SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

JOGADOR DO VASCO É SEQUESTRADO E TORTURADO POR TRAFICANTES


Polícia vai intimar Bernardo a depor sobre tortura sofrida na Maré. Meia do Vasco da Gama foi sequestrado e torturado no domingo. Motivo da ação seria o envolvimento dele com mulher de traficante

DIEGO BARRETO, COM GLOBOESPORTE.COM E EXTRA 
O GLOBO
Atualizado:26/04/13 - 11h04


Bernardo, em foto de arquivo Guilherme Pinto / Agência O Globo


RIO - O delegado titular da 21ª DP (Bonsucesso), José Pedro da Costa Silva, disse nesta sexta-feira que vai intimar o jogador Bernardo, do Vasco da Gama, a depor sobre o sequestro e tortura que ele sofreu no Complexo da Maré no último domingo. Wellington Silva, do Fluminense, que, segundo o delegado, o acompanhava, também terá de prestar depoimento. No entanto, os dois jogadores só devem depor na próxima semana. De acordo com o delegado, o jogador do Fluminense, que é nascido e criado na Maré, teria negociado a libertação de Bernardo com os traficantes. José Pedro, porém, disse não ter expectativa de que ele colabore com a investigação.

- É cria da favela, tem família lá - disse o policial.

No momento do sequestro, Bernardo estava acompanhado de mais outro jogador, também criado na Maré, mas que ainda não teve a identidade revelada. No entanto, foi Wellington Silva que teria "salvado" Bernardo, argumentando com os traficantes que, se o jogador morresse, "a favela teria UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) no dia seguinte". Mas em entrevista ao GloboEsporte.com, Wellington Silva negou ter encontrado Bernardo no domingo. O tricolor contou que foi visitar parentes que moram na Maré, quando soube que o meia estava lá. Wellington tentou conversar com Bernardo, mas diz que não conseguiu.

- Tinha tempo que não falava com ele, queria encontrá-lo, fiquei esperando para ver se conseguia conversar com ele, o pessoal falou que ele estava por lá. Mas fui embora e ele não apareceu. Ele me ligou depois e disse o que aconteceu. Eu falei: “Tu é doido, Bernardo?!” Ele disse que ainda estava muito abalado e depois conversaríamos pessoalmente. Ontem (quinta), ele me ligou novamente e disse que não sabia porque meu nome estava envolvido - afirmou Wellington Silva ao GloboEsporte.com, por telefone.

Visivelmente nervoso com todo o caso, o tricolor afirmou ainda que, caso estivesse com o jogador, não teria problemas em ajudá-lo.

- Se eu estivesse, seria um prazer dar uma ajuda, ele é meu amigo. Mas eu nem sabia de nada. Estou assustado, pois me envolve em uma coisa de que não participei - garante.

O delegado José Pedro disse que já ouviu a mulher que estava com Bernardo, Daiana Rodrigues.

- Eu ouvi a namorada e ela não me forneceu maiores informações sobre o crime. Disse temer por sua família. Vou intimar os dois jogadores para depor para que eles expliquem o que aconteceu - afirmou o delegado.

De acordo com o investigador, a jovem foi baleada com cinco tiros, sendo dois de raspão. A Secretaria municipal de Saúde, contudo, informou que Daiana foi ferida com apenas um tiro na perna direita. Ela já passou por cirugia e foi liberada pelo Hospital municipal Paulino Werneck, na Ilha do Governador.

Daiana não quis contar aos policiais quem atirou nela e disse que, caso os agentes insistissem, diria que foi vítima de bala perdida. Segundo José Pedro, ela não voltou para casa depois de ter alta. Apavorada, a jovem está escondida e disse que não quer proteção policial.

Horas antes de ser levado por traficantes no Complexo da Maré, o jogador participou de uma feijoada na casa do amigo Evaristo Peres. O atleta do Vasco foi até o local com amigos, mas sem a atual namorada,Monique Braga. Bernardo acabou sendo levado por bandidos a mando de Marcelo Santos das Dores, o Menor P, chefe do tráfico no local, por suspeita de que ele estaria se envolvendo com a namorada do traficante.

O casal teria sido flagrado por bandidos da Favela Salsa e Merengue, de onde foram para uma casa no Morro do Timbau. Lá, teriam sido amarrados com fita crepe, torturados e espancados. Bernardo também teria levado choques elétricos e libertado. Segundo informações do Extra, o traficante pediu desculpas à família de Daiane. Ele teria dito que atirou nela por causa de uma crise de ciúmes.

Menor P é um dos bandidos mais procurados do Rio. O Disque-Denúncia oferece uma recompensa de R$ 2 mil por pistas que levem à prisão do traficante. Ele teve a prisão decretada pela Justiça a pedido da 21ª DP, depois que inquéritos da delegacia confirmaram que ele é chefe do tráfico na Maré. Em março deste ano, Menor P e outros quatro cúmplices foram condenados a quatro anos de prisão.

Ex-integrante da brigada paraquedista, Menor P se tornou se tornou um dos chefões do tráfico depois da morte de Márcio José Sabino Pereira, o Matemático, baleado numa operação policial em maio de 2012.

Prestes a passar uma cirurgia no joelho, o meia informou o Vasco sobre o ocorrido na quinta-feira. O diretor-executivo do clube, René Simões, conversou com o apoiador:

- Falei com o Bernardo há pouco tempo, e a nossa prioridade é dar apoio total ao jogador. Claro que o Vasco não quer ver seu nome envolvido em qualquer coisa que não seja da esfera desportiva. Mas entende que o atleta deve receber suporte do clube em qualquer situação, enquanto os procedimentos legais são tomados - disse.

René Simões não quis antecipar se o episódio ocorrido fora de campo pode resultar em multa disciplinar ao jogador, que tem contrato com o Vasco até 2015.

- Uma coisa é o contrato de trabalho CLT, a outra é o contrato de imagem, que no caso do Bernardo não existe. Primeiro é preciso pensar no lado humano, e depois, no jurídico. Como tomamos conhecimento hoje, ainda não conversei com os advogados do clube - explicou.



Menor P, no cartaz do Disque-Denúncia

Postar um comentário