SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

MISTÉRIO EM CAXIAS NA MORTE DE PSICÓLOGO


ZERO HORA 25 de setembro de 2013 | N° 17564

MISTÉRIO EM CAXIAS. Surge primeira pista da morte de psicólogo. Polícia Civil divulga imagens de carro que teria sido usado por criminosos


Um Monza bordô duas portas e com películas nos vidros seria o carro usado pelos assassinos do psicólogo Samuel Eggers, 24 anos. O veículo, fabricado entre 1985 e 1990, aparece em imagens de uma câmera da unidade da Unisinos, no bairro São Pelegrino, em Caxias do Sul.

Ocarro foi flagrado dobrando a esquina da Rua Feijó Júnior com a Rua Dr. Augusto Pestana na noite de 12 de setembro, minutos antes do crime. O ponto fica a cem metros do Mississippi Delta Blues Bar, no Largo da Estação Férrea, onde naquela noite Samuel esteve com duas amigas.

A gravação foi registrada às 23h53min, a três quadras do local do assassinato. A execução do psicólogo aconteceu por volta da 0h15min de 13 de setembro. Os motivos da morte ainda são mistério. As câmeras não captaram a placa, e não é possível ver quem estava dentro, porque o carro tem películas muito escuras. Mas, para os investigadores do Setor de Homicídios do 2º Distrito Policial, o Monza seria o mesmo usado pelos assassinos.

A delegada responsável pelo caso, Thaís Norah Sartori Postiglione, diz que as características do veículo são iguais às descritas por testemunhas. A investigação também indica a participação de duas pessoas: o motorista do carro e o atirador. A suspeita é de que os assassinos estavam circulando por São Pelegrino antes do crime. A polícia, porém, não conseguiu esclarecer se eles procuravam pelo psicólogo.

Segundo depoimentos, Samuel permaneceu no bar até por volta da meia-noite, quando saiu a pé na companhia de duas amigas. O trio caminhou cerca de 500 metros até um prédio na Rua Henrique, no bairro Rio Branco, onde reside uma das jovens. As amigas do psicólogo relataram não terem visto nada de anormal no trajeto. Por esse motivo, a polícia não tem como confirmar se o grupo foi seguido. Assim que deixou as amigas no prédio, Samuel foi abordado.

Conforme Thaís, o carro estava na Rua Tronca e subiu a Henrique Dias em alta velocidade. No final da quadra, o veículo fez o retorno e parou diante do psicólogo. Supostamente, o caroneiro disparou quatro vezes, sendo que duas balas atingiram a vítima. Em seguida, os assassinos retornaram à Tronca e fugiram pela Rua Olavo Bilac.

– A arma do crime provavelmente é um revólver calibre 38, pois não encontramos cápsulas deflagradas na rua, como é o caso de disparos feitos com pistolas – explica a delegada.

Por enquanto, o vídeo em que o Monza aparece é o único identificado, mas novas imagens podem surgir, uma vez que a polícia tem gravações de mais de 15 câmeras para analisar.



DENUNCIE - Informações podem ser repassadas à Delegacia de Homicídios, pelo telefone (54) 3217-1409, ou à Brigada Militar, pelo 190. Não é necessário se identificar.
Postar um comentário