SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

JOVENS DA ROCINHA SÃO TORTURADOS POR TRAFICANTES


Jovens da Rocinha são torturados no Morro do Banco, na Barra. Um homem e dois adolescentes foram agredidos pelos traficantes, que seriam do Complexo do Lins. Menor de idade, que está grávida de dois meses, foi estuprada

LEONARDO BARROS
O GLOBO
COM BOM DIA RIO
Atualizado:29/10/13 - 13h32


A Favela Morro do Banco, na Zona Oeste / Arte O Globo


Rio - Um grupo de jovens da Rocinha viveu momentos de terror no Morro do Banco, na Barra da Tijuca, Zona Oeste, na noite de segunda-feira. A comunidade fica na região do Itanhangá, em frente ao Itanhangá Golf Club. Um homem de 18 anos, uma adolescente de 14 anos e outro de 16 foram torturados por traficantes que, segundo a Polícia Militar, migraram do Complexo do Lins, na Zona Norte, após o processo de pacificação. A menor de idade, que está grávida de dois meses, também foi estuprada.

De acordo com as vítimas, os três foram buscar água numa cachoeira quando foram abordados pelos traficantes. Na conversa, o grupo de bandidos, ao saber que os jovens eram oriundos da Rocinha, começaram a fazer ameaças, afirmando que eles estavam no local como olheiros, já que as comunidades são comandadas por facções criminosas diferentes. O adolescente de 16 anos teve os dois braços quebrados. Grávida, a menor de idade sofreu vários ferimentos pelo corpo, tendo que ser internada na Maternidade Leila Diniz, na Barra.

- Eles começaram a gritar e nos levaram para o mato. Fomos amarrados e começamos a ser agredidos. Um deles, que parecia comandar a ação, estuprou a menina, na nossa frente. Vivemos momentos de pânico. Depois eles foram embora. Tivemos que nos desamarrar e buscar ajuda - disse o jovem de 18 anos, que sofreu escoriações pelo corpo.

O jovem contou que eles foram agredidos também por um usuário de drogas, que foi chamado a participar do espancamento:

- Quando a gente foi ver eles estavam vindo com um monte de pedaço de madeira. Aí mandaram a gente estender a palma da mão e a palma do pé e começaram a bater: coronhada de arma, muita coisa. Aí pegaram a fita isolante, enrolaram a gente, fizeram a gente tipo de balanço, um pelo pé e pela mão e jogaram a gente no mato. Tinha mais de 15, no começo tinha cinco, aí foi chegando. Chegou até um viciado aí eles falaram: aí, não quer dar uma porrada nele não? Aí deram uma madeira para o viciado e o viciado bateu na gente - revelou a vítima.

Os três jovens conseguiram fugir. Um deles, o que sofre fraturas nos dois braços, pegou uma kombi em busca de atendimento médico. Porém, no meio do caminho, o veículo foi abordado por policiais militares do 31º BPM (Recreio). O jovem relatou o que tinha acontecido e os PMs entraram na comunidade para resgatar os outros jovens.

Por conta dos ferimentos, a adolescente permanecia internada na Maternidade Leila Diniz até o final da madrugada. A ocorrência foi registrada na 16ª DP (Barra da Tijuca).

Mudança para uma nova comunidade


Há aproximadamente dois meses, os cinco jovens deixaram a Rocinha, na Zona Sul, para viver numa casa no Morro do Banco, na Barra da Tijuca. Sem enfrentar problemas de convivência na nova comunidade, eles relataram que viviam bem até o início da noite de segunda-feira. Entre os dois jovens que não foram agredidos está uma mulher de 18 anos, que contou ser sobrinha-neta do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza. Sem se identificar, ela relatou que estava em casa quando viu os amigos machucados.

- Conhecia o Morro do Banco e resolvemos nos mudar para lá. Era tudo tranquilo, nunca sofremos hostilidades. Estava em casa e, quando vi os meus amigos machucados, ficamos com medo dos bandidos voltarem e matarem todo mundo. Conseguimos sair da comunidade e não voltaremos mais lá - contou a jovem.

Migração comprovada

Desde o início de outubro, policiais militares da área afirmam que muitos traficantes do Complexo do Lins estavam seguindo para comunidades da Zona Oeste, entre elas o Morro do Banco. Na época, no mesmo local, uma mulher foi presa com 40 kg de maconha, 1.500 papelotes de cocaína e outras quantidades de drogas.

ACERVO: Em setembro de 2012, seis jovens foram mortos por traficantes em Mesquita


Chacina da Chatuba aconteceu numa área do Exército, no Parque Natural de Gericinó







EM FOCO: A CHACINA DA CHATUBA

A chacina da Chatuba, em Mesquita, foi no dia 8 de setembro de 2012 e chocou o país. Christian de França Vieira, de 19 anos, Douglas Ribeiro da Silva, de 17, Glauber Siqueira Eugênio, de 17, Josias Searles, de 17, Patrick Machado de Carvalho, de 16, e Victor Hugo da Costa, de 16, foram sequestrados e mortos por traficantes ao serem confundidos com rivais.

Os corpos das vítimas — com marcas de tortura — foram encontrados dois dias depois, num terreno baldio às margens da Rodovia Presidente Dutra, no Bairro São José, em Nova Iguaçu, município vizinho de Mesquita. Cada um levou entre três e cinco tiros na cabeça. Os rapazes saíram de casa para aproveitar a tarde uma cachoeira do Parque Natural de Gericinó e não mais voltaram.

A morte dos seis jovens foi numa área do Exército. O Comando Militar do Leste (CML) chegou a negar que bandidos agissem no local, mas dois cadáveres foram encontrados lá, além das roupas das vítimas da chacina. Com isso, foi aberto um inquérito parar apurar o caso. Quatorze homens são acusados pela morte dos rapazes.
Postar um comentário