SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

sábado, 30 de março de 2013

PROTESTO CONTRA EXECUÇÃO DE TAXISTA EM PORTO ALEGRE

DIÁRIO GAÚCHO 30/03/2013 | 09h40

Taxistas fazem manifestação em protesto contra a falta de segurança em Porto Alegre. Grupo bloqueou totalmente as duas mãos da Avenida Ipiranga


Manifestantes bloquearam a Avenida Ipiranga nos dois sentidos
Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Depois da confirmação da morte de pelo menos um taxista nesta madrugada em Porto Alegre, um grupo de 50 profissionais bloqueou a Avenida Ipiranga nos dois sentidos nas proximidades do Palácio da Polícia. Eles protestam contra a falta de segurança.

Segundo o taxista Luciano Soares, os trabalhadores ficaram sabendo da ocorrência pelo rádio e se mobilizaram para fazer a manifestação.

— Quando chegamos ao local, o corpo estava caído perto do carro, provavelmente foi latrocínio — especulou.

Uma das principais reclamações do grupo era que, em blitze e barreiras policiais, apenas os motoristas são revistados.

— Às vezes os passageiros estão bem vestidos e a gente não sabe se são de má índole ou não. Nessas ações, não pedem nem a identidade do cliente — desabafou Brum de Oliveira.

O motorista Leandro Souza sugere que as barreiras sejam ampliadas.

— Uma em cada canto não adianta, tem que ter na entrada dos bairros e vilas — completou.

Por volta das 5h45min, o grupo que chegou a contar com mais de cem integrantes iniciou uma carreata em direção a casa do governador Tarso Genro, no bairro Rio Branco, fechando a rua. O capitão Fontoura, da Brigada Militar (BM), conversou com os manifestantes no local e ressaltou a preocupação da polícia com as reivindicações da classe.

— Nossa ideia é trabalhar em conjunto, não é normal que as pessoas morram durante a jornada de trabalho — afirmou.

Pouco depois das 6h, o governador Tarso Genro recebeu seis representantes para ouvir as reclamações da categoria. Em declaração realizada em frente a sua casa, Tarso afirmou que terá diálogo direto com os manifestantes.

— Não vou adiantar nenhuma questão técnica, pois vamos analisar a situação na reunião — disse o governador. Segundo ele, as falhas na segurança pública são históricas, mas medidas de aprimoramento como aquisição de mais viaturas estão sendo tomadas.

A categoria organiza um novo protesto para a tarde de domingo.
Postar um comentário