SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

sexta-feira, 22 de março de 2013

TRÊS JOVENS EXECUTADOS POR CIÚME

ZERO HORA 22 de março de 2013 | N° 17379

CHACINA NO LITORAL

TRAMANDAÍ - Inconformidade com fim de relacionamento seria o motivo de assassinato de garota e de dois irmãos



Ciúme. Essa é a principal hipótese considerada pela polícia para explicar a chacina que vitimou três jovens e quebrou a tranquilidade do balneário de Jardim Atlântico, em Tramandaí, na madrugada de ontem. Os irmãos Kelvin Ruan Osório Rodrigues, 19 anos, e Fernando Nathaniel Osório Rodrigues, 24 anos, foram executados a tiros de calibre 38, enquanto o corpo de Franciele da Silva Nunes, 16 anos, foi encontrado ao lado da cama em que dormia, pouco depois da meia-noite. Namorada de Kelvin, ela foi espancada e morta com pelo menos uma facada no pescoço.

Conforme a Polícia Civil do municipío do Litoral Norte, a garota seria o alvo do assassino. Considerado o principal suspeito do crime, Diogo de Fraga, 22 anos, ex-namorado de Franciele, estaria inconformado com o fim do relacionamento, há sete meses. Ele foi preso na noite de ontem, em Porto Alegre, com o irmão, Pedro Pereira Junior, 32 anos.

– Haveria um histórico de ameaças contra a adolescente e o namorado (Kelvin) – afirmou o delegado Peterson Benites.

Os investigadores tentam entender a sequência de mortes, em duas casas na Rua das Camélias. O resultado da perícia deve ajudar a esclarecer como foi o triplo homicídio.

– Sabemos que vultos de pelo menos duas pessoas foram vistas chegando às duas casas. Antes, foi ouvido o barulho de um motor, mas ainda não sabemos se de carro ou moto. Da mesma forma, foram ouvidos estouros de tiros – afirmou Benites.

Diogo e o irmão dele teriam invadido a casa simples, de madeira, onde Franciele provavelmente dormia com o namorado. Kelvin foi encontrado morto em um dos quartos. Franciele estava caída ao lado da cama, já sem vida. Na casa do outro lado da rua, também em madeira, Fernando não teria percebido o que acontecia. Estava com fones de ouvido em seu quarto. Ele foi executado com tiro na cabeça.

Foragido do regime semiaberto, Pedro foi capturado por PMs por volta das 17h no bairro Bom Jesus e levado para a 2ª Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento. Diogo se apresentou na mesma delegacia, acompanhado de um advogado, momentos depois. Os dois tinham prisão temporária decretada pela Justiça e foram levados à Penitenciária Modulada de Osório.

EDUARDO TORRES



Adolescente foi ameaçada por telefone
As primeiras informações colhidas pela polícia dão conta de que Diogo de Fraga teria saído do bairro Bom Jesus, em Porto Alegre, para matar a ex-namorada no Litoral Norte. Testemunhas apontam que, nos últimos dias, ele teria ameaçado Franciele Nunes por telefone. Aos familiares, ele teria dito que “resolveria o problema”.

Diogo teria saído da Capital com a adolescente há pelo menos 11 meses. Viveram poucos meses em uma das casas da Rua das Camélias, mas o relacionamento terminou e ele teria voltado a Porto Alegre. Pouco tempo depois, a adolescente começou um relacionamento com Kelvin Rodrigues, que morava na casa em frente.

Kelvin e o irmão, Fernando, saíram de Eldorado do Sul há mais de um ano, com o pai, para trabalharem no Litoral. Fernando trabalhava como garçom em um restaurante de Tramandaí. Já o irmão mais novo era pedreiro. Nenhuma das vítimas tinha antecedentes criminais.
Postar um comentário