SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

PAVOR DENTRO DE CASA

ZERO HORA 20 de junho de 2013 | N° 17467

PASSO FUNDO - Criminosos ameaçam atear fogo a artesão


Uma mancha de sangue no tapete da sala é a marca mais visível dos momentos de pânico que um morador de Passo Fundo, no norte do Estado, sofreu durante um assalto. Amarrado e com as roupas encharcadas de álcool, ele passou mais de meia hora ouvindo ameaças de que morreria queimado.

Oartesão de 48 anos assistia à TV na residência onde mora sozinho, no bairro Rodrigues, quando ouviu barulhos no pátio, por volta das 20h30min de terça-feira. Depois de alguns minutos, ele resolveu ver o que era. Quando abriu a porta de casa, viu dois homens se escondendo atrás de um arbusto. Eles agrediram o dono da residência com socos e pontapés e o levaram até a sala.

Com ferimentos no pescoço e um corte na boca, o artesão conta que teve as mãos e os pés amarrados, e foi deixado no chão do aposento enquanto os assaltantes reviravam a casa atrás de dinheiro.

– Eles amarraram as minhas mãos com uma toalha e os meus pés com fios que arrancaram de uma almofada – relatou a vítima do assalto, com olhar distante.

Sem encontrar dinheiro na sala, os assaltantes decidiram ameaçar o morador. Um deles pegou uma embalagem de álcool de cozinha e derramou pelas roupas do artesão:

– Eles diziam que iriam colocar fogo em mim se eu não entregasse dinheiro. Pensei que iria morrer.

Morador fingiu que estava desmaiado

Segundo ele, os assaltantes passaram mais de meia hora revirando a casa e só foram embora depois de encontrar cerca de R$ 3 mil, que ele escondia no guarda-roupas. Quando retornaram à sala, o artesão decidiu fingir que estava desmaiado, com medo de que eles o machucassem ainda mais.

Os criminosos fugiram levando o dinheiro, documentos e a chave da casa. O morador ainda teve de se livrar das amarras para chamar a polícia.

Na manhã de ontem, ele contou com a ajuda de uma irmã e uma cunhada para arrumar a casa.

– Também troquei a fechadura, tenho medo de que eles tentem entrar aqui novamente.

Ele relatou aos policiais que não conhecia os bandidos e também não tem inimigos ou desevenças. A Polícia Civil ainda não tem suspeitos do ataque.



“Achei que eu iria morrer queimado”


O artesão de 48 anos, que pediu para não ser identificado, relatou o drama a ZH.

Zero Hora – Como os assaltantes invadiram a casa?

Artesão – Como tem uma construção ao lado da minha casa, fica fácil usar tijolos para pular o muro. Imagino que eles tenham feito isso. Quando ouvi barulhos no pátio, resolvi abrir a porta, e eles acabaram me agredindo. Não vi se estavam armados, mas achei melhor não reagir.

ZH – De que forma eles ameaçaram o senhor?

Artesão – Eles me amarraram e ficaram revirando a casa em busca de dinheiro. Um deles decidiu jogar álcool em mim e me ameaçar. Dizia que iria colocar fogo em mim se eu não entregasse dinheiro a eles.

ZH – O que passou na sua cabeça neste momento?

Vítima – Achei que eles fossem que matar, que eu iria morrer queimado. Não imaginei que as pessoas pudessem ser tão más assim. Moro há 40 anos nesta casa e nunca tinha sido assaltado. Agora, estou com medo.


RESTINGA SECA - FUGA DA POLÍCIA. Assaltante armado faz família refém


Uma família foi feita refém em casa, no início da noite de terça-feira, em Restinga Seca, na Região Central. Segundo informações da Brigada Militar, por volta das 18h20min, um homem com uma pistola e com o rosto encoberto rendeu um casal e seus dois filhos, no interior do município. Conforme a BM, o suspeito teria participado de assalto a uma cooperativa agrícola de Agudo.

Após o assalto, no qual foram roubados cerca de R$ 5 mil, os bandidos trocaram tiros com a polícia. O confronto ocorreu nas proximidades de onde a família mora. Durante a fuga, um assaltante invadiu a residência e obrigou a família a levá-lo de carro até Santa Maria, onde teria sido deixado na BR-392. Ninguém ficou ferido. Dois dos suspeitos pelo assalto à cooperativa já foram presos.


TAPERA - Capotagem após assalto a residência

A Polícia Civil investiga um assalto a residência em Tapera, no Norte, na noite de terça-feira. Três homens invadiram uma casa no interior do município, por volta das 20h30min. O trio, encapuzado, tinha um rádio na frequência da Brigada Militar. Eles amarraram os moradores em um banheiro e roubaram pertences e dinheiro das vítimas. Os homens fugiram levando dois veículos da família.

Segundo a Brigada Militar, os criminosos seguiram pela ERS-223 e capotaram o veículo próximo a Victor Graeff. Uma mulher que passava pelo local parou para prestar ajuda e foi rendida. Ela dirigia uma Saveiro e foi obrigada a entrar no carro. Os bandidos seguiram nos dois veículos em direção a Passo Fundo, mas a vítima conseguiu fugir. Ninguém foi preso.

Postar um comentário