SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

UM HOMICÍDIO A CADA 95 MINUTOS



ZERO HORA 17 de dezembro de 2013 | N° 17647


CAROLINA ROCHA E EDUARDO ROSA



MADRUGADA VIOLENTA. Entre as 20h30min de domingo e as 6h de ontem, Porto Alegre, Campo Bom, São Leopoldo e Alvorada registraram seis assassinatos



Seis pessoas foram assassinadas em Porto Alegre e Região Metropolitana em um intervalo de menos de 10 horas, entre a noite de domingo e a madrugada de ontem. Ou seja, a cada 95 minutos, ocorreu um homicídio na região – três foram na Capital, um em Campo Bom, um em Alvorada e um em São Leopoldo.

Acontagem considera o período que vai das 20h30min de domingo, quando um adolescente foi morto em Campo Bom, até as 6h de ontem – horário em que um tiroteio no fim de uma festa em São Leopoldo terminou com um homem morto e outros dois feridos. No crime mais misterioso, um carregador autônomo morreu no pátio das Centrais de Abastecimento do Rio Grande do Sul (Ceasa), no bairro Anchieta. Os dados são do jornal Diário Gaúcho, que monitora diariamente os assassinatos em 19 cidades.

Diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil, o delegado Odival Soares afirma que, na Capital, a média é de um homicídio por fim de semana desde a criação do departamento, no final de dezembro do ano passado. Conforme o delegado, dificilmente são registradas mortes além da média.

– Isso (três casos em menos de 10 horas) é uma exceção. Não tem como se ter uma normalidade neste tipo de crime – diz o delegado, ressaltando que o DHPP, responsável pelas delegacias de homicídios e pela Delegacia de Homicídios de Trânsito, abrange apenas Porto Alegre.

O pós-doutor em Criminologia Rodrigo Ghiringhelli de Azevedo, professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), explica que números elevados de homicídios em um final de semana não significam, necessariamente, aumento nas taxas do crime – para se verificar isso, seria preciso um acompanhamento durante um período maior de tempo.

– De qualquer maneira, a um caso de homicídio, tem de se dar uma atenção muito grande – diz o sociólogo, salientando que isso está sendo feito com a ampliação das delegacias de homicídios na Capital (segundo o delegado Odival Soares, o DHPP elevou a resolução de 1,2 para 7,3 a cada 10 casos).

Média de 3,6 mortes por dia na Região Metropolitana

Zero Hora publicou na edição de ontem que o ritmo das mortes em dezembro fez acelerar a média verificada durante o ano na Região Metropolitana. Com os seis crimes praticados entre a noite de domingo e a madrugada de ontem, a média de assassinatos chega a 2,73 crimes por dia. Neste mês, 3,6 pessoas foram mortas por dia na Região Metropolitana e em Porto Alegre. Mantendo-se esta média até o final do mês, mais uma vez a região registrará mais de mil homicídios no ano – número já verificado nos anos de 2011 e 2012, de acordo com os levantamentos realizados pelo Diário Gaúcho.


NA PARADA DE ÔNIBUS - Irmãos são baleados na Zona Sul

Dois irmãos foram baleados na tarde de ontem, na Avenida Icaraí, no bairro Cristal, em Porto Alegre

De acordo com a apuração da polícia, um homem de bicicleta, indiferente à movimentação, se aproximou e atirou na dupla – um cadeirante de 36 anos e uma jovem de 27 anos.

O alvo seria o homem, que foi atingido por pelo menos um tiro na cabeça. A irmã, que o acompanhava, teria tentado defendê-lo. E foi atingida na boca.

– As vítimas não têm antecedentes criminais, mas tudo leva a crer que estivessem ligados, de alguma forma, a um homicídio ocorrido perto dali durante a noite anterior – afirma o delegado Gabriel Bicca, da 4ª Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa.

Os irmãos foram socorridos e levados ao Hospital de Pronto Socorro onde continuavam internados até a noite de ontem.

Postar um comentário