SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

QUADRILHA TINHA ESCALA DE SERVIÇO

JORNAL NH 09/12/2013 15h42


Quadrilha organizada tinha até escala de trabalho com sete integrantes. Operação Esparta prendeu 30 pessoas suspeitas de envolvimento com roubo de carros


Matheus Beck


Foto: Tiago da Rosa/GES



São Leopoldo - Uma das quadrilhas estabelecidas em São Leopoldo que fazia o furto de veículos contava com sete integrantes. O inspetor Adelar Viana informou que quatro foram presos na segunda-feira e outros três já haviam sido detidos. Segundo Viana, a quadrilha atuava sempre em duplas, furtando de 3 a 4 veículos por dia. Havia um rodízio entre as duplas e os carros utilizados para os roubos também eram trocados permanentemente. O inspetor garantiu que a quadrilha atuava na região há mais de um ano e, um deles foi capturado em Tramandaí e outro em Taquara, durante um roubo à residência.

A operação


Visando o combate ao furto/roubo de automóveis na região e o tráfico de drogas, a Operação Esparta, coordenada pelo delegado Adriano Nonnenmacher (2ª DPRM São Leopoldo) prendeu 30 suspeitos de envolvimento além de mais 14 que já estão no sistema prisional, totalizando 44 presos. Com 250 policiais, a operação desarticulou quadrilhas que agiam em São Leopoldo, Novo Hamburgo, Sapiranga, Ivoti, Portão, Sapucaia do Sul e Canoas. A quadrilha que agia em duas células interligadas, usava carros e drogas como moedas de trocas nas suas atividades ilícitas, movimentando mais de um milhão e meio de reais por mês como lucro líquido, segundo o delegado Nonnenmacher. As investigações que antecederam a mega operação duraram sete meses e, dentre os suspeitos, duas mulheres também foram presas. No início da manhã, os detidos foram reunidos na 2ªDelegacia de Polícia Regional Metropolitana para os procedimentos de polícia judiciária para depois serem encaminhados ao sistema prisional.



Quadrilha presa na região movimentava mais de R$ 1,5 milhão por mês. Segundo delegado, criminosos formavam um verdadeiro império a serviço do crime

Da Redação


São Leopoldo - Policiais civis da 2ª Delegacia de Polícia (DP) de São Leopoldo, sob a supervisão da 3ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana (3ª DPRM) e do Departamento de Polícia Metropolitana (DPM), deflagraram na manhã desta segunda-feira (9), a Operação Esparta. O objetivo foi desmantelar uma quadrilha de furto e roubo de veículos e tráfico de drogas que agia no Vale dos Sinos.

Segundo o delegado Adriano Nonnenmacher, foram cumpridos 43 mandados de busca e 39 de prisão preventiva e temporária, nas cidades de São Leopoldo, Novo Hamburgo, Portão, Sapucaia do Sul e Canoas. A quadrilha, dividida em duas células, agia no furto de veículos, roubo e receptação em São Leopoldo, Novo Hamburgo, Sapiranga, Parobé, Portão, Ivoti, Dois Irmãos, e Vale do Taquari, sendo que outro grupo agia no tráfico de drogas na Vila Bráz, Scharlau, zona norte de São Leopoldo. As duas células, interligadas, usavam carros e drogas como moedas de trocas nas suas atividades ilícitas, movimentando mais de um milhão e meio de reais por mês como lucro líquido, formando um verdadeiro império a serviço do crime, completou o delegado Nonnenmacher.

Os carros eram furtados e roubados no Vale dos Sinos e trocados por drogas, bem como usados como lavagem de dinheiro pela célula que agia no tráfico, sendo levados para outros Estados, como Santa Catarina e também para o Paraguai. Além das prisões, foi solicitada e decretada a perda de bens, bloqueio de contas bancárias e apreensão de veículos. Conforme o delegado, três indiciados também receptavam veículos roubados, clonavam e enviavam para Santa Catarina e Paraguai, além de aplicarem fraudes a seguradoras. Um deles, com vários antecedentes criminais em outros Estados do Brasil, é um libanês, naturalizado paraguaio.

Durante a Operação Esparta, 30 pessoas foram presas, além de mais 14 já estarem no sistema prisional e que receberão o ciente das prisões decretadas, totalizando 44 prisões. Foram apreendidos uma pistola calibre 9mm israelense, uma espingarda calibre .16, munições, um quilo de crack, porções de maconha e cocaína, oito veículos e mais de R$ 5.000 em dinheiro.

Participaram da ação 250 policiais civis do DPM, DEIC, DENARC e DECA, utilizando 60 viaturas. Os presos foram encaminhados para a 3ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana, em São Leopoldo, para os procedimentos de polícia judiciária. Após, serão encaminhados ao sistema prisional.



Postar um comentário