SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

QUADRILHA TERIA ROUBADO 150 VEÍCULOS EM SEIS MESES

ZERO HORA 07/06/2013 | 08h47

Polícia prende 20 suspeitos de integrarem quadrilha responsável por roubar 150 veículos em seis meses. Ação deve cumprir 36 mandados de prisão, 80 mandados de busca e apreensão em mais de 10 cidades


Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS


Roberto Azambuja


Na manhã desta sexta-feira, a Polícia Civil deflagrou uma ação para prender suspeitos de integrarem uma quadrilha responsável por roubos de veículos em Porto Alegre e assaltos a banco na Serra. Até as 8h, pelo menos 20 pessoas foram presas.

Coordenada pelo Departamento de Polícia Metropolitana (DPM), em conjunto com a Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos de Canoas, cerca de 500 policiais participam da Operação Santa Fé, que conta inclusive com o apoio de helicóptero.

Ao todo, devem ser cumpridos um total de 36 mandados de prisão e 80 de busca e apreensão nas cidades de Porto Alegre, Canoas, Esteio, Novo Hamburgo, Sapucaia do Sul, São Leopoldo, Portão, Campo Bom, Nova Harz, Cachoeirinha, Charqueadas e Osório.

Outros três mandados de prisão foram expedidos contra detentos do regime semiaberto do Presídio Estadual de São Leopoldo e dois no Presídio Central, de onde os chefes da quadrilha negociavam os veículos roubados.

Depois de interceptar 26 mil ligações telefônicas interceptadas ao longo de seis meses de investigação, a polícia constatou que detentos do Presídio Central seriam responsáveis pela negociação dos carros roubados. Os criminosos, suspeitos de terem roubado, em seis meses, até 150 carros, tinham base em Sapucaia do Sul, mas agiam em bairros nobres de Porto Alegre.

— O índice de roubo e furto de veículos na Capital, com certeza, vai cair. Esse bando era responsável por levar uma média de 10 veículos por semana, sendo que conseguimos rastrear um final de semana no qual levaram sete carros — afirma o delegado Thiago Almeida Lacerda, titular da Delegacia de Roubo e Furto de Veículos da DPM.

O bando visava veículos cujos valores de mercado chegam na casa dos R$ 100 mil, como o Hyundai Veloster, Toyota Hilux, Ford Edge e modelos da marca Porsche, bastante visados pelo bando.

Após o roubo, os veículos eram então levados para desmanches, clonados e alguns encaminhados para outros estados, principalmente para Santa Catarina. A quadrilha também é suspeita de ter envolvimento com assaltos a banco na serra gaúcha, inclusive sequestrando gerentes das agências assaltadas.

Postar um comentário