês para o fim do cadastramento de desmanches de automóveis no Estado, apenas cerca de 10% do universo estimado de estabelecimentos manifestaram intenção de se regularizar. Até ontem, 302 pontos de venda de autopeças em 90 municípios gaúchos haviam preenchido a documentação exigida pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Cidades importantes ainda não contam com nenhuma empresa em processo de adequação.

Afase de cadastramento, que se encerraria em 30 de junho mas foi ampliada para o fim de agosto devido à procura tímida, faz parte da tentativa de tirar do papel a chamada Lei dos Desmanches, de 2007. Além de cadastrar as revendas (no site www.detran.rs.gov.br), o processo de legalização inclui o credenciamento das empresas que atenderem exigências como o cumprimento das legislações municipais, estadual e federal, a lisura fiscal e criminal dos sócios e critérios técnicos de funcionamento.

Não há um número exato de estabelecimentos que vendem peças usadas de veículos – um dos principais destinos de carros furtados e roubados no Estado e uma das engrenagens do crime organizado. Porém, a estimativa mais comum entre autoridades e a Associação dos Empresários do Comércio de Peças Automotivas Novas, Usadas e Recondicionadas (Aecop/RS) indica ao redor de 3 mil locais. Assim, os 302 negócios em fase de regularização representariam 10% do total.

– Ampliamos o prazo para cobrir possíveis vazios no mapa do Estado. Para quem está desde 2007 esperando, 60 dias a mais só ajuda. Vamos fazer uma nova rodada de anúncios na imprensa e focar em alguns municípios onde não há cadastrados – afirma o diretor-presidente do Detran, Alessandro Barcellos.

Essa lista de cidades importantes onde até agora não há interessados em se ajustar à lei inclui Alegrete, Bagé, Itaqui, Jaguarão, Quaraí e Santiago. A dificuldade para enquadrar esse setor se arrasta desde a aprovação da nova lei. Inicialmente, ela ficou engavetada pela falta de regulamentação. Este ano, voltou a andar – mas agora deverá enfrentar o aparente desinteresse dos empresários do ramo.

– Talvez parte dos estabelecimentos pretenda seguir trabalhando fora das regras. Nesse caso, as autoridades terão de coibir – afirma o presidente da Aecop/RS, José Antônio dos Santos.

Concluída a fase de cadastro e credenciamento ainda este ano, a intenção é dedicar 2012 à fiscalização.

– Nosso objetivo é fechar quem não for credenciado até o final do ano que vem – afirma Barcellos.

COMO DEVE FUNCIONAR

1) A compra e a venda de autopeças usadas serão controladas pelo Detran, que gerenciará um banco de dados. Os desmanches terão de estar interligados por computador ao sistema do Detran, o que permitirá ao órgão controlar a atividade comercial do estabelecimento.

2) A empresa que revende peças deverá inserir no sistema a aquisição de cada automóvel para desmanche em três dias. Só poderá ser desmontado o carro com registro de baixa no Detran, e o prazo máximo para desmanchá-lo é de 15 dias.

3) A empresa deverá catalogar as peças com etiquetas contendo código de barras impresso no momento do lançamento do veículo no sistema. O controle abrangerá 40 peças do carro como motor, caixa de câmbio, portas, para-lamas, entre outros.

4) A empresa manterá um fichário com fotos tiradas no local e na data da compra do veículo e documentos que comprovem a procedência do carro. A documentação terá de ser guardada por cinco anos.

5) Ao vender uma peça, a empresa emitirá uma nota via computador onde constará o número do chassi do carro de origem, o registro de baixa e dados pessoais do comprador. A venda da peça será registrada no sistema do Detran.

6) As sobras da desmontagem do carro, sem aproveitamento para venda, terão de ser descartadas em 30 dias para evitar danos ao ambiente, devendo ser revendidas para recicladoras credenciadas.

7) As polícias Civil e Militar, o Detran e a Secretaria Estadual da Fazenda fiscalizarão a venda de peças. O desrespeito à regra resultará em apreensão de peças e interdição do estabelecimento, além de eventual processo penal.

INDICADORES

- 3 mil é a estimativa de desmanches atuando no RS.

- 302 já se credenciaram no Detran.

- 31 de julho é a nova data limite para a regularização.

- 2012 seria dedicado a fechar os estabelecimentos irregulares.

- 7 desmanches por dia, considerando os números de hoje, teriam de ser fechados para cumprir a meta em 2012.

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Este descaso é fruto da impunidade patrocinada por leis benevolentes, justiça fraca e polícia impotente. É sabido que o descontrole dos desmanches abre portas para o crime de receptação de veículos e peças roubadas, estimulando as perdas de vidas na reação das vítimas e no enfrentamento com policiais. Os receptadores são criminosos mais cruéis do que a bandidagem. A bandidagem mata para roubar e vende o produto do roubo para receptadores que lucram muito sem manchar as mãos com o sangue e sofrimento das vítimas.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

EX-DIRETOR DE TRANSITO SOFRE TENTATIVA DE EXECUÇÃO

SANTA ROSA/RS - Pedrinho Motta leva três tiros de desconhecido JORNAL NOROESTE DE SANTA ROSA, 26/07/2011

Um elemento desconhecido tentou matar Pedrinho Motta por volta das 20h de ontem, num salão de festas de sua propriedade, na rua Benvindo Giordani, na Vila Planalto.

Pedro Ferreira Motta, 49 anos, ex-diretor de Trânsito da Prefeitura de Santa Rosa, foi alvejado com três tiros. Foi socorrido por uma ambulância do SAMU e submetido a uma cirurgia ontem à noite, no Hospital Vida & Saúde.

Pedrinho está internado na UTI do Hospital Vida & Saúde, que não liberou nenhuma informação sobre seu estado. O delegado Márcio Steffens cuida do caso desde ontem à noite e também não antecipou nenhuma informação.

O atirador chegou no local e pediu para falar com Pedro Motta, alegando que pretendia alugar o salão de festas. Quando foi atender o chamado, Pedrinho levou três tiros, um na boca, um na altura do peito e um no braço.

O indivíduo fugiu, atravessou a rua e entrou num veículo também não identificado, que possivelmente lhe aguardava logo abaixo com um motorista, desaparecendo sem deixar pistas.

CAMPO BOM - Tiro no peito

Thomas Assis Silva, 17 anos, foi morto com um tiro no peito, por volta da 1h de terça-feira, no bairro Rio Branco em Campo Bom, no Vale do Sinos. Ele estava na casa de um amigo quando ela foi invadida por um homem armado que efetuou o disparo. Silva morreu na hora. Chefe da equipe de investigação da Delegacia da Polícia Civil de Campo Bom, André Garcia Miranda investiga o caso.


TIJUCAS/SC - Bandidos caem de ponte - ZERO HORA 27/07/2011

O assalto a uma residência onde 15 pessoas foram rendidas, em Tijucas (SC), município da Grande Florianópolis, acabou de forma trágica para os bandidos.

Por volta de 0h30min de terça-feira, cinco homens armados invadiram a casa no bairro Nova Descoberta. A família estava reunida para discutir uma partilha de bens, após um falecimento ocorrido na semana passada. Para fugir com pertences pessoais das vítimas, o bando roubou dois carros, um Fox e uma caminhonete Pajero.

A caminhonete, no entanto, caiu de uma ponte no bairro Itinga e ficou completamente destruída. O veículo ficou submerso, e um dos bandidos morreu afogado. Outro conseguiu sair e foi preso pela Polícia Militar catarinense. Dentro da Pajero, a polícia também localizou uma pistola de fabricação israelense. O homem preso teria confessado o crime à polícia. Os outros três criminosos e o Fox continuam desaparecidos.

terça-feira, 26 de julho de 2011

ASSASSINATOS EM ALTA

JULHO SANGRENTO. Assassinatos em alta em Alvorada - ZERO HORA 26/07/2011

Julho ainda não terminou, mas traz uma triste marca para Alvorada: é o mês com maior quantidade de assassinatos na cidade em 2011. Com a morte de Marcelo Flores Martins, 32 anos, executado com cerca de sete tiros na Vila Umbu, no final de semana, a cidade registrou 12 crimes nos primeiros 23 dias de julho – média de um a cada 46 horas.

No acumulado do ano, são 60 casos, entre homicídios e latrocínios (roubo com morte). A equipe de investigação da 1ª DP tem suspeitos para o crime e não descarta ligação com a chacina de quatro pessoas, ocorrida dia 13 na Vila Salomé.

– Temos duas linhas de investigação. O certo é que foi uma queima de arquivo – informou o chefe de investigações, Adilson Silva.

Conforme a polícia, a vítima estava em liberdade provisória e respondia por crimes de homicídio, receptação e assalto. Titular da 2ª Delegacia da Região Metropolitana, o delegado Leonel Carivalli avalia que “os dados são atípicos em razão da chacina”. Ele salientou que a investigação dos crimes contra a vida são prioridades nas delegacias:

– A Polícia Civil tem feito sua parte, investigado os casos e fazendo prisões.

Mortes a tiro

- Os 12 crimes ocorridos em julho foram com armas de fogo e não tiveram vítima do sexo feminino. Em princípio, nenhum deles teve motivação passional. O único caso em que não houve execução foi o de Robson Fiúza, que no dia 12 tentou assaltar um PM e foi morto.

ASSASSINATOS NO ANO. Os números de Alvorada:

Janeiro - 4
Fevereiro - 9
Março - 11
Abril - 11
Maio - 10
Junho - 3
Julho - 12
Total - 60

AS CIDADES MAIS VIOLENTAS DO RS

Porto Alegre - 223
Alvorada - 60
Canoas - 50
Novo Hamburgo - 40
Gravataí - 38

PORTO ALEGRE - Homem é morto no Rubem Berta

A denúncia de que um grupo de homens cercava um casal na Rua 13 de Setembro, bairro Rubem Berta, na zona norte de Porto Alegre, levou a polícia ao corpo de um jovem de aproximadamente 20 anos ainda não identificado, morto a tiros na cabeça no começo da madrugada de ontem. A suspeita é de que o casal tenha sido alvo dos tiros em virtude de dívidas com o tráfico de drogas. A mulher foi internada no Hospital Cristo Redentor, onde passou por cirurgia na manhã de ontem.


ESMERALDA - Agência bancária é alvo de ataque

Uma agência do Banco do Brasil foi alvo de bandidos na madrugada de ontem, em Esmeralda, na Serra. Dois homens armados entraram no prédio por uma janela basculante, por volta da 1h. O vigia da prefeitura foi rendido e amarrado pelos bandidos na guarita, que fica ao lado da agência. Com o auxílio de uma furadeira de alta pressão, os ladrões arrombaram o cofre do banco. A quantia levada ainda não foi divulgada. A polícia não tem pistas dos suspeitos. O vigia não ficou ferido.

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Enquanto isto, os nobres e bem remunerados parlamentares eleitos pelo povo continuam desprezando a opinião pública e fazendo leis benevolentes para o Judiciário não julgar e soltar a bandidagem nas ruas sem a necessidade do Poder Executivo construir e controlar presídios adequados e cumprir as políticas penitenciárias, os direitos dos presos e a segurança pública previstas em lei.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

HOMICÍDIOS - 60 MIL SEM ESCLARECIMENTO NO RIO

Estado do Rio tem 60 mil homicídios sem esclarecimento - Jorge Antonio Barros, O Globo, Repórter de Crime, 10.7.2011 | 15h52m

Em uma década, o Estado do Rio deixou de esclarecer nada menos que 60 mil homicídios. Quase a metade deles - 24 mil - a polícia sequer conseguiu identificar a vítima. O levantamento foi feito pelo Ministério Público estadual e está em reportagem do jornal"O Estado de S. Paulo" de hoje, assinada por Pedro Dantas. Uma das causas da ineficácia do sistema ficou clara na sucessão de erros da polícia no Caso Juan - o menino de 11 anos, que foi morto durante operação da PM na Baixada Fluminense e teve o corpo escondido pelos seus algozes.

A taxa de elucidação dos homicídios giraria em 2007 torno de 11%, mas o índice de punição é de menos 8% dos crimes contra a vida. Uma pesquisa da Uerj, feita pelos sociólogos Ignácio Cano e Taís Duarte, constatou que mais de 92% dos homicídios e mais de 97% dos roubos ficaram impunes (saiba mais aqui). Portanto, a taxa de punição de homicídios, segundo a pesquisa, é de menos de 8%. A cada cem casos de pessoas assassinadas, em apenas menos de oito o autor ou autores do crime são condenados e presos. Essa impunidade retroalimenta a violência e explica muita coisa. Quando alguém aqui decide assassinar alguém sabe que terá muitas chances de escapar da Justiça. Tratando-se de agentes do Estado, então, as possibilidades devem ser ainda maiores. Falta uma pesquisa para mostrar a impunidade dos crimes de morte praticados por agentes da lei.

O livro "O inquérito Policial no Brasil", organizado por Michel Misse, com base em pesquisa feita em cinco capitais brasileiras, já comprovou que o pingue-pingue do inquérito, que fica pulando entre a polícia e o Ministério Público, é sem dúvida umas das principais causas do baixo índice de elucidação dos homicídios. O pesquisador Ignácio Cano aponta, a meu pedido, os principais fatores que contribuem para a impunidade nos casos de homicídios:

1) O alto número de assassinatos. Apesar da redução que vinha conquistando (esse tipo de crime voltou a subir após quatro meses de queda), a média é de 8 mil homicídios por ano, em duas décadas.

2) Crimes passionais, de pessoas famosas ou que ganham maior visibilidade na mídia merecem maior atenção do sistema de investigação, enquanto que cadáveres na rua ou produzidos por disputas de grupos criminosos são desprezados.

3) O medo de morrer de testemunhas que não conseguem nenhuma proteção ou garantias.

4) Provas técnicas pífias porque a polícia demora a apurar, como ocorreu no Caso Juan.

5) Ineficiência da polícia

6) Falta de fiscalização eficaz do trabalho policial por parte do Ministério Público.

A sensação que passa é de que o sistema - polícia, Justiça e Ministério Público - trata com certo desdém os crimes contra a vida. Por que será?

ASSASSINATOS E VIOLÊNCIA NO RS

ZERO HORA, 25/07/2011

CAXIAS DO SUL - Morte em emboscada.

Na madrugada de ontem, o trabalhador da construção civil Christian Palavro Dutra, 21 anos, foi morto a tiros próximo a uma casa noturna, em Caxias do Sul. Ele estava acompanhado da namorada e de amigos, quando sofreu a emboscada. Conforme testemunhas, os tiros teriam partido de um desconhecido.

PASSO FUNDO - Crime no Norte

Cristiano Brum Bajestão, 34 anos, foi morto a pauladas às 4h30min de ontem em Passo Fundo. Uma mulher de 50 anos foi presa em flagrante. Ontem, o filho dela, um adolescente de 17 anos, confessou o crime à polícia. O garoto disse ter agredido o homem para defender a mãe durante uma briga e foi liberado.

PELOTAS - Violência

Por meio de informação de um morador, a Brigada Militar encontrou, na tarde de ontem, o corpo de uma mulher em um terreno, na Avenida 25 de Julho, próximo a uma região conhecida como Ilha da Páscoa, em Pelotas. A vítima estava sem o braço esquerdo e com o rosto carbonizado. A Polícia Civil investigará o caso.

PORTO ALEGRE - Dois são baleados em saída de festa

Um homem morreu e outro ficou ferido em um tiroteio na saída de uma festa na madrugada de domingo, no bairro Restinga, em Porto Alegre. Até a tarde de ontem, a Brigada Militar não tinha informações de como o tiroteio começou. Jeferson Diego Rosa Lima e Djonata Farias Calistro, ambos de 19 anos, estariam na Rua Engenheiro Oscar de Oliveira Ramos, quando foram baleados, por volta das 4h30min. Os dois foram socorridos por populares. Jeferson, baleado no rosto, no peito e na perna esquerda, morreu durante o socorro. Já Djonata, ferido na perna direita, foi levado para o HPS, onde foi medicado e liberado na manhã de ontem.

PORTO ALEGRE - Homem é morto na Zona Norte

Um homem foi morto a tiros na noite de sábado na zona norte da Capital. Identificado como Adair Luís da Rosa, 39 anos, a vítima teria sido baleada por volta das 21h30min, na Rua Jardim Vitória, no bairro Passo das Pedras. De acordo com o 20º Batalhão de Polícia Militar (BPM), até ontem nenhum suspeito havia sido identificado.

SANTA MARIA - Vítima esfaqueada quando saía de uma festa

O auxiliar de serviços gerais Adriano Courtois, 29 anos, foi morto a facadas e pedradas, por volta das 4h20min de sábado, em Santa Maria, centro do Estado. O crime aconteceu no bairro Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, quando a vítima saía de uma festa. Um homem de 30 anos prestou depoimento. Ele teria admitido ter atirado as pedras, mas disse que os golpes a faca foram desferidos por seu irmão, um jovem de 25 anos. O crime teria sido motivado por uma desavença entre Courtois e os dois irmãos.


IJUÍ - Morte a pauladas no Noroeste

O corpo de Dorvalino Tolotti, 68 anos, foi encontrado no banco de trás do próprio carro, às margens da ponte do Rio Potiribú, na zona rural de Ijuí, no Noroeste. A Polícia Civil prendeu dois suspeitos do crime, uma mulher e um homem que foram encaminhados à Penitenciária Modulada de Ijuí. A suspeita é de que o crime tenha motivação passional, e que a vítima tenha sido morta com pauladas na cabeça.

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Os ventos nocivos da lei da impunidade já estão produzindo calamidades. Enquanto os senhores desta idéia mirabolante permanecem salvos nos seus palacetes e na custódia de seguranças, o povo nas ruas padece e chora seus mortos para uma bandidagem que não teme a lei, a polícia, a justiça e as penas.

ESTRADAS, SÓ QUEREM ESTRADAS

CLÁUDIO BRITO, jornalista - ZERO HORA 27/07/2011

Para saber o que o Rio Grande espera do governo após meio ano da posse de Tarso Genro, a Agert, Associação Gaúcha de Emissoras de Rádio e Televisão, reuniu comunicadores e empresários de várias regiões para uma entrevista coletiva com o governador. As perguntas vieram do Interior com as inquietações dos gaúchos. Foram mapeadas pelos radiodifusores na Fronteira, Serra, Litoral, Centro e Missões. Esperava-se que os temas campeões de interesse fossem, outra vez, segurança, educação e saúde. Errou quem pensou assim. De 15 questões, oito foram sobre estradas e infraestrutura. Alguma coisa também quiseram saber de agropecuária e economia em geral. Para a educação, só uma pergunta. Qual o recado, afinal? Tudo está bem nas escolas? Educação não deve ser prioridade dos governantes? Ou a população é que mudou o foco de suas preocupações?

Parto em busca das respostas, inquieto.

Vejo a educação, a saúde e a segurança como pontos de partida para a construção do bem comum. Devo estar errado, pois, do jeito que sinalizou o questionário oferecido, abrir estradas é mais importante que formar cidadãos. E não foi algo isolado, que viesse de um só lugar. De todos os cantos, as esperanças apontaram para a realização de obras que facilitarão o ir e vir pelas rodovias.

Não me conformo. Educar deve ser o primeiro dever do Estado. O resto será consequência.

Na mesma semana, em Porto Alegre, a PUC abrigou o Congresso Estadual do Ensino Privado. Mais de 2 mil estudantes e educadores participaram do evento, cujo desafio era avaliar o estágio atual da relação entre professores e alunos, a partir de abordagens instigantes, como o uso das neurociências, o estudo das emoções, o conflito de gerações, a formação de projetos de vida dos estudantes e o contexto escolar, entre outras.

Há uma contradição entre o que levaram ao governador como resultado das indagações das populações do Interior e o que se debateu na Capital. Enquanto as comunidades só queriam saber de estradas, profissionais da educação mergulhavam em sofisticada pesquisa sobre o comportamento adequado no ambiente escolar e nos lares.

Imagine um professor bem-intencionado, que foi ao encontro para enfrentar corretamente os desafios que o choque de gerações oferece em uma sala de aula repleta de alunos informados pela internet e donos das melhores tecnologias. Saiu de lá cheio de ideais, imaginou-se pronto para estimular seus orientados e com impulsos de revolucionário. E vai ao mundo, para atender a uma demanda que é meramente secundária, se tanto. Secundária para os que mandaram perguntas ao governador. Mais que prioritária para quem pretende, de verdade, um grande futuro para nossos jovens. Posso estar errado, mas ainda seguirei apostando na educação.

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - NÃO É A TOA QUE SÃO PARCOS OS INVESTIMENTOS EM SAÚDE, EDUCAÇÃO E SEGURANÇA: NÃO DÃO VOTO!

domingo, 24 de julho de 2011

PREFEITO É EXECUTADO NA FRENTE DO FILHO

Prefeito é assassinado na frente do filho no interior do MT. Anselmo Carvalho Pinto, Especial para O Globo, 24/07/2011 às 17h43m

CUIABÁ. O prefeito do município de Novo Santo Antônio (1.063 quilômetros a nordeste de Cuiabá), Valdemir Antônio da Silva (PMDB), foi assassinado com três tiros na noite deste sábado. Um de seus filhos, de 13 anos, presenciou a execução. A Polícia Civil acredita que o crime tenha sido político, pois há, desde o ano passado, uma intensa disputa entre grupos rivais na cidade. Em junho, durante uma festa religiosa, o prefeito usou o microfone para dizer que estava sendo ameaçado.

A administração de Silva foi marcada por denúncias de corrupção e desvio de dinheiro público. Em outubro do ano passado, ele chegou a ser afastado pela Justiça, mas conseguiu retornar ao cargo.

Conforme o delegado Wiliney Santana Borges, o assassinato aconteceu por volta das 21 horas, instantes após o prefeito chegar em casa. Ele havia passado a tarde de sábado em um evento religioso no município vizinho de Ribeirão Cascalheira. Após tomar banho, Silva saiu para a área nos fundos da casa, onde os dois pistoleiros o aguardavam. Ele recebeu dois tiros no peito e um no braço.

Os assassinos chegaram a pé e não usaram nenhum tipo de disfarce. Acredita-se que houvesse um carro esperando por eles na vizinhança. Até o fechamento desta edição, ninguém havia sido preso.

Em outubro do ano passado, o Ministério Público Estadual conseguiu o afastamento de Silva em uma ação por improbidade administrativa, mas ele conseguiu reverter a decisão no Tribunal de Justiça. No período em que assumiu a prefeitura, o vice Geraldo de Freitas (PTB) denunciou ter sofrido ameaças do prefeito.

Silva chegou a ter R$ 96,7 mil bloqueados em sua conta para ressarcimento dos cofres públicos. Ele foi acusado de alugar seu próprio carro para a prefeitura, entre janeiro e outubro de 2009, recebendo R$ 72 mil. A oposição também o acusou de pagar com dinheiro público R$ 14,7 mil em despesas médicas suas e de seu filho.

Em fevereiro de 2011, um dos principais denunciantes das fraudes na prefeitura, o ex-procurador municipal Acácio Alves, relatou à Polícia Civil ter sofrido um atentado a bala.

LEI DO TERROR - MULHER QUE DENUNCIOU TRAFICANTES É EXECUTADA COM CRUELDADE

Violência. Em Alagoas, mulher é arrancada de casa, morta e esquartejada por denunciar traficantes. Odilon Rios, especial para O Globo, 24/07/2011 às 15h31m

MACEIÓ - Mesmo após o lançamento de três planos de segurança nos últimos seis meses - todos para o combate a onda de assassinatos e assaltos no estado - Alagoas registrou mais um homicídio brutal na madrugada deste domingo. A dona de casa Maria de Lourdes Farias de Melo, de 27 anos, foi arrancada de casa à força - ela estava dormindo com o marido e os filhos - e morta por traficantes, em Maceió. De acordo com a Polícia Civil de Alagoas ela havia denunciado a ação do tráfico na região.

A vítima foi baleada e esquartejada. A cabeça foi colocada em uma estaca e com o braço esquerdo os traficantes tentaram escrever, em um muro, a palavra "cagueta"- que significa "dedo duro" ou "X9", na linguagem do crime.

O palco da tragédia foi o conjunto Carminha, área dominada por traficantes. Ela é a terceira pessoa morta em um ano por denunciar traficantes na região. Em outubro do ano passado, a dona de casa Valderes Nascimento de Sena, 41 anos, foi assassinada a facadas. Ela denunciou vizinhos por um suposto envolvimento com o tráfico de drogas na região.

Ano passado, um homem foi decolado em via pública e teve a cabeça fixada na estaca de uma cerca. Apesar da polícia associar os crimes aos traficantes locais, ninguém foi preso até hoje.

Policiais do 5° Batalhão de Polícia Militar informaram que nenhum morador quis comentar o crime contra Maria de Lourdes. A principal testemunha é o marido, que não teve o nome revelado.

A polícia suspeita que o crime tenha sido praticado pelo chefe do tráfico de drogas na região e a brutalidade serviria de 'alerta' para os demais moradores que tentem impedir a ação de bandidos na região.

De janeiro até julho, Alagoas - que lidera as estatísticas de violência no Brasil - lançou três planos de segurança. O último foi na semana passada, o Ronda Cidadã. Em março, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, foi chamado a Alagoas a pedido do governador Teotonio Vilela Filho (PSDB). Segundo Vilela, era um "pedido de socorro" a onda de crimes no estado.

O ministro prometeu ajuda, mas não falou em quantidade de dinheiro a ser liberada.
Um mês depois, Alagoas lançou o segundo plano de segurança, com convocação de 800 policiais militares da reserva e construção de 46 bases comunitárias. O Conselho Estadual de Segurança alegou ilegalidade na convocação dos PMs.

No início de julho, o terceiro plano: o Ronda Cidadã, um policiamento ostensivo na área de bares e restaurantes da capital. Na última quinta-feira, próximo ao lugar onde o plano foi lançado, um policial federal foi morto a tiros dentro do carro dele. Ele reagiu a um assalto, efetuado por menores, que confessaram o crime e, em seguida, foram liberados.

Homem invade residência e atira contra três pessoas em Fortaleza - O GLOBO, 24/07/2011 às 14h50m; CBN, G1 CE

FORTALEZA - Um homem invadiu uma residência no bairro Bom Sucesso, em Fortaleza, e atirou contra três pessoas, nesta madrugada. Uma das vítimas foi baleada na cabeça e encaminhada em estado grave para o hospital Instituto Dr. José Frota (IJF).
As outras duas, segundo os médicos, tiveram ferimentos de gravidade média e não correm o risco de morrer. Um dos feridos recebeu tratamento nesta manhã e está na sala de recuperação. Ele deve receber alta ainda neste domingo, segundo informações do IJF. O acusado foi preso e encaminhado 12º Distrito Policial. A polícia ainda investiga o que motivou o crime. Policiais afirmam, no entanto, que possivelmente se trata de uma tentativa de assalto seguida de uma tentativa de homicídio.

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - De que adiantam planos de segurança se os legisladores são benevolentes e a justiça tolerante e alternativa?

Esta matéria expõe com quem estamos lidando. É uma típica ação mafiosa para impor a lei do silêncio. Enquanto a bandidagem age com ousadia e crueldade para manter o domínio e o poder nas comunidades, a polícia é enfraquecida por mazelas internas, por leis brandas e por falta de continuidade de seus esforços na justiça. Há muita benevolência, sem contrapartidas. Há muito dinheiro público indo para o ralo, ao invés de fortalecer o aparato policial, a saúde, a educação e as políticas sociais. Há um comportamento pró indivíduo, esquecendo a supremacia do interesse coletivo. Há muito descaso e omissão dos governantes e leniência da sociedade na preservação da paz social. Esta na hora de acordar.

LEI DA IMPUNIDADE - SOLTOS PARA A MORTE


LIBERDADE PARA MORRER. Vidas em risco fora da prisão - FRANCISCO AMORIM, zero hora 24/07/2011

Ao conquistar judicialmente a liberdade provisória ou condicional, criminosos encontram a morte no retorno às ruas. Quarenta por cento das vítimas de homicídio em Porto Alegre são foras da lei que haviam deixado pouco tempo antes a cadeia
Levantamento feito por Zero Hora se debruçou sobre 50 mortes ocorridas entre 21 de maio e 19 de julho em Porto Alegre. A investigação aponta que 40% das vítimas identificadas eram criminosos beneficiados com alguma medida judicial temporária, como liberdade provisória (antes do julgamento) e condicional (depois da condenação) ou progressão ao regime semiaberto, onde é possível passar o dia fora da prisão trabalhando.

Na maioria homens com menos de 40 anos, essas vítimas têm trajetórias pessoais semelhantes: com antecedentes por roubo ou tráfico de entorpecentes, eles foram executados na mesma vizinhança em que cresceram e onde iniciaram e encerraram sua carreira no crime. Depois de passar por um sistema prisional superlotado que pouco propicia a reinserção social, alguns criminosos retornam aos mesmos locais onde deixaram dívidas e desafetos.

Outros detentos, cooptados por facções que dominam as galerias da maioria das cadeias gaúchas, deixam as celas com a missão de sustentar o grupo com a prática de novos delitos, morrendo ao se expor novamente aos riscos da vida bandida. Se ficassem presos, talvez continuassem vivos.

O recente assassinato de Fábio Santos Morales, 27 anos, na madrugada de 2 de julho, ilustra o destino comum a egressos do sistema. Seu algoz descarregou um revólver calibre 38 contra ele. Foram cinco tiros desferidos dentro de um casebre abandonado, usado por Morales para passar as noites, na Avenida Icaraí, bairro Cristal, onde atuava como flanelinha.

Condenado em 2006 inicialmente a oito anos de prisão em regime semiaberto por roubo, Morales havia voltado às ruas em liberdade condicional em julho de 2009. Antes já havia conquistado outro benefício, a redução de sua pena para cinco anos – apesar de ter fugido cinco vezes da cadeia.

Nos quase dois anos entre o regresso às ruas autorizado pela Justiça até sua morte, Saroba, como era conhecido no submundo do crime, foi preso em flagrante outras duas vezes. A primeira em fevereiro de 2010 por tráfico de drogas na Rua Orfanotrófio, bairro Cristal. Ele e um comparsa vendiam crack. Autuado na polícia, ele ganhou o direito à liberdade provisória, mesmo estando na condicional. Três meses depois, a segunda autuação em flagrante, desta vez, por porte ilegal de arma: Morales foi preso após a polícia atender a uma ocorrência de tiroteio também no bairro Cristal. Novamente, ele ganhou direito à liberdade provisória.

As duas prisões levaram a Justiça a primeiro suspender, em maio do ano passado, a liberdade condicional. Ele, no entanto, continuou solto. Ela só foi revogada em maio de 2011, porque Morales deixou de comparecer ao fórum regularmente. Ele acabou morrendo antes de o mandado de prisão fosse expedido pela Vara de Execuções Criminais (VEC).

Escondidas em pequenas notas na imprensa, histórias como a de Morales parecem se repetir. Em outro homicídio investigado, ocorrido em 28 maio, Silvio Delamar de Medeiros Ocampos, 49 anos, morreu apenas sete meses depois de entrar em liberdade condicional. Condenado por porte ilegal de arma e com antecedentes policiais por ameaça, lesão corporal e desacato, Ocampos foi encontrado morto por PMs na Estrada Retiro da Ponta Grossa, Zona Sul. Segundo relato de moradores, minutos antes teria ocorrido um tiroteio no local.

Se em alguns casos uma troca de tiros precedeu a morte, em outros, o assassinato ocorre de forma ainda mais cruel. Em 16 de junho – uma violenta quinta-feira, que registraria outras três mortes –, sete meses e meio após ter sua prisão preventiva revogada, o assaltante Rodrigo Souza da Silva, 25 anos, foi encontrado morto dentro de um porta-malas. Foi alvejado com cinco tiros, dois deles na cabeça. Morador da Bom Jesus, ele integrava a gangue Bala na Cara e havia sido preso em 2010 por suspeita de envolvimento no ataque com explosivos a uma agência bancária em Vale do Sol, no Vale do Rio Pardo.

Entre as vítimas de homicídio em que uma ordem de soltura acabou sendo uma espécie de pena de morte, prevalecem criminosos jovens. A maioria entre 18 e 40 anos e com baixa escolaridade. Sem profissão ou encaminhamento ao emprego, eles voltam a delinquir assim que deixam a cadeia.

Recolhido ao Presídio Central por tráfico de drogas em 19 de maio de 2010, Cristian da Silva dos Santos, 19 anos, conquistou a liberdade provisória dois meses depois. Segundo a polícia, havia suspeita de que ele retornara à venda de drogas. Em 16 de junho, foi encontrado morto com pelo menos 10 tiros, sendo dois no rosto, no bairro Humaitá.

Dos 50 homicídios analisados, seis foram de mulheres. E, novamente, se verificou a proporção de mortes em que a vítimas haviam sido beneficiadas com alguma medida legal. No início da manhã do dia 24 de junho, a apenada Rosinha Silva da Silva, 41 anos, foi morta na Avenida Aparício Borges, uma das mais movimentadas da zona leste da Capital. Foi constatado que pelo menos duas pessoas teriam participado do crime. Uma delas estaria aguardando em um veículo, e a outra, a pé, teria armado uma tocaia. Rosinha saía do albergue anexo à Penitenciária Feminina Madre Pelletier, onde cumpria pena em regime semiaberto por homicídio e tráfico. Ela trabalhava como cozinheira fora da casa prisional. Foi morta a cerca de dois quilômetros da penitenciária, em plena via pública. Condenada a 24 anos de prisão por homicídio cometido em 2001, Rosinha estava no semiaberto havia um ano.

Em alguns casos, nem quando uma pena alternativa é oferecida em substituição à cadeia, o criminoso escapa à morte. Condenado a dois anos e oito meses de prisão por assalto a um comércio em Palmares do Sul em 2008, José Carlos Pinheiro Machado, 22 anos, teve sua pena convertida em prestação de serviços à comunidade. Chegou a iniciar o cumprimento da pena em 2010, mas acabou morto no último dia 10. Ele e outros três homens foram alvejados por mais de 50 disparos de pistola na Avenida Adelino Ferreira Jardim, no Jardim Leopoldina. Segundo testemunhas, os disparos partiram de um carro prata. Atingidos, Machado e outra vítima morreram no local. Os outros dois ficaram feridos.

Estudo da Polícia Civil - A pedido de ZH, a Polícia Civil fez um segundo levantamento. Analisou o perfil das vítimas dos 50 homicídios registrados no Estado entre 10 e 20 de julho. O que aponta o estudo:

Sexo
- 80% homens
- 12% mulheres
- 8% não informado

Instrução
- 72% Ensino Fundamental
- 14% não informado
- 8% ensino médio
- 6% não alfabetizado

Faixa etária
- 48% entre 18 e 30 anos
- 20% entre 31 e 40 anos
- 10% não informado
- 10% entre 51 e 60 anos
- 8% entre 41 e 50 anos
- 4% mais de 60 anos

Antecedentes policiais
- 64% sim
- 18% não
- 18% não informado
- cor da pele
- 64% brancos
- 18% pardos
- 10% não informado
- 8% negros

Local do Fato
- 40% Interior
- 42% Região Metropolitana
- 18% Capital

Tipo de local
- 62% via pública
- 22% residência
- 8% estabelecimento comercial
- 8% outros

O levantamento

- 61 homicídios foram registrados entre 21 de maio e 19 de julho na Capital;
- 50 casos com identificação da vítima foram analisados por Zero Hora;
- 20 dos casos analisados tiveram como vítimas criminosos beneficiados por decisões judiciais.

Confira os Casos

- 12 as vítimas estavam em liberdade provisória (antes do julgamento);
- 3 estavam em liberdade condicional (após a condenação);
- 2 cumpriam pena no regime semiaberto;
- 1 estava foragido do regime semiaberto;
- 1 teve relaxada a prisão em flagrante, apesar da autuação;
- 1 teve a prisão preventiva revogada.

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Valeu, Zero Hora. Oportuna reportagem diante da vigência da Lei da Impunidade que vem jogando nas ruas presos sem inclusão, ressocialização, monitoramento ou assistência do Estado. Desde que esta lei estava sendo concebida, este blog já alertava para seus reflexos nocivos na população e nos apenados. É triste conviver com governantes que estão tão descompromissados com a paz social que só enxergam o lado político e o interesse corporativo dos problemas. Não se animam a olhar o sistema e analisar o cenário que interagem no problema. Focam num aspecto e tomam decisões imediatistas, superficiais e inoperantes, desprezando efeitos que sacrificam a dignidade, a segurança, a vida e o patrimônio das pessoas.

- Quem não sabe que ex-apenado tem dificuldades em arrumar emprego?

- Quem não sabe que a impunidade para o crime de menor potencial ofensivo leva uma pessoa a cometer crimes de maior potencial e mais cruéis?

- Quem ainda não reparou que a maioria dos bandidos presos são sempre os mesmos e com longa ficha criminal?

- Quem não sabe que os bandidos mais ousados são aqueles homicidas que são sempre beneficiados por licenças, regimes brandos, controle de galerias e domínio de suas facções via celular de dentro das cadeias?

- Quem ainda não reparou que a criminalidade e a violência dispararam, enquanto os policiais sumiram das ruas e das investigações?

- Quem ainda não notou que, enquanto os governantes fazem farras com o dinheiro público, aumentam privilégios e investem no que dá voto e poder, os apenados são depositados dentro de celas imundas e superlotadas, dentro de galerias dominadas por facções, onde a insegurança, a permissividade, a ociosidade, a insalubridade, o aliciamento e a submissão e a pena de morte são violações de direitos humanos e dispositivos não escritos de uma lei paralela?

TIROTEIO E MORTE DURANTE FESTA COMUNITÁRIA

PORTO ALEGRE/RS - Tiroteio durante festa deixa um morto e outro ferido em Porto Alegre. Briga dentro de associação teria originado os disparos no bairro Restinga Velha - zero hora online, 24/07/2011 | 07h50min

Um tiroteio durante uma festa na Associação Atlética Roma deixou um morto e um ferido no bairro Restinga Velha, na Capital. Segundo a Brigada Militar, Um jovem de 19 anos foi encaminhado ao Hospital Moinhos de Vento, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Outro jovem da mesma idade foi encaminhado ao Hospital de Pronto Socorro. A gravidade do ferimento não foi divulgada.

A polícia não tem informações sobre os autores dos disparos ou da participação das vítimas na briga que teria originado o tiroteio por volta das 4h30min.

sábado, 23 de julho de 2011

OUVIDORIA BUSCA ESPAÇO


WANDERLEY SOARES, REDE PAMPA, O SUL, 23/07/2011.

Em tempos bem próximos, muitas trapalhadas ocorreram entre a Ouvidoria da Segurança Pública e os organismos policiais. Agora, o órgão que foi congelado no governo Yeda Crusius está reaquecendo.

A aproximação com a sociedade e a divulgação do trabalho da Ouvidoria da Segurança Pública, cuja titular é Patrícia Couto, que está em busca de mais espaço, são os principais resultados da reunião realizada ontem na Assembleia Legislativa do Estado. Representantes dos movimentos sociais e vítimas de atuação irregular de servidores da segurança fizeram relatos sobre suas experiências. Também participaram integrantes de instituições governamentais.

A reunião teve como objetivo a difusão do papel da ouvidoria, um espaço de exercício de cidadania. No encontro, ficou definido que o órgão deverá ter participação regular nas reuniões do Conselho Estadual de Segurança Pública, que congrega representantes das instituições ligadas à área da segurança e representantes da sociedade civil organizada. O conselho é constituído ainda pelos fóruns regionais de Justiça e Segurança formados por representantes das comunidades de 17 regiões do Estado.

A Ouvidoria da Segurança Pública foi criada pelo governo do Estado em 17 de agosto de 1999 para receber, encaminhar e acompanhar denúncias, reclamações e elogios feitos pela população sobre a atuação policial.

Da minha torre, tenho observado que a Ouvidoria, que nunca teve colunas sólidas, é um órgão que, quando se faz presente com constância, não tem a simpatia dos organismos policiais e, quando tem a simpatia dos organismos policiais, sofre a plena desconfiança da sociedade.

Suspense

Apesar de o Diário Oficial do Estado ter publicado, em sua edição do dia 18 último, a promoção de servidores penitenciários, magicamente, tal magnanimidade não foi sacramentada no contracheque deste mês de julho. A política da transversalidade envolve também uma aura de suspense. Casa própria Os servidores da segurança pública de Caxias do Sul poderão conferir, nos dias 25 e 26 deste mês, detalhes sobre o financiamento para aquisição da casa própria. Caxias será a primeira a receber o Feirão Caixa da Casa Própria Edição Especial. Técnicos responsáveis pela análise e liberação de financiamentos estarão na agência móvel da Caixa Econômica Federal, que estará estacionada na sede da Associação Beneficente Antonio Mendes Filho, na rua Coronel Antônio Mendes Filho, 321, bairro Kaiser. A próxima edição do feirão será em Santana do Livramento, nos dias 29 e 30 próximos.

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Tenho uma própria opinião sobre Ouvidorias. Primeiro, acho que elas devem se ligar a uma organização e nesta encontrar as soluções. Cada Instituições deveria ter a sua própria Ouvidoria. A atual Ouvidoria de Segurança Pública deveria se denominar Ouvidoria da Ordem Pública e se ligar ao Conselho Estadual de Ordem Pública (ou da Paz Social) onde seriam tratadas as questões pertinentes à preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio e apresentadas sugestões ao Governador (sugestões políticas) e às Instituições (sugestões técnicas). Do modo como está, apenas se presta ao interesse político partidário sem eficiência técnica e política nos seus procedimentos.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

ASSALTO E TIROTEIO EM TÚNEL ASSUSTAM MOTORISTAS EM SP

Tiroteio em túnel na Zona Sul de SP assusta motoristas - O GLOBO, 22/07/2011 às 07h26m; CBN

SÃO PAULO - Motoristas que passavam pelo túnel Tribunal de Justiça, na madrugada desta sexta-feira, no bairro do Itaim Bibi, Zona Sul de São Paulo, foram surpreendidos por um tiroteio. Pelo menos duas pessoas ficaram feridas.

Segundo testemunhas, um motociclista reagiu a uma tentativa de assalto e os criminosos revidaram.

Assustados, motoristas de vários veículos voltaram de marcha a ré no túnel.

Um rapaz que estava em uma moto foi preso. Outros dois jovens tiveram ferimentos após caírem da moto em que estavam. Um deles, levou um tiro na perna.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

MAPA VIRTUAL DO DISQUE-DENÚNCIA


Portal do Disque-Denúncia. Mapa virtual mostra crimes e operações policiais que aconteceram ou estão em andamento em todo o Rio - O GLOBO, 21/07/2011 às 10h29m; Gabriel Mascarenhas


RIO - Além de municiar a polícia e outros órgãos públicos, informações recebidas pelo Disque-Denúncia (2253-1177) estão dando forma a um mapa virtual de ocorrências para alertar a população. Num portal na internet, o cidadão pode verificar crimes ou operações policiais que ocorreram recentemente ou que estão em andamento em todo o território fluminense. No site, há ainda um espaço para denúncias.

O mapa de alertas mostra os bairros onde estão acontecendo desde tiroteios a buscas por foragidos, passando por carros abandonados e até casos de desrespeito à Lei do Silêncio. Ao clicar no ponto que indica uma determinada ocorrência, o internauta tem acesso a detalhes, como o endereço do crime ou da irregularidade e, em alguns casos, uma foto do local ou do suspeito, além de um pequeno texto sobre o fato. Quando o problema é solucionado, a página é atualizada, mostrando "OK" no lugar da ocorrência.

- A ideia é dar mais um elemento para a população saber o que está ocorrendo e não se expor a riscos desnecessariamente. Obviamente, não publicamos denúncias que possam vir a prejudicar investigações em curso. Eu mesmo faço uma compilação de informações que recebemos por telefone, outras retiradas de sites de notícias e do Twitter, e as coloco no mapa - explicou o coordenador do Disque-Denúncia, Zeca Borges.

Ao entrar no mapa virtual, a busca pode ser feita por tipo de crime ou por bairro. O site é atualizado diariamente, mantendo cerca de cem ocorrências no ar. Para fazer uma denúncia, o internauta precisa se cadastrar, informando seu nome, município e data de nascimento. Assim como no contato por telefone, a identidade do denunciante é mantida em sigilo.

Lançado em maio, o mapa virtual é resultado de uma parceria entre a Stal IT, empresa de consultoria especializada na área de tecnologia, e o Disque-Denúncia, responsável pela operação do site. De acordo com Zeca Borges, o serviço é o segundo passo dado pela instituição para se aproximar mais do cidadão:

- Nosso Twitter (@DDalertaRio), lançado no final de 2009, já tem mais de 40 mil seguidores, que também recebem informações que chegam à nossa central. Assim como no mapa, alertamos os usuários para roubos, crimes ambientais e outras ilegalidades. A vantagem do mapa é mostrar parte da mancha criminal no estado.

BANDIDOS FAZEM SEQUESTRO NO CENTRO E REFÉM EM SÍTIO

LONDRINA/PR

Jovem é sequestrada no centro de Londrina - Guilherme Batista - Redação Bonde, Bondenews, 20/07/2011 -- 20h23


Uma jovem, de aproximadamente 25 anos, foi sequestrada por volta das 18h desta quarta-feira (20) na esquina da rua Alagoas com a avenida Higienópolis, região central de Londrina.

Segundo relatos passados pela própria vítima à Polícia Militar, ela foi abordada por dois homens armados. Os responsáveis pelo crime a ameaçaram e fizeram a jovem entrar no carro dela, um Fox preto, com placas de Londrina.

A vítima apanhou bastante dos dois indivíduos e teve a blusa rasgada. Eles a levaram para a Estrada do Limoeiro, próxima ao Tiro de Guerra. Durante a confusão, um dos homens deu uma coronhada na cabeça da jovem, que acabou desmaiando.

Por volta das 19h30, a vítima acordou e constatou que estava presa no porta-malas do próprio carro. Ela conseguiu sair e viu que os dois homens haviam fugido, sem levar nada. A jovem encontrou a chave na ignição do veículo e dirigiu de volta até o Tiro de Guerra, para pedir ajuda.

A Polícia Militar foi acionada e já abriu diligências com o objetivo de encontrar os dois homens responsáveis pelo crime. A jovem, que não quis se identificar, foi encaminhada, muito abalada, para um hospital da cidade. Ela sofreu diversas escoriações por todo o corpo, principalmente no rosto, além da coronhada na cabeça.


Sitiantes são feitos reféns por seis horas em Tamarana - Redação Bonde, 20/07/2011 -- 16h48


Seis homens armados invadiram a sede do Sítio Botucatu, às margens da PR-445, em Tamarana, região metropolitana de Londrina, e fizeram os moradores reféns. O assalto foi registrado na noite de terça-feira (19). As vítimas foram amarradas e trancadas em um quarto da casa. Eles foram mantidos 6 horas como reféns.

De acordo com Polícia Militar, os marginais fugiram do local no início da madrugada desta quarta-feira (20). Eles levaram um Volkswagen Gol, Ford Escort, caminhão Mercedes Benz (AFX 1415), um trator Massey Ferguson 292, vários eletrodomésticos e eletrônicos. "As vítimas conseguiram se soltar por volta das 2h40, quando acionaram a Polícia", informou o cabo Jeferson.

A Polícia conseguiu recuperar dois veículos, que foram abandonados no trevo de acesso ao Distrito de Guaravera, em Londrina. O roubo está sendo investigado pela Polícia Civil.

ARRASTÃO - LADRÕES ARRUINAM DECISÃO ESPORTIVA

FINAL TRISTE. Ladrões arruinam decisão de basquete. Jogadores tiveram carros violados durante jogo no Ginásio Tesourinha - HUMBERTO TREZZI E JOSÉ LUÍS COSTA, ZERO HORA 21/07/2011

Um lance inesperado impressionou atletas e torcida na final do Campeonato Municipal de Basquete de Porto Alegre, domingo à noite, no ginásio Tesourinha. Não foi nenhuma jogada dentro de quadra, mas sim o arrombamento coletivo de carros de jogadores no lado de fora.

No ginásio, disputavam as equipes amardoras Jaws (de Porto Alegre) e Java (de Estância Velha). Ao saberem dos furtos, atletas da Jaws, desesperados, abandonaram a partida, forçando o adiamento da decisão, que ainda permanece sem data.

O crime foi descoberto transcorridos apenas cinco minutos de jogo, dos 40 reservados para a partida. Foram saqueados seis veículos, cinco deles de integrantes do Jaws e um de um torcedor da equipe. Não houve prejuízo para os atletas do Java porque esses tinham vindo de ônibus, no qual permaneceu o motorista.

Os ladrões levaram aparelhos de som, estepe ou coisa pior. Do Hyundai I30 de Paulo Vieira, torcedor do Jaws, foram levados duas rodas.

– Usei o estepe e chamei o guincho para conseguir uma roda extra. O prejuízo é de R$ 4,7 mil, só no rodado – desabafa o servidor público federal.

Os automóveis estavam sobre a calçada, próximo a uma das extremidades do ginásio. Foram colocados ali porque o estacionamento próprio do Tesourinha só é aberto para grandes eventos – públicos ou privados –, e com segurança especial.

A Secretaria Municipal de Esportes, Recreação e Lazer (SME), responsável pelo ginásio, admite que prefere manter o estacionamento fechado por falta de pessoal para cuidar dos carros e também para evitar ter de pagar eventuais prejuízos aos motoristas, em caso de furtos. A atitude gerou revolta entre os atletas e simpatizantes do esporte (veja abaixo carta recebida por ZH).

– Tinha mais de 200 pessoas prestigiando o evento, será que não poderiam botar guardas? Ainda bem que meu carro novo, comprado na quarta, não foi depredado – desabafa Mateus Hesse, um dos jogadores do Jaws, time que venceu nove das 10 últimas competições municipais em Porto Alegre.

O campeonato, apesar de municipal, aceita inscrições de toda a Região Metropolitana, o que resultou nessa final contra o time de Estância Velha.

A Polícia informa que há mais de dois anos não eram registrados furtos em carros nas imediações do Tesourinha. A recente libertação da cadeia de um grupo de arrombadores que age naquela região é especulada como o motivo para a volta dos ataques. O caso deverá ser investigado pela 1ª Delegacia da Polícia Civil da Capital.

Até a tarde de ontem, os registros de ocorrências não tinham chegado ao conhecimento do delegado Paulo Cesar Jardim. A identificação dos ladrões poderia ser facilitada se o Tesourinha tivesse câmeras, salienta o policial. A administração do ginásio está pleiteando a instalação de equipamento.


COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Já está tudo combinado e dominado: leis fraca, justiça tolerante e bandidos atuantes.

NA MIRA DA PISTOLA E DUAS HORAS DE REFÉNS DE BANDIDOS

NA MIRA DA PISTOLA. Casal é feito refém durante duas horas. Em assalto a sua residência, advogado e psicóloga tiveram as mãos amarradas e os olhos vendados - ANDRÉ MAGS, zero hora 21/07/2011

Um advogado e sua mulher, uma psicóloga, amargaram ontem duas horas na mira de pistolas .380 em sua residência no bairro Glória, em Porto Alegre. Com atitude de “profissionais” e fazendo concessões às vítimas, os ladrões exigiram não ser observados porque seriam “conhecidos”.

O drama do casal começou no final da tarde. A empregada deixou a residência às 17h. Na saída, foi rendida por pelo menos três criminosos. Um deles a manteve dentro de um carro em uma via próxima à Rua Manduca Rodrigues, onde fica o imóvel de dois pisos do advogado e de sua mulher. O casal apareceu logo em seguida e, calmamente, assumiu seus afazeres. Enquanto preparava o jantar do marido, a psicóloga foi surpreendida por um jovem na cozinha, que havia entrado com a chave da empregada, acompanhado de um comparsa.

– Não reage. Tem mais alguém em casa? – foram as primeiras palavras que ouviu dos assaltantes.

A mulher informou da presença do advogado. Com uma arma na cara, o homem foi rendido. Rapidamente, os dois assaltantes levaram o casal para uma sala de TV. Enquanto passava um documentário, as vítimas tiveram os pulsos amarrados com fios de náilon e fita adesiva. Na cabeça, fronhas de travesseiros impediam a visão.

– Não olhem para a gente – reforçou, algumas vezes, a dupla armada.

Móveis passaram a ser empurrados, portas foram abertas e objetos, jogados no chão. Os contatos telefônicos com o companheiro que estava no carro com a empregada eram constantes. Para as vítimas, ele era o chefe do grupo e coordenava as ações.

Bandidos tiveram deferência por conhecer casal, diz polícia

Em certo momento, a psicóloga pediu que não quebrassem nada. Os criminosos garantiram que colocariam tudo no chão, sem atirar. Também afirmaram ter evitado que os gatos criados pelo casal ficassem na rua. Quando o advogado sentiu vontade de ir ao banheiro, recebeu autorização. Ao sentirem os fios e fitas apertados, obtiveram dos bandidos uma folga nos pulsos. O motivo, ressaltado por policiais que atenderam à ocorrência, era que a dupla seria conhecida do casal.

– O policial que nos atendeu disse que eles tiveram essa deferência porque nos conhecem – contou a psicóloga.

No entanto, a mulher não os reconheceu. A dupla era formada por um homem negro e outro branco. Por causa do uso de capuz e das ordens reiteradas para não olhar para eles, as vítimas não puderam observar detalhes dos rostos. Dos bandidos, somente ouviam pedidos de dinheiro, nada mais.

Depois de revirar a casa, a dupla acabou indo embora por volta das 19h, de posse de R$ 5 mil e uma pistola Glock do advogado. A empregada foi libertada na Avenida Antônio de Carvalho, ainda amarrada e muito nervosa. Ninguém foi preso. O caso foi registrado na 5ª Delegacia de Polícia Civil.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

IMPUNIDADE - HOMOFÓBICO E VIOLENTO É SOLTO PELA JUSTIÇA

Serralheiro confessa à polícia ter batido em pai e filho em SP - Ullisses Campbell - CORREIO BRAZILIENSE, 20/07/2011 09:21

São Paulo — A Polícia de São Paulo prendeu, ontem, na cidade de Vargem Grande, interior paulista, um homem que confessou ter mordido na sexta-feira a orelha de um vendedor autônomo de 42 anos por acreditar que ele fosse homossexual. O vendedor estava abraçando o filho de 18 anos em uma feira agropecuária quando foi abordado por seis homens que questionaram se ambos eram gays. Mesmo com a negativa, pai e filho foram agredidos até desmaiarem. A mãe do jovem pediu para não ser identificada, mas contou que os agressores são conhecidos na região e trabalham em fazendas e matadouros próximos. “Meu filho não é gay. Ele mora comigo e tem namorada. Acho um absurdo ele ter apanhado”, diz a mulher de 37 anos.

Em depoimento, o pai disse que os agressores haviam feito piadinhas em outra ocasião na mesma feira. “Nós apanhamos de graça”, resumiu. A vítima conta que não mora com o filho porque se separou da mãe dele. “Sempre que a gente se encontra, uma vez por mês, a gente fica no maior chamego. Isso fez os agressores pensarem que somos gays. Acho que ninguém merece apanhar desse jeito, nem mesmo os gays”, ressalta.

Segundo o delegado Fernando Zucarelli, do 1º Distrito Policial de São João da Boa Vista, próxima à Vargem Grande, um inquérito foi aberto para apurar o caso e os próprios moradores da região apontaram o agressor e seus comparsas. Em depoimento, um deles, um serralheiro de 25 anos, assumiu que bateu nos dois por estar bêbado e achar que eles eram um casal homossexual. Mesmo confessando o crime, o juiz da cidade não aceitou o pedido de prisão e o suspeito foi solto ontem, no início da noite.

O autônomo agredido contou que o seu algoz e o do filho é um homem forte e que bateu sozinho nos dois. Segundo ele, antes da agressão, a população havia espalhado que ele poderia ser um pedófilo aliciando um jovem. “Eles não sabiam que era o meu filho”, contou. No meio da confusão, um segurança puxou o agressor, que estava sobre a vítima. Nesse momento, o vendedor levou uma mordida na orelha, decepando-a pela metade. O filho ficou com hematomas no corpo.

Segundo o Grupo Gay da Bahia, o Brasil é recordista mundial em agressões contra homossexuais. De acordo com estatísticas da entidade, nos últimos 20 anos, foram assassinados 1.661 gays. A média anual é de 80 assassinatos na década de 1980 e de 120 na década seguinte. Mas, nos últimos anos, ela tem crescido. Só em São Paulo, foram registradas 145 agressões no ano passado e 56 no primeiro semestre deste ano.

INDIGNAÇÃO E FALTA DE RECURSOS PARA RECUPERAR ORELHA MUTILADA

''Agora nem saudade do filho a gente pode matar mais?''. Vítima ainda não sabe se fará plástica porque não tem como pagar cirurgia; polícia abriu inquérito, mas ninguém foi preso - 20 de julho de 2011 | 0h 00 - Tatiana Fávaro / CAMPINAS - O Estado de S.Paulo

O autônomo de 42 anos que teve parte da orelha decepada porque estava abraçado ao filho está assustado. Morador da área rural de Vargem Grande do Sul, no interior paulista, ele conta que estava em uma festa agropecuária em São João da Boa Vista na quinta-feira quando foi atacado por seis ou sete rapazes que acharam que eles eram um casal gay.

Após pedir para não ser identificado, ele contou que ainda não sabe se vai fazer plástica, porque não tem dinheiro. Sobre os agressores, diz que "nem sabe o que pensar". "A gente sai de casa numa boa, para se divertir, e acontece uma coisa dessas. É um horror." Ontem, a polícia abriu inquérito para apurar o caso. Um agressor chegou a ser detido ontem por crime de lesão corporal, mas foi liberado.

O senhor se lembra do que houve no momento em que foi atacado com seu filho?

Meu filho veio de São Bernardo do Campo na quinta-feira para a gente ir para a festa. Eram mais ou menos 11 horas da noite quando fomos ver o show da dupla Jorge e Mateus na Eapic (Exposição Agropecuária, Industrial e Comercial de São João da Boa Vista). Eu com a minha namorada, meu filho de 18 anos com a dele, uma menina. Quando acabou o show, por volta de 3 horas da manhã, elas foram até o banheiro e eu fiquei com o meu filho. Eu dei um abraço nele. Aí um grupo de seis ou sete caras chegou perto da gente e perguntou se a gente era gay. Respondi que não, que ele era meu filho, que a gente era pai e filho. Mas os meninos começaram a tirar sarro, zoar e dizer: "Vocês estão mentindo, vocês são gays sim, pode dar um beijo aí que a lei libera". Aí começou um empurra-empurra. A gente não queria confusão, sabe, então tentou sair de perto. Aí deu uns cinco minutos e senti uma pancada por trás, que pegou no meu queixo.

Foi nessa hora que, segundo quem estava no local, você perdeu a consciência e, quando voltou, estava ensanguentado e sem um pedaço da orelha. Como foi quando percebeu isso?

Estava uma confusão. Eu e meu filho fomos agredidos. Eu nem me dei conta de que estava sem o pedaço da orelha quando recobrei os sentidos. Estava meio abobado, sabe? Só ouvia uma gritaria em volta de mim falando da orelha, da orelha. Sei que uma pessoa pegou o pedaço da minha orelha e colocou em um copo com gelo, para tentar salvar. Eu nem sabia o que estava acontecendo, nem queria saber de orelha, queria saber se meu filho estava bem, porque ele também foi agredido. Como a gente não tinha sido socorrido ainda, eu saí andando, meio sangrando, e encontrei um amigo meu que me levou até o pronto-socorro de São João da Boa Vista. O médico limpou, me deu uma injeção para a dor e me encaminhou para um cirurgião plástico. Na sexta, já de dia, fui ao cirurgião em São João e ele me encaminhou para o HC (Hospital das Clínicas), em São Paulo. Eu levei o pedaço da orelha, mas não deu para implantar. Volto lá amanhã (hoje) cedinho para ver o que vai ser feito. Cirurgia plástica eu já ouvi dos médicos que custa entre R$ 25 mil e R$ 35 mil e eu não tenho condições de fazer isso particular. Vamos ver o que me falam. Enquanto isso, estou com o ferimento costurado, e nos antibióticos e anti-inflamatórios. Tive muita dor, os médicos falaram que devem ter cortado com algum objeto, porque o corte foi bem reto.

Além da dor, quais as outras sensações o senhor teve ao saber que tinha tido um pedaço da orelha cortado por acharem que o senhor era homossexual?

Eu estou assustado, meu filho e minha família também. Ele (o filho) mora com a mãe em São Bernardo do Campo e não quer nem falar com ninguém sobre isso. A gente não estava fazendo nada de mais. Ele viajou quase 300 quilômetros para vir para uma festa. A gente não sai de casa nunca na vida com essa maldade no coração, então não consegue nem imaginar o que leva essa gente a fazer isso.

Os agressores tinham bebido?

Nem acho que eles estavam alcoolizados, nada. Eles não devem gostar de homossexual, só isso, e fazem uma coisa dessas. Fico pensando: eu tinha abraçado meu filho para fazer carinho nele, matar saudade, fazia dois meses que a gente não se via. Mas agora nem saudade do filho a gente pode matar mais? Não em público, só em casa pelo jeito. E outra: eu não sou gay, meu filho não é gay, mas a gente não tem nada contra. E aí se a gente fosse? E quem é? Meu Deus, cada um faz o que acha melhor! Se a pessoa não tiver o direito de viver como ela acha que deve, o que a gente faz?

NOTICIAS RELACIONADAS:

http://blogdainseguranca.blogspot.com/2011/07/por-estarem-abracados-pai-e-filho-sao.html

http://mazelasdojudiciario.blogspot.com/2011/07/justica-liberta-mutilador-e-agressor-de.html