SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

MULHER É MORTA A TIROS À LUZ DO DIA

ZERO HORA 20 de junho de 2013 | N° 17467


PORTO ALEGRE - Mulher é morta a tiros na Azenha

RENATO GAVA

Uma mulher morreu na tarde de ontem por estar, aparentemente, no lugar errado e na hora errada. O crime aconteceu em uma das regiões mais movimentadas de Porto Alegre, por volta das 17h, e em frente a centenas de pessoas e com vários tiros – um deles atingiu o para-brisa do Clio de um comerciante.

Angelica Emília Vieira dos Santos, 23 anos, levou um tiro no coração e morreu na Rua Freitas de Castro, no bairro Azenha.

– Ainda é muito cedo, estamos investigando, mas nada foi subtraído da vítima e não há nada que nos leve a acreditar em latrocínio (roubo com morte) – disse o responsável pela 4ª Delegacia de Homicídios, delegado Gabriel Bicca.

A vítima não tinha antecedentes policiais. Os agentes que investigam o caso acreditam que o alvo era o companheiro de Angelica. Os dois estavam com outras pessoas em frente a um dos vários estabelecimentos que vendem acessórios para veículos. Dois homens a pé apareceram e, sem dizer nada, começaram a atirar em direção ao grupo. De acordo com o relato de testemunhas, foram pelo menos sete disparos.

Vítima tentou se refugiar em terrenos de oficinas

Na correria logo após os primeiros disparos, o companheiro de Angelica correu até a Avenida Azenha. Ela tentou se abrigar em um terreno no qual funcionam oficinas automotivas e foi perseguida por um dos criminosos, que fez pelo menos três disparos. Um tiro atingiu a mulher, que morreu na hora.

O delegado confirmou que o companheiro de Angelica tem antecedentes, mas não revelou por quais crimes. Pouco depois, ele foi ouvido por investigadores, mas, ontem, de acordo com Gabriel Bicca, pouco acrescentou à investigação.

– Vamos ouvir testemunhas e pessoas ligadas à vítima. Ainda é cedo para definirmos uma linha de investigação – avaliou o delegado.

Postar um comentário