SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

sábado, 31 de agosto de 2013

O DISCURSO E A SEGURANÇA


O SUL, 31/08/2013

WANDERLEY SOARES

Temos um robô e o Kiko. Mas ainda é pouco


Ao se considerar que os efetivos dos organismos da segurança pública - há décadas - estão muito longe do que seria o razoável; que a contratação de novos profissionais, efetivos ou provisórios, mal consegue empatar com as aposentadorias; que a aquisição de armas e viaturas é meras reposições e que armas e viaturas não combatem bandidos por controle remoto; ao se considerar o crescimento da população e, com isso, a promoção cada vez mais intensa de eventos em todo o Estado; ao se considerar os salários humilhantes pagos a quem está na linha de frente contra a bandidagem; ao se considerar tudo isso, não há nenhuma dúvida de que os índices de violência e criminalidade deverão estar num crescente e, se simplesmente ficarem estáveis, já será uma situação da maior gravidade. A segurança pública deve ter um discurso consequente das ações e, nunca, como acontece agora, um discurso escorregadio e transversal substituindo as ações. O Estado já ganhou um robô para a Copa, além do Kiko, mas é pouco


Brinquedo

Quinta-feira à noite, a Brigada Militar de Sapucaia do Sul recebeu informações de que um roubo estaria acontecendo na rua Presidente João Goulart no bairro Vila Verde, no interior da lotação de prefixo 358 que faz a linha Centro-Boa Vista. Uma viatura chegou em tempo de avistar e prender dois bandidos que praticaram o ataque com uma arma de brinquedo


Banco

Três homens assaltaram a agência do Banco Sicredi de Progresso, cidade do Vale do Taquari. Eles quebraram os vidros do prédio e dispararam vários tiros. Na fuga, os bandidos levaram três pessoas reféns, que foram liberadas na BR-386


Delegados

Cerca de 750 delegados gaúchos foram afiliados à Adepol (Associação dos Delegados de Polícia do Brasil). O presidente da Asdep (Associação dos Delegados de Polícia do RS), Wilson Müller Rodrigues, esteve em Brasília para formalizar a inscrição junto à instituição


PROJETO PROÍBE USO DE MÁSCARAS EM MANIFESTAÇÕES

O GLOBO 31/08/2013


Projeto na Alerj proíbe o uso de máscaras em manifestações. Objetivo é permitir a identificação de quem participa de protestos


Um manifestante usa máscara durante um protesto contra o preço das passagens dos ônibus - Agência O Globo


Se for aprovado terça-feira na Alerj e sancionado pelo governador Sérgio Cabral, um projeto de lei dos deputados Paulo Melo e Domingos Brazão (ambos do PMDB) pode tirar as máscaras dos manifestantes. Publicado ontem no Diário Oficial do Legislativo, o projeto 2.405 quer o fim do anonimato nos protestos de rua, que muitas vezes terminam em depredações do patrimônio público e privado. “É especialmente proibido o uso de máscara ou qualquer outra forma de ocultar o rosto do cidadão com o propósito de impedir-lhe a identificação”, diz o artigo 2°.

— Todo mundo está achando que o projeto é contra as manifestações. Não é. Mas quem quer se manifestar não se preocupa em ser identificado. Veja o protesto dos professores. Pessoas pacíficas ocupando o espaço público para uma reivindicação. Os Black Blocs reivindicam o quê? A pessoa já sai de casa mascarada, com roupa preta e coturno. A Constituição Federal está sendo respeitada. Mas ela não fala em manifestação com rosto coberto. A cidade precisa voltar à sua regularidade — argumentou o presidente da Alerj, Paulo Melo.

Na justificativa do projeto, os parlamentares elogiam as manifestações, mas criticam “aqueles que, mascarados e armados, se infiltram nessas reuniões a fim de cometer crimes”.

Membro da ONG Instituto de Defensores de Direitos Humanos, o advogado Felipe Coelho disse que a iniciativa requer uma discussão aprofundada:

— Não se pode interpretar uma lei de forma restritiva.

na câmara, Vaias e sirene

Na Câmara, o presidente da CPI dos Ônibus, Chiquinho Brazão, e o relator, Professor Uóston, ambos do PMDB, foram hostilizados por manifestantes ontem nas escadarias do prédio. Por sugestão de membros da Mídia Ninja, os dois tentaram conversar com o grupo sobre os rumos da CPI, mas ficaram no local por menos de dois minutos. Manifestantes xingaram os vereadores. Em determinado momento, os dois tiveram as vozes abafadas por uma sirene que reproduzia a de um carro da polícia.

A CPI fez a primeira audiência com depoimentos há dez dias, mas Brazão disse que ainda não analisou o teor das declarações do secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osorio, e de dois assessores da prefeitura, em busca de elementos para instruir a CPI. Ele disse que isso não poderia ser feito devido a uma liminar obtida por seis vereadores de oposição na semana passada. A Mesa Diretora recorreu e cassou a liminar.

Apesar de Eliomar Coelho (PSOL) ter anunciado que renunciou à CPI, um documento assinado por todos os vereadores deixa em aberto a possibilidade de ele retornar aos trabalhos. No texto, os vereadores afirmam que Eliomar declina da participação enquanto não houver mudança na composição da comissão. Reimont (PT), primeiro suplente da CPI, ainda não sabe se participará ou não dos trabalhos. Semana que vem, haverá uma reunião com o diretório regional do PT para que o partido, que integra a base do governo, se posicione.

SP VOLTA A REGISTRAR PROTESTO VIOLENTO


Ato das centrais sindicais com 1,5 mil pessoas na Av. Paulista não teve tumulto, mas Black Blocks danificaram sede da TV Globo
30 de agosto de 2013 | 23h 52

Bruno Deiro e Diego Zanchetta



As divisões vistas nos protestos de rua desde junho - "com" e "sem violência" - voltaram a ser notadas nas manifestações realizadas nesta sexta-feira em São Paulo. Dois atos, com cerca de 1,5 mil pessoas, fecharam a Avenida Paulista das 15h às 18h, sem tumulto. Os líderes, ligados a centrais sindicais, fizeram questão ainda de condenar ações de grupos anarquistas, como os Black Blocs. Já 200 mascarados foram suficientes para realizar, à noite, atos de vandalismo.


Nelson Fontaine/Fotoarena
Protesto dos Black Blocs teve pichação e depredação

Os Black Blocs organizaram um protesto na frente da TV Globo, na zona sul de São Paulo, contra a emissora e o que chamaram de "monopólio dos meios de comunicação". Às 20h, bloquearam a pista da Marginal do Pinheiros no sentido Imigrantes - só liberada às 21h.

Muitos carregavam paus e pedras. Eles partiram da Praça General Gentil Falcão (na Avenida Luís Carlos Berrini) e percorreram cerca de 1 km até a sede da Rede Globo. No caminho, houve pichações. Ao chegar na frente da emissora, começaram as depredações. O grupo atirou esterco no logotipo da Globo e quebrou pelo menos dez holofotes dos jardins ao redor.

Duas fachadas de agências bancárias nas proximidades também foram depredadas. A PM não agiu em nenhum momento e só acompanhou o grupo, que chegou a hostilizar motoristas.

Na Paulista, a polícia também "escoltou" um grupo de mascarados que decidiu descer a Rua Augusta, às 20h. Não foi registrado vandalismo. Os dois grupos - na Berrini e na Augusta - se dispersaram às 22h.

Sindicalistas. Já o trânsito nos locais de manifestação foi o principal efeito notado pelos paulistanos no Dia Nacional de Manifestação e Luta. Os atos foram convocados por CUT, Força Sindical, Conlutas, CTB, Nova Central e CGTB. Os protestos foram uma continuidade do ato conjunto de 11 de julho. Naquela vez, como agora, não houve grande participação popular, mas as expectativas "foram superadas", segundo as centrais. "Apesar de não termos convocado greve geral, em sete Estados houve paralisação de transportes", disse o presidente da CUT, Vagner Freitas.

Em São Paulo, a primeira manifestação, pela manhã, causou lentidão na Marginal do Pinheiros, sentido Interlagos, às 10h. Mas havia poucas dezenas de participantes. Na Rua Alvarenga, a interdição ocorreu próximo da entrada da Universidade de São Paulo (USP).

À tarde, as mobilizações na Paulista foram maiores. A capital toda chegou a registrar 174 km de congestionamento às 16h06 (uma hora após o início dos protestos), índice 46% acima da média considerada normal. O pico de trânsito, porém, ocorreu uma hora após o fim dos protestos, às 19 horas - 199 km, 3 km acima da média.


 / COLABOROU ANNA CAROLINA PAPP

A MISSÃO DE RESGATAR O CARRO ROUBADO



ZERO HORA 31 de agosto de 2013 | N° 17539

TEIA DE BUROCRACIA

A missão é resgatar o carro. Mulher assaltada teve veículo encontrado pela polícia há mais de dois meses, mas não pode reavê-lo



Todo mês, Liliane Cristina da Silva, 34 anos, desembolsa R$ 1.275 para pagar as prestações do carro que tirou da concessionária, zero-quilômetro, em dezembro de 2012. Mas, há quase quatro meses, a sensação da assistente financeira é de que ela paga por algo que não é dela.

Vítima de um assalto no qual teve o veículo levado por dois bandidos, em 6 de maio, agora ela sofre com a burocracia. Abordada por assaltantes na frente do trabalho, em São Leopoldo, a mulher foi levada com o carro e deixada para trás pouco tempo depois. No mesmo dia, registrou ocorrência policial e acionou o seguro. O que parecia encaminhado se transformou em tormento em 23 de maio, quando ela retornou de uma viagem.

Liliane recebeu uma carta do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-RS) informando que o veículo havia sido recuperado pela polícia de Novo Hamburgo em 15 de maio. Começou, então, uma peregrinação para tentar reaver o carro.

Ao procurar o depósito do Detran, no dia seguinte, o marido de Liliane, Flademir Luís da Silva, descobriu que teria de ir à 1ª Delegacia da Polícia Civil, no município do Vale do Sinos. No local, soube que seria preciso entrar na Justiça para retomar o bem, transformado em prova de crime. Com suspeita de adulteração e apreendido com seis homens indiciados por receptação, o Ágile tem de ser liberado pela Justiça para voltar às mãos da dona.

– Entramos com a ação (na 4ª Vara Cível de Novo Hamburgo) em 5 de junho. Mas meu carro continua no depósito, sem proteção – desabafa Liliane, que também gastou R$ 1.212 com o seguro e R$ 750 com advogado.

Delegado afirma que pedido de perícia atrasa a liberação

O casal não consegue sequer se aproximar do veículo no depósito. A proibição, explicam os administradores, ocorre porque o Ágile está lacrado e sob poder do Judiciário.

Responsável pela 1ª DP de Novo Hamburgo, o delegado Nauro Marques relata que, na operação em que o automóvel de Liliane foi recuperado, foram apreendidos outros quatro veículos:

– O carro, que é uma prova, estava alterado, e foi pedida perícia para provar as adulterações e identificar qual a numeração original. O inquérito está na Justiça, e só a Justiça pode liberar.

Conforme o Tribunal de Justiça, a 4ª Vara Cível aguarda que a 3ª Vara Criminal se pronuncie. É preciso analisar se o veículo ainda poderá servir como prova e se precisa de perícia. A assessoria de imprensa do Instituto-geral de Perícias (IGP) informou que não há, no órgão, nenhum pedido de perícia para o Ágile.


COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Esta indignação deveria ser dirigida para o governante e parlamentares do RS que promoveram a separação da perícia criminal do corpo da polícia judiciária, atendendo interesses corporativos, reduzindo a capacidade investigativa, burocratizando ligações e processos e tornando lentos os resultados. Os reflexos estão retratados na ineficácia da apuração de delitos, nas dificuldades investigativas e na peregrinação das vítimas que tentam recuperar carros roubados que dependem de perícia. É mais uma do Brasil surreal governado por políticos que, mesmo no governo,  só pensam em votos.

SOBRE A CRIMINALIDADE



ZERO HORA 31 de agosto de 2013 | N° 17539

ARTIGOS

Gaspar Marques Batista*



À beira da estrada, uma mulher idosa vendia pinhão. Parei o carro e comprei. Os pinhões vieram acondicionados num jornal velho do primeiro semestre deste ano. Li a notícia alvissareira, que dizia terem se reduzido em 3,5% os homicídios dolosos no Rio Grande do Sul. No primeiro trimestre de 2013, foram apenas 490. Um pouco menos do que o número de homicídios ocorridos no Japão em todo o ano de 2012, isto é, 506.

Cada ano que passa, as autoridades de segurança se esmeram em tentar reduzir a criminalidade, que cresce cada vez mais. Não lembram de tornar a lei penal mais severa, mais intimidativa aos criminosos, mais segura para a esmagadora maioria da sociedade, que quer trabalhar, quer viver momentos de lazer com sua família.

O Brasil é um campeão de criminalidade, com mais de 20 homicídios dolosos por 100 mil habitantes. Eu sei que há outros paraísos para os criminosos, até com maior grau de violência, como Porto Rico, Venezuela, África do Sul, além de outros muito pouco visitados. Torna-se importante lembrarmos, no entanto, que há exemplos que deveríamos seguir. É o caso da Argentina, que na última contagem apresentou uma estatística de pouco mais de 1,3 mil homicídios dolosos, contrastando com os mais de 40 mil anuais ostentados pelo Brasil. É claro que é um sonho distante chegar a números semelhantes à Noruega, 0,6 homicídio por 100 mil habitantes. Mas pelo menos poderíamos reduzir a intensa criminalidade brasileira. Daqui a quatro ou cinco anos, pode ser tarde demais e as pessoas de bem sairão às ruas exigindo o direito à segurança, obrigando os governantes a buscar medidas extremas, como pena de morte para traficantes de drogas e responsabilidade objetiva em matéria de homicídio.

Um político ilustre, que anos antes fora juiz, disse certa vez que, se fosse fechada a Justiça Criminal no Rio Grande do Sul, pouca diferença faria. Estima-se que hoje um pequeníssimo percentual dos crimes seja punido. Muitas pessoas nem dão queixa à polícia, descrentes da punição. Inúmeros fatos os promotores não conseguem denunciar, pela insegurança das provas colhidas. Dos que são denunciados, a maioria resulta em absolvição, quase sempre por falta de provas, já que a prova produzida anos depois é falha. As testemunhas tendem a arrepender-se de ter dito a verdade perante a polícia, não raro oferecendo outra versão em juízo, uma vez que o criminoso, no Brasil, tem mais poder de coação do que o Estado. Só a significativa redução da criminalidade dará à polícia condições de dedicar tempo suficiente à elucidação de um fato criminoso. Um policial brasileiro tem cinco vezes mais fatos para resolver do que um policial argentino. Pela mesma circunstância, julga-se melhor na Argentina do que no Brasil. Só a punição severa reduzirá a criminalidade. Aqui no Brasil, os condenados são logo postos em liberdade, ganhando sensação de impunidade e estímulo à prática de novos crimes, beneficiados pelo ledo engano da fácil recuperação.

É preciso que a criminalidade seja tratada com mais seriedade, sem que os agentes políticos que tratam do assunto estejam preocupados com o brilho dos holofotes, e passem a pensar na possibilidade de tentar a via dolorosa do rigorismo penal, já que outras medidas não vêm dando certo há 50 anos.

*DESEMBARGADOR

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - A conclusão do autor no artigo abaixo é corretíssima: é "preciso que a criminalidade seja tratada com mais seriedade, sem que os agentes políticos que tratam do assunto estejam preocupados com o brilho dos holofotes, e passem a pensar na possibilidade de tentar a via dolorosa do rigorismo penal, já que outras medidas não vêm dando certo há 50 anos." As políticas contra o crime não podem ser amadoras, morosas, midiáticas, pontuais, partidárias ou ideológicas, mas especialmente técnicas com processos ágeis e  inseridas na justiça criminal.

É por este motivo que defendo a construção de um SISTEMA DE JUSTIÇA CRIMINAL, em que os poderes, instituições, órgãos e departamentos formarão um conjunto técnico de ações, processos e operações contra a violência e criminalidade, podendo exigir atenção política, prioridades, investimentos e leis melhores e mais coativas. É por este motivo que defendo a construção de um SISTEMA DE JUSTIÇA CRIMINAL, em que os poderes, instituições, órgãos e departamentos formarão um conjunto técnico de ações, processos e operações contra a violência e criminalidade, podendo exigir atenção política, prioridades, investimentos e leis melhores e mais coativas.

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

EXIBICIONISMO COPEIRO

O SUL, 30/08/2013

WANDERLEY SOARES


Motoqueiros brigadianos descem, velozes, escadarias do viaduto no Centro Histórico.


Motoqueiros brigadianos desceram velozes uma das asas das escadarias do viaduto da Borges de Medeiros, o que não chega a ser incomum, no início da tarde de ontem, com suas máquinas roncando, sem que se soubesse que estivessem em perseguição a bandidos. Um exibicionismo provavelmente preparativo para a Copa da Porto Alegre do Kiko. De minha torre, como um humilde marquês, recebo informações sobre como desabam as cascatinhas do Fortunati, no que foram transformadas as escadarias daquela obra de arte na temporada das chuvas e, com tempo seco, motos oficiais ou ciclistas civis invadindo os passeios. À noite, o policiamento é zerado e só aparece diante de fatos consumados. Trata-se da segurança transversal e cidadã, que está transformando o Rio Grande no território da paz verde e amarelo.


Livramento

Em Livramento, uma patrulha da Brigada Militar abordou um veículo que transportava 13 terneiros que eram levados para o Cerro do Chato. A carga viva não tinha nota fiscal nem o GTA (Guia de Transporte de Animais). Isto ocorreu no dia 15 deste mês. Tudo seria um caso a mais de tentativa de burlar a lei, não fosse o fato de o motorista do veículo revelar que os bichos pertenciam a um dos membros do Executivo de Livramento. Seguem as investigações e estarei atento.


Tristeza

O bairro Tristeza, na Zona Sul da Capital, tem média de um carro roubado a cada três dias, segundo dados da Polícia Civil.


Decisões oficiais

Deu no DOE (Diário Oficial do Estado): "O coronel João Gilberto Fritz passou à disposição da Secretaria do Trabalho e do Desenvolvimento Social; o sargento Newton Teixeira Rodrigues passou à disposição da Assembleia Legislativa; os servidores Cristian Fabiano Guimarães e Ligia Maria Correa Geyer, da Secretaria da Saúde, viajarão de 9 a 15/9/13 para Paris a fim de participar do Congresso "Urban Dynamics & Health Concepts, Methods and Applications', com 6,5 diárias de 360 euros/dia, passagens aéreas e taxa de inscrição; ...

INSEGURANÇA EM PORTO ALEGRE



Diego Casagrande, via facebook, 30/08/2013

Do ouvinte e leitor Ricardo Nascimento, apavorado com a insegurança pública: 

"Fala Diegão, ontem a minha esposa estava voltando de um Seminário na PUC/RS por volta das 18h30 e resolveu subir a Lucas de Oliveira.

Ela saiu da Ipiranga, e entrou na Lucas, tudo engarrafado.

Ela andou pouco mais de uma quadra, na pista da esquerda, e o fluxo parou de vez, quando ela olhou pelo retrovisor viu um cara com um revólver apontado para o motorista do carro que estava atrás do dela, ela viu quando o motorista entregou talvez um notebook ou um tablet e ergueu as mãos.

Em seguida o assaltante se virou para ir em direção ao carro da minhas esposa, mas no meio do caminho, ele resolveu ir atacar o que estava atrás daquele que ele já havia assaltado.

Ela me disse que apenas rezou e ficou esperando, pois não havia como ir para frente ou pegar a outra pista.

A situação está complicada meu amigo"

UMA PORTO ALEGRE MAIS INSEGURA


ZERO HORA 30 de agosto de 2013 | N° 17538

HUMBERTO TREZZI

LADRÕES EM AÇÃO


Uma capital mais insegura. Principais indicadores de crimes contra o patrimônio, como assalto a professor, cresceram no primeiro semestre em Porto Alegre



O assalto frustrado que quase tirou a vida do professor de Educação Física Everton Luís Deiques, na quarta-feira, chama a atenção para um dado atemorizante nas estatísticas criminais de Porto Alegre. Os principais indicadores de crimes violentos contra o patrimônio – assaltos, roubos de veículos e latrocínios – cresceram no primeiro semestre do ano, em relação a igual período de 2012.

Deiques, 34 anos, foi baleado junto ao seu veículo, uma camioneta Tucson estacionada na Rua Doutor Mário Totta, em frente ao colégio Mãe de Deus, no bairro Tristeza. A vítima levou três tiros ao reagir ao assalto. Os ladrões fugiram.

Roubo de veículos é um tipo de crime que cresceu 16% de janeiro a junho (veja infográfico ao lado), se comparado com os primeiros seis meses do ano passado. Já os assaltos comuns tiveram aumento ainda maior nas estatísticas, 27%, segundo números da Secretaria da Segurança Pública. Embora seja um delito pouco comum, o latrocínio (roubo com morte) cresceu 200%.

Levantamento da Rádio Gaúcha, com base em dados da Polícia Civil, mostram que o bairro Tristeza, na Zona Sul, teve em 14 meses uma média de um carro roubado ou furtado a cada três dias. O levantamento compreende 2012 e os primeiros dois meses deste ano. A Rua Mário Totta, onde Deiques foi baleado, teve 16 veículos levados por ladrões nesse período.

– O bairro tem sofrido um incremento de investimentos imobiliários, muita gente de alto poder aquisitivo circulando, bastante veículos e, com isso, atrai também ladrões. Notamos que o número de assaltos a motoristas cresceu bastante, sobretudo nas rótulas – constata a delegada Áurea Hoeppel, titular da 6ª Delegacia da Polícia Civil (bairro Vila Assunção), encarregada de investigar a tentativa de assalto contra Deiques.

Orientação de delegada é evitar reação a assalto

Chama a atenção que o roubo frustrado aconteceu à luz do dia, às 17h, próximo a uma escola. Áurea diz que a região tem várias rotas de fuga para outros bairros. Ela sugere que as vítimas não reajam, porque o elemento surpresa está do lado dos bandidos.

Deiques lutou com um dos criminosos e foi baleado em um braço, no tórax e no abdômen. Está internado no Hospital de Pronto Socorro, em estado regular. PMs detiveram um suspeito que estava próximo ao local do crime, um rapaz com antecedentes por roubo, mas ele não foi reconhecido pela vítima. Os policiais civis sabem que pelo menos duas câmeras flagraram um dos bandidos e aguardam cópia das gravações. Uma quadrilha com atuação na região é suspeita.


BM promete intensificar operações

Será com mais presença nas ruas que a Brigada Militar vai combater o aumento dos assaltos. É o que promete o chefe do Comando de Policiamento da Capital (CPC), coronel João Godoy. O oficial diz que será reforçado o combate aos ladrões de carro e afirma que a questão dos assaltos é sazonal – as ocorrências aumentam e diminuem conforme a presença de policiais nas ruas. Para tentar reduzir os roubos, a BM colocou 537 novos PMs na Capital nos últimos meses. Vieram também novas viaturas.

– Esses 537 policiais se somam a mais 4 mil. Com isso e blitze seguidas, especialmente nos fins de semana, vamos reverter esse quadro – acredita Godoy.

O coronel lembra que outro crime, o número 1 nas prioridades – o homicídio –, tem diminuído. Em parte, graças a operações de desarmamento. O resultado é que a apreensão de armas no Estado (com destaque para Porto Alegre) cresceu no primeiro semestre 6,9% em relação a igual período de 2012. No último trimestre também ocorreu um crescimento de 6,1% do número de prisões e detenções feitas pela BM, em relação ao primeiro trimestre do ano. O coronel acredita que, num curto prazo, essas duas providências também reflitam em queda no número de roubos.

PM é alvo de tiros em Santa Maria

Um policial militar do Batalhão de Operações Espaciais (BOE) sofreu uma tentativa de homicídio no início da noite de quarta-feira, em Santa Maria. Ele recebeu alta na manhã de ontem. Conforme a BM, André Souza dos Santos, 41 anos, foi atingido pelas costas por pelo menos quatro tiros. Suspeito do crime, um homem de 33 anos foi preso em flagrante.


quinta-feira, 29 de agosto de 2013

COLÉGIO SE MOBILIZA POR SEGURANÇA

ZERO HORA 29 de agosto de 2013 | N° 17537

Em outro colégio, protesto por segurança



Alunos do Ensino Médio do turno da noite da Escola Estadual Professor Elmano Lauffer Leal, no bairro Jardim Planalto, na zona norte de Porto Alegre, fizeram uma mobilização ontem à noite para pedir mais segurança. Na noite de terça-feira, cinco alunos foram assaltados por um grupo de 10 criminosos que levaram bolsas, dinheiro, celulares e até os tênis dos estudantes.

Para pedir a presença da Brigada Militar, os alunos fecharam, das 19h às 20h, a Avenida Baltazar de Oliveira Garcia, esquina com a Avenida Ary Tarragô, onde fica a escola. Foi no corredor de ônibus da Baltazar que os cinco alunos foram assaltados às 22h15min de terça. O caso, mais um de uma série de assaltos, foi a gota d’água. Somente no último mês, pelo menos cinco assaltados foram registrados à noite.

– A gente se sentiu impotente. Eu sou mãe e sou estudante. E quem nos protege. Como é ontem (terça) levaram 20 minutos para mandar uma viatura e hoje (quarta) tem quatro para ficar aqui? – disse a estudante Raquel Tavares Ferreira, 43 anos, estudante do 2º ano.

Aluna abandonou instituição por causa da insegurança

Segundo os alunos, a BM demorou 20 minutos para chegar após o último ataque. Os PMs não registraram a ocorrência do assalto. Ontem, quatro viaturas e pelo menos 10 policiais do 20º BPM estavam acompanhando o protesto.

O vice-diretor da escola, Maurício de Oliveira Ricardo, disse que, em julho, a direção mandou um representante para uma reunião com órgãos de segurança. A resposta ao pedido de mais policiamento foi de que o efetivo da BM na região é insuficiente. Para tentar driblar os bandidos, a Elmano Lauffer chegou a mudar o horário de saída. Antes, os alunos largavam às 23h, hoje largam antes. Mesmo a tentativa de fazer com que saiam juntos, para evitar os assaltos, fracassa.

– Em abril, uma ótima aluna do 3º ano abandonou a escola depois de ser assaltada, tamanho foi o trauma. Sem contar os pedidos de transferência de professores que não querem mais trabalhar à noite – conta Maurício.

À LUZ DO DIA


ZERO HORA 29 de agosto de 2013 | N° 17537

Professor é baleado por ladrões em frente a escola. Atingida por três tiros, vítima teria reagido a investida de dupla que pretendia levar seu carro na Capital


O professor de educação física Everton Luis Deiques foi baleado próximo a seu veículo, em frente a um colégio particular na zona sul da Porto Alegre, no fim da tarde de ontem. Conforme a Polícia Civil, ele teria sido abordado por assaltantes e, ao reagir, atingido por disparos de arma de fogo.

OHospital da Brigada Militar de Porto Alegre informou que foram três tiros, que acertaram o braço, o tórax e o abdomen do professor.

O crime ocorreu em frente ao Colégio Mãe de Deus, na Rua Doutor Mário Totta, bairro Tristeza. Segundo o Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp), o professor de 34 anos, que estaria chegando à escola, foi o alvo de dois assaltantes que queriam levar sua Tucson preta, estacionada na via, do lado oposto à instituição de ensino. Os disparos foram feitos por volta das 17h.

Conforme a delegada Áurea Regina Hoeppel, titular da 6ª Delegacia da Polícia (bairro Vila Assunção), que investiga o caso, a tentativa de assalto é considerada uma prioridade.

– Coloquei o pessoal na rua, estão fazendo a investigação (ontem à noite) – afirmou a delegada.

Áurea informou que um suspeito chegou a ser abordado pelos policiais, mas ele não havia sido reconhecido por testemunhas até o início da noite de ontem.

De acordo com policiais que trabalhavam no local, uma boina bege com o símbolo do Rio Grande do Sul foi encontrada ao lado do veículo, que não foi levado pelos ladrões – possivelmente, seria de um dos assaltantes. Também teria sido achado um celular, mas não se tinha a confirmação se era da vítima ou de algum dos criminosos.

Inicialmente, Deiques foi encaminhado ao Hospital da Brigada Militar de Porto Alegre, no bairro Vila Assunção, e transferido para o Hospital de Pronto Socorro por volta das 20h, em estado regular.

Durante a noite, peritos do Instituto-geral de Perícias (IGP) trabalhavam no local do crime. A polícia fazia buscas ontem aos assaltantes, mas ninguém havia sido preso até o fechamento da edição.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

MUSICO TEM VIOLÃO DE ESTIMAÇÃO ROUBADO



ZERO HORA 28 de agosto de 2013 | N° 17536


FABIO PRIKLADNICKI

NA MIRA DO CRIME

Thedy lamenta roubo de violão. Músico foi assaltado na noite de segunda-feira, quando chegava para ensaio em Porto Alegre



Por volta das 21h de segunda-feira, o músico Thedy Corrêa, da banda Nenhum de Nós, foi assaltado quando chegava para um ensaio em um estúdio na Rua Mariante, bairro Rio Branco, em Porto Alegre. O ladrão levou o carro (um Gol que pertencia à sogra, já que o carro do músico estava com sua mulher), o celular, a carteira e o violão.

Ocarro tinha seguro. Mas o violão, da prestigiada marca Martin, era de estimação. De madrugada, Thedy postou a foto do instrumento na rede de microblog Twitter, acompanhada de uma mensagem: “Amigos fui roubado hj (segunda-feira) à noite. Levaram carro, documentos e, o pior, meu violão... Espalhem a foto. Quem sabe ajuda...”.

Tratava-se de um violão que o músico havia comprado, há cerca de dois anos, em uma loja em Nova York. Em entrevista por telefone, ontem, ele disse que era o violão de seus sonhos e que não sabe estimar o preço:

– Não é tanto pelo preço. É aquela coisa de ter uma identificação com o instrumento. Tem violão que é perfeito para uma pessoa e não é tão bom para outra.

Thedy foi assaltado à mão armada quando chegava para um ensaio com Luiz Marenco. Foi abordado quando saía do carro. Chegou a perguntar para o ladrão se poderia ficar com o violão, justificando que se tratava de instrumento de trabalho. Não foi autorizado. Um rapaz que passava por perto ligou para a polícia, que chegou “em cinco minutos”, segundo Thedy, mas não a tempo de pegar o ladrão.



ENTREVISTA - “50 anos para ser roubado”


Em entrevista, vítima diz que nunca havia sido assaltada: – Foi a primeira vez. Levei 50 anos para ser roubado.

ZH – O instrumento tinha alguma marca que as pessoas possam reconhecer como sua?

Thedy – Não tinha nada. Mas não é um violão muito comum de se encontrar por aí. Aliás, é bem difícil ter um violão desses à disposição para alguém comprar. Ele (o assaltante) vai ter dificuldade (para vender). Se ele quiser me vender, eu compro de volta (risos).

ZH – O que está fazendo para tentar recuperar o violão?

Thedy – Postei a foto no Twitter, nas redes sociais. Claro que fiz o boletim de ocorrência. Essa orientação de usar as redes sociais, inclusive, foi do pessoal da Brigada, porque sempre ajuda. Às vezes, uma informação surge dali, e eles vão atrás. A galera da Brigada foi superprestativa e rápida.

ZH – Já tinha sido assaltado alguma vez?

Thedy – Não. Foi a primeira vez. Levei 50 anos para ser roubado.

ZH – Gostaria de acrescentar algum comentário?

Thedy – Quero agradecer quem soube ser solidário. Comigo está tudo bem. Mantive a calma e não reagi.

THEDY CORRÊA MÚSICO

ASSASSINADO POR 150 REAIS

28 de agosto de 2013 | N° 17536

FIM DAS BUSCAS, Taxista foi assassinado por R$ 150


O corpo do taxista Luiz André da Rocha, 53 anos, desaparecido desde o dia 12, foi localizado no Rio Jacuí, em Charqueadas. A polícia informou que o homem foi morto por R$ 150 por um adolescente de 17 anos e um jovem de 18 anos.

Rocha foi assassinado em Venâncio Aires. Os dois suspeitos estão detidos desde o dia 19 pelo assassinato de Rocha e de outro taxista, Paulo Roberto Lagemann, 55 anos, morto no dia 18 com golpes de faca. Rocha foi encontrado na segunda-feira distante 70 quilômetros do local do assassinato. O corpo estava em um local conhecido como Praia das Pedrinhas.

– Os bombeiros fizeram diversas buscas pela área. Sabíamos que era só uma questão de tempo para o corpo aparecer – disse o delegado Paulo Cesar Schirrmann.

A família reconheceu a vítima pela aliança e pelas roupas.

Segundo o delegado Schirrmann, a cabeça apresentava lesões, possivelmente de pedradas:

– O adolescente confessou os crimes, mas disse que os golpes fatais teriam sido desferidos pelo seu comparsa. Já o jovem (Leonardo Pereira Siebennega) nega as acusações. Como sabemos que os dois eram usuários de drogas, acreditamos que viram nos assassinatos uma forma fácil de obter dinheiro para sustentar o vício.

Ambos tinham antecedentes por furtos. Rocha deixa a mulher e uma filha de sete anos.

JÚLIA OTERO

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

REAÇÃO À ASSALTO DEIXA BANDIDO FERIDO NA CABEÇA

ZERO HORA 26/08/2013 | 17h49

Homem reage a assalto e evita roubo no Bairro Rubem Berta, em Porto Alegre. Vítima, que seria policial federal, foi abordado por bandido na Rua Doutor Vargas Neto


Foto: Carolina Rocha / Diário Gaúcho


Carolina Rocha


Um homem, que seria policial federal, reagiu a um assalto por volta das 17h desta segunda-feira no Bairro Rubem Berta, em Porto Alegre. De acordo com a Polícia Civil, a vítima foi abordada por um bandido quando o Peugeot 206 estava estacionado na Rua Doutor Vargas Neto, próximo à Praça México.

A vítima reagiu a tiros e o assaltante ficou ferido na cabeça, ainda sem a confirmação se foi por conta de um disparo ou por estilhaços.

BANDIDOS FORTEMENTE ARMADOS E COM EXPLOSIVOS


Por Ieda Risco - facebook

Polícia Federal evita ataque a banco com uso de explosivos

Porto Alegre (RS): A Polícia Federal evitou na madrugada dessa segunda-feira, 26 de agosto, que um grupo de cinco homens fortemente armado atacasse um banco no interior do Rio Grande do Sul com utilização de explosivos.

Informações levantaram a suspeita de que um veículo Honda City, roubado e “clonado” seria utilizado por uma quadrilha para a ação criminosa. Policiais federais identificaram o automóvel na noite de domingo estacionado na Avenida Antônio de Carvalho, em Porto Alegre, e passaram a monitorá-lo. O grupo se deslocou até o município de São Vicente do Sul, vigiado pela PF, circulou pela cidade e retornou em direção à Capital, sendo abordado no posto de pedágio de Charqueadas. Os assaltantes tentaram fugir e foram capturados. No automóvel foram encontrados uma submetralhadora 9 mm, uma metralhadora 762 antiaérea, uma espingarda calibre 12, três pistolas 9 mm, um revólver calibre 38, 2,5 quilos de explosivos, coletes balísticos, radiocomunicadores, “tocas ninja”, ferramentas e mais de 300 munições.

A ação foi coordenada pela Delegacia de Repressão a Crimes Contra o Patrimônio – DELEPAT – e teve o apoio do Grupo de Pronta Intervenção – GPI e do Grupo de Bombas e Explosivos – GBE – que detonou os artefatos encontrados com o grupo.

Os cinco presos, entre eles um ex-vigilante, já têm histórico de assaltos a banco e responderão por formação de quadrilha, receptação, porte ilegal de arma de fogo de uso restrito e de uso permitido e transporte de explosivo.

Texto e foto enviados por Comunicação Social da Polícia Federal no Rio Grande do Sul


VIDEO

https://www.facebook.com/photo.php?v=10151662302748731&set=vb.571048730&type=2&theater

MEDO QUE AVANÇA


ZERO HORA 26 de agosto de 2013 | N° 17534

EDUARDO TORRES

Levantamento aponta aumento de latrocínios. Comparado a dados de 2012, crime cresceu 63% na Região Metropolitana


Na manhã de sábado, Adriano Botelho Rodrigues, 43 anos, foi vítima de três disparos quando trabalhava em seu minimercado no bairro Torotama, em Alvorada. A Polícia Civil acredita que ele tenha sido vítima de um assalto, crime que vem atormentando a cidade.

O comerciante foi a 36ª vítima de latrocínio (roubo com morte) no ano, considerando dados das 19 principais cidades da Região Metropolitana. Conforme levantamento do Diário Gaúcho, um percentual 63,6% superior ao mesmo período do ano passado (22 casos).

O crime deste sábado engrossou essa trágica estatística, que não permite às autoridades comemorarem a queda de 17% nos índices de assassinatos na Região Metropolitana este ano. O comerciante foi morto com três tiros nas costas, atrás do balcão onde atendia pouco antes das 11h. Para a polícia, o provável autor dos disparos é um assaltante. Rodrigues foi a terceira vítima em assaltos. somente neste mês em Alvorada. Foram quatro latrocínios na cidade em 2013, o dobro de todo o ano passado.

Mortes violentas apresentam queda nos últimos três anos

Os dados levantados pelo Diário Gaúcho apontam queda nos homicídios. O número de assassinatos na região avaliada chegou a 652 casos desde o começo do ano. Em média, são 2,75 mortes violentas por dia. É o menor índice em três anos de acompanhamento do jornal. Ano passado, no mesmo período, já haviam sido registradas 792 mortes – 3,32 por dia.


O que a pesquisa revelou

NÚMEROS
- 36 pessoas já foram vítimas de latrocínio no ano em 19 cidades da Região Metropolitana – 63,6% a mais do que no mesmo período de 2012 (22 casos).
- Em todo 2012, foram registrados 39 roubos com morte na região.
- Em 2011, no mesmo período do ano, 30 latrocínios haviam sido registrados. Foram 40 casos em todo aquele ano.

MÉDIA DIÁRIA DE HOMICÍDIOS*
- 3,03 em 2011
- 3,32 em 2012
- 2,75 em 2013
Fonte: *Levantamento do Diário Gaúcho entre 19 municípios da Região Metropolitana e do Vale do Sinos até 25 de agosto.


CAXIAS DO SUL - CORPO CARBONIZADO. Adolescente é morto em estrada de chão

Um corpo carbonizado e parcialmente nu foi encontrado na manhã de ontem em Caxias do Sul. Ele estava em uma estrada de chão e apresentava ferimentos na cabeça. Conforme o Comando Regional de Polícia Ostensiva da Serra (CRPO/Serra), a vítima foi identificada como Anderson Pavloski da Silveira, 15 anos. O garoto estava desaparecido desde quarta-feira. A vítima é de Sulina, no Paraná, e não tinha antecedentes.

Equipes do plantão da Polícia Civil e do Instituto-geral de Perícias estiveram no local para fazer o levantamento do crime. Até ontem, não havia suspeitos ou indícios da motivação. A investigação seguirá hoje com o setor de homicídios do 2º Distrito Policial. Este é o 68º assassinato registrado neste ano na cidade da Serra.


CAXIAS DO SUL - Ladrões colocam fogo em altar

A igreja matriz da Paróquia de Nossa Senhora de Caravaggio, no bairro Ana Rech, em Caxias do Sul, foi arrombada entre a noite de sábado e a madrugada de ontem. Além de levarem dinheiro da coleta da última missa e da venda de artigos religiosos – cerca de R$ 130 – e seis microfones, os criminosos atearam fogo a móveis atrás do antigo altar. As chamas atingiram parte do manto que fica atrás da imagem de Caravaggio, mas não se espalharam pela igreja de 1917. Na frente no altar, em uma toalha, os criminosos derramaram álcool em gel e tentaram colocar fogo.

– Por milagre, o fogo apagou – disse o coordenador de pastoral, Moacir Danieli.

Por não haver sinais de arrombamento, Moacir e o padre, Roberto Mossi, acreditam que o criminoso possa ter frequentado a missa de sábado à noite e ter ficado dentro da igreja. Na sala de som, a tranca superior da porta estava danificada pelo lado interno.

A ação só foi descoberta por volta das 8h de ontem, quando a zeladora abriu a igreja para prepará-la para a missa das 9h. Em razão dos danos e do cheiro de fumaça, a missa ocorreu em uma sala da secretaria da paróquia.

Não há pista dos ladrões. No dia 20, a Igreja de São Cristóvão, que pertence à paróquia, também foi arrombada.


DEMOLINDO A SEGURANÇA PÚBLICA

Blog Alerta Total, 24 de agosto de 2013

Por Valmir Fonseca

Sem prejulgar o procedimento dos membros da Segurança Pública, sejam os policiais civis e, principalmente, os integrantes das Polícias Militares, é abjeta a Campanha para a desmoralização dos instrumentos empregados na Manutenção da Lei e da Ordem.

Sem dúvida, a Campanha agigantou - se diante da energia dos Órgãos de Segurança Pública para coibir os atos de vandalismo e destruição que têm acompanhado a todos os tipos de manifestações, que em geral iniciam apenas com os alaridos e as palavras de ordem de praxe, mas que breve se transformam em descarado terrorismo.

Por certo, as manifestações pelo seu grotesco planejamento tiveram a orientação de alguém ou de alguns que pretendem algo mais do que somente provocar o caos.

É terrível, imaginar que grupelhos reforçados com ladravazes, com sádicos e com bandidos de rude e baixa categoria cumpram as diretrizes de indivíduos que resolveram lançar a balbúrdia no seio da sociedade. Mas ao que percebemos, a patifaria é fruto de estratégicas intenções.

É flagrante que ao tentar coibir os manifestantes, quando eles transformam suas pretensas aspirações em ações predatórias, os policiais militares são abertamente considerados como os criminosos.

É sempre destaque que os policiais abusaram de sua autoridade aos se defrontarem contra os inocentes vândalos.

É evidente que, por vezes, as atuações podem ter algum resquício da força policial, em especial, quando parte da mídia fecha os olhos, descaradamente, para as depredações e os atos de vandalismo dosinocentes terroristas, e crucificam as atuações policiais.

Sem justificar a mão pesada das repressões policiais, contudo admitimos que deve ser árduo, quase que diariamente prender marginais, muitos de menor idade, arriscando a própria vida, para no dia seguinte vê - los soltos praticando novos crimes.

Por isso, é desencorajante para aqueles policiais suportar a sua constante desmoralização pela falta de uma atualização de nossas leis penais, inclusive da idiotice que acoberta o menor criminoso, e a deplorável ação de nossos magistrados na sua claudicante aplicação da justiça. 

Este tipo de desgaste, que ocorre amiúde, enfraquecendo o próprio policial, que pode, sem que isto seja uma justificativa, provocar na mente do cidadão responsável pela repressão ao crime, agir em determinadas ocasiões com indignada atuação.

Hoje, percebemos que um dos objetivos declarados dos responsáveis pela realização das manifestações é a desmoralização de um dos principais instrumentos para a Manutenção da Lei e da Ordem.

Quando abordamos este assunto, falamos com sofrida experiência, pois as Forças Armadas há muitas décadas vem sendo vítimas deste tipo de operação psicológica, quando o terrorista é cunhado como herói e os repressores de suas criminosas ações, tachados como torturadores.

Para aumentar a desmoralização dos Órgãos Policiais são comuns as autoridades governamentais responsáveis se pronunciarem concordando que os policiais militares “agiram incorretamente, com desusada violência”, e nenhuma é capaz de apoiá - los.

Sim, conhecemos a deturpação de valores que nos impingem, nos acostumamos a esquecer das vítimas de assassinos, para nos dedicar a preservar e a justificar os pobres criminosos.

A recente reabilitação pelo Congresso, da memória de Carlos Marighela, um ex - parlamentar e conhecido terrorista, que chefiou as mais violentas organizações subversivas e autor do manual do guerrilheiro, é o exemplo marcante de nossa indecorosa e nojenta inversão de valores.

Portanto, VIVA os manifestantes, apesar dos vandalismos e destruições que acarretam, e ABAIXO os seus desalmados repressores.

Valmir Fonseca Azevedo Pereira, General de Brigada Reformado, é Presidente do Ternuma.

sábado, 24 de agosto de 2013

SOCIEDADE CIVIL SE UNE EM DEFESA DO AFROTEGGAE E DAS UPPS


Campanha nas redes teve 121 milhões de acessos e compartilhamentos

ELENILCE BOTTARI
O GLOBO
Publicado:24/08/13 - 5h00

A campanha em defesa da pacificação no Facebook Terceiro / Reprodução


RIO - Com apenas dez dias de vida no Facebook, a campanha “Deixem o Rio em Paz”, um movimento da sociedade civil em defesa da programa de pacificação e do AfroReggae, já alcançou 121 milhões de acessos e compartilhamentos na rede. Organizado após os atentados às sedes do AfroReggae, o movimento vem ganhando apoio de artistas, empresários, desportistas, profissionais liberais e entidades sociais que decidiram criar uma “rede de proteção” às UPPs e ao AfroReggae. Em nota divulgada nesta sexta-feira no GLOBO e assinada por mais de cem participantes, a campanha afirma que os atentados à ONG e as ameaças ao seu fundador, José Junior, também põem em risco o processo de pacificação.

“As ameaças de morte a seu coordenador e alguns outros integrantes, a tentativa de expulsão da ONG do Complexo do Alemão, em meio a atentados a suas instalações e ao evento Desafio da Paz, exigem mobilização imediata de toda a sociedade. Fatos como esses não têm mais lugar no Rio de Janeiro”, afirma o manifesto, que, ontem, ganhou o apoio do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que postou um depoimento em vídeo na página oficial da ONG na internet.

Um dos fundadores da campanha, o coordenador do Disque-Denúncia, Zeca Borges, enumerou os benefícios já conquistados pelas UPPs e afirmou que o programa de pacificação é um patrimônio da sociedade do Rio.

— De 2008 para cá, são menos mil homicídios por ano. Mais de cem mil balas deixaram de ser disparadas pela polícia militar, 23 mil só em confrontos em favelas dominadas pelo tráfico. Caíram as mortes em confrontos, o número de policiais mortos, as balas perdidas. A sensação de segurança voltou, e, o mais importante, o sagrado direito de ir e vir. É por tudo isso que estamos lutando. Claro que ainda tem muita coisa a melhorar, não podemos admitir casos como o do desaparecimento do Amarildo, mas esses são problemas pontuais que serão resolvidos. O que não podemos permitir é a volta da barbárie — afirmou Zeca Borges.

Bala perdida: queda de 81%

O coordenador do Disque-Denúncia citou ainda a redução dos casos de balas perdidas, de 181 pessoas atingidas na capital em 2008 para 35 no ano passado. Ou seja: 81% a menos, de acordo com dados do Instituto de Segurança Pública (ISP). Quem quiser, pode assinar o manifesto, na página www.facebook.com/deixemorioempaz, onde há depoimentos como o do cineasta Cacá Diegues:

“A sociedade tem que proteger José Junior e abraçar a causa do AfroReggae, como se estivesse abraçando e protegendo a ela mesma. Se não formos capazes disso, não mereceremos viver numa sociedade justa.”

Responsável pela campanha na internet, o publicitário Eduardo Trevisan disse que, nos últimos dias, as exposições da página alcançaram uma média de 40 milhões a cada 48 horas:

— Mal conheço o José Junior, mas me sinto atingido também, porque não se pode mais admitir que um traficante expulse de uma comunidade um movimento que tira crianças da rua, só porque ele não gostou das denúncias feitas pelo coordenador contra um pastor. Isso aqui não é Uganda, não é a Síria. Não mais.

Desde 2008, o projeto já instalou 33 UPPs, beneficiando 1,5 milhão de pessoas e libertando 226 territórios retomados pelo estado, numa extensão de 9.442.247 m².

CRIMINOSOS EXPLODEM AGÊNCIA

CORREIO DO POVO 24/08/2013 08:06

Criminosos explodem agência bancária em Pinhal. Ataque durou cerca de três minutos e suspeitos utilizaram um carro branco na fuga



Criminosos explodem agência bancária em Pinhal
Crédito: Brigada Militar / Divulgação / CP


Uma quadrilha, integrada por pelo menos quatro homens, explodiu na madrugada deste sábado uma agência do banco Bradesco, no Balneário Pinhal, no Litoral Norte do Estado.

De acordo com informações da Brigada Militar (BM) do município, o crime ocorreu às 3h30min, na avenida Itália. Para ingressar na agência, o grupo criminoso quebrou até uma parede e em seguida utilizou explosivos para danificar o único caixa eletrônico disponível.

A BM não tem ideia da quantidade de dinheiro levada pela quadrilha, mas as câmeras de monitoramento do local irão ajudar a Polícia Civil nas investigações. O ataque durou cerca de três minutos e na fuga os suspeitos utilizaram um carro branco para deixar o local.


Polícia investiga tentativa de homicídio dentro de hospital em Porto Alegre. Homem foi alvejado com tiros nas pernas e passou por cirurgia

A Polícia Civil irá analisar as imagens das câmeras de segurança do circuito interno do Hospital Cristo Redentor, em Porto Alegre. O objetivo é buscar a identificação de um homem que teria aproveitado o horário de visitas, invadido um quarto e atirado contra Tiago Diogo Gonçalves, de 27 anos. O crime ocorreu na noite desta sexta-feira. A vítima foi alvejada com tiros nas pernas, passou por cirurgia e passa bem.

A polícia civil suspeita de vingança. Gonçalves deu entrada no hospital ainda na quinta-feira, depois de ter sido baleado no tórax e abdômen por dois homens no bairro Rubem Berta, zona Norte de Porto Alegre. O caso está sendo investigado pela 3ª Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DPHPP).

Fonte: Luciano Nagel / Rádio Guaíba


Empresário é morto a tiros em Alvorada. Dois homens entraram em revenda de carros e efetuaram disparos testemunhados pela família da vítima


Dois homens entraram em revenda de carros e efetuaram disparos testemunhados pela família da vítima
Crédito: Jonathas Costa/O Alvoradense/Especial CP


Um empresário de 40 anos foi morto a tiros, no fim da tarde desta sexta-feira, em Alvorada, Região Metropolitana. De acordo com o jornal O Alvoradense, dois homens entraram na revenda de automóveis da vítima na avenida Presidente Vargas e, sem anunciar assalto, um deles sacou a arma e disparou. Gevanildo Slayfer, não resistiu aos ferimentos.

De acordo com a Brigada Militar, a dupla conversou por alguns minutos com a vítima e, então, foram dados ao menos três disparos. A mulher e os filhos de Slayfer estavam na loja e presenciaram o assassinato. Os criminosos fugiram em direção a Porto Alegre, onde BM e Polícia Civil fazem buscas.

23/08/2013

Caixa eletrônico é arrombado no Centro de Porto Alegre. Criminosos utilizaram um maçarico para retirar dinheiro do equipamento

Um caixa eletrônico do banco Santander foi arrombado na madrugada desta sexta-feira em Porto Alegre. Segundo informações da Brigada Militar (BM), o crime ocorreu na avenida Farrapos, no Centro da Capital.

Conforme a BM, os criminosos que ingressaram na agência usaram um maçarico para danificar o equipamento e levar o dinheiro. Não há informações de quantas pessoas participaram do crime e nem de como chegaram ao banco. 


22/08/2013 16:00

Trio assalta banco em Porto Alegre e queima carro na fuga. Criminosos fugiram em outro veículo com a ajuda de um comparsa

Ao menos três homens armados com pistolas e marretas assaltaram, no início da tarde desta quinta-feira, uma agência do Banrisul, na zona Sul de Porto Alegre. O estabelecimento fica na avenida Edgar Pires de Castro, no bairro Aberta dos Morros.

Os criminosos quebraram a porta giratória, renderam os seguranças e obrigaram os funcionários a entregar uma quantia em dinheiro, não revelada. Na fuga, o trio seguiu em um Renault Logan, percorreu cerca de 800 metros, queimou o carro e embarcou em um segundo veículo, conduzido por um quarto suspeito. Ainda não há informações sobre o paradeiro dos criminosos.

Segundo a BM, ninguém se feriu durante o ataque. Os policiais ainda desconhecem se havia câmeras de segurança na agência bancária, que pudessem ter gravado a ação dos bandidos.

De acordo como Sindicato dos Bancários, com este assalto, já são 97 ataques a bancos no Rio Grande do Sul em 2013, contra 105 no mesmo período em 2012. Em agosto foram 12 ações, contra 13 nas primeiras três semanas do mês do ano passado.


Professora é estrangulada e esfaqueada nas Missões. Polícia investiga envolvimento de Cristiane Marks, de 26 anos, com ex-interno da Case

A Delegacia da Mulher de Santo Ângelo, nas Missões, começou a investigar a morte da professora de História Cristiane Marks, de 26 anos, que teve o corpo encontrado no corredor do apartamento onde vivia, no bairro Cohab. A vítima tinha ferimentos do tipo esganadura no pescoço e marcas de facadas próximas ao coração.

De acordo com a delegada Elaine da Silva, Cristiane era professora do Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Santo Ângelo e havia se envolvido com um ex-interno. A possibilidade de envolvimento dele no crime não está descartada, mas o jovem ainda não prestou depoimento. “A morte ocorreu por hemorragia e foi um homicídio. Ainda estamos analisando, mas a suspeita de o namorado dela estar envolvido não pode ser descartada”, disse.

Segundo a delegada, no local do crime ocorreu havia dois pratos com almoço servido, talheres e copos, além de bombons. Porém, só a parte dos alimentos de um dos lados não havia sido consumida. Os materiais foram encaminhados à perícia, assim como o celular e o notebook da vítima.

Fonte: Wagner Machado / Rádio Guaíba / CP


Homem é mortos a tiros e outro fica ferido em Triunfo. Disputa por terreno na cidade teria motivado disparos

Um homem de 31 anos foi morto a tiros na manhã desta terça-feira na rua 28 do bairro Olaria, em Triunfo, na região Carbonífera. O assassinato, ocorrido por volta das 10h, aconteceu, segundo a Brigada Militar (BM), após um desentendimento por conta de um terreno.

Ainda de acordo com informações fornecidas pela BM, o atirador teria invadido a área pertencente à vítima - identificado como Marcos Santos de Souza. Ele foi atingido por três tiros.

Durante a discussão, o suspeito ainda disparou outros três tiros com arma de calibre .38 contra outro homem, de 33 anos, que também estava no local. O atirador, de 28 anos, fugiu após os disparos e é procurado pela polícia.

Fonte: Gabriel Jacobsen / Rádio Guaíba




A FORTUNA CAÍDA DO CÉU

O SUL 24/08/2013


WANDERLEY SOARES

Mesmo no Brasil da Copa, é preciso não esquecer: o Diabo não dorme

A informação está em Ijui News. Uma mulher de 63 anos caiu no conto do bilhete e entregou aos golpistas R$ 7.700 em dinheiro e mais algumas joias. O golpe foi aplicado, quinta-feira, no Centro de Ijuí. A vítima relatou à polícia que um jovem aparentando ser do interior lhe abordou para pedir ajuda, já que estava de posse de um bilhete premiado no valor de um milhão de reais. Enquanto os dois conversavam, outra mulher se aproximou e ofereceu ajuda. Ela teria telefonado para a Caixa Federal e confirmado o prêmio. O jovem pediu à comparsa e à vítima que lhe ajudassem, mas queria provas de que não seria enganado. A golpista apresentou uma maleta de dinheiro como garantia. A vítima foi a uma agência bancária e sacou o dinheiro e ainda buscou algumas joias em casa para entregar ao rapaz. Os golpistas, deixando o bilhete, sumiram, em seguida, num carro cinza. Sigam-me.


Dinheiro do céu

Este episódio de Ijuí, segundo a linguagem dos profissionais do Direito, é tratado como "torpeza bilateral". Dou uma aprofundada no tema, seguindo orientação de meus conselheiros, apenas para prevenir incautos de que dinheiro não cai do céu. É bom saber como a Justiça cuida da torpeza bilateral.


"A fraude bilateral configura-se quando os dois indivíduos que participam do negócio têm interesses ilícitos. No caso do estelionato, a vítima também age com má fé visando à obtenção da vantagem. Exemplo: aquele que é ludibriado pelo agente e compra uma máquina pensando que ela faz dinheiro falso. Ambos os indivíduos agem, pois, ilicitamente.


Entendimento anterior do STF acreditava não ser possível a instauração de ação quando verificada a torpeza bilateral. Atualmente, a corrente majoritária afirma: Mesmo quando há torpeza bilateral, resta configurado o crime de estelionato, porque a norma penal não exigiu a boa fé da vítima. Por isso, o que interessa é saber se realmente a vítima foi enganada e se sofreu um prejuízo patrimonial, ainda que esta tivesse por intuito enganar o próprio agente criminoso. Essa é a orientação que prevalece em doutrina e nos tribunais superiores.


Nelson Hungria, do lado minoritário, entende que não há estelionato na torpeza bilateral porque a lei não pode amparar a má-fé da vítima. Além disso, o agente não poderia responder pelo ilícito penal, já que a própria vítima estaria proibida de requerer a reparação do dano na esfera civil por não poder pleitear em juízo sua própria torpeza. Entretanto, o que prevalece é a opinião no sentido de que realmente há o estelionato. E os argumentos justificadores são: a) o fato é típico, pois não se pode ignorar a má-fé do agente que empregou a fraude e obteve a vantagem, nem o fato de a vítima ter sido enganada e sofrido o prejuízo; b) a reparação do dano na esfera civil é matéria que interessa apenas a vítima, mas a punição do estelionatário visa a proteger toda a sociedade."


Epílogo

Devido à complexidade que envolve um processo como este de Ijuí, que depende, inclusive, da identificação e detenção dos autores do delito, o mais certo é que a senhora enganada não vai ver mais a cor de seu dinheiro e os criminosos não irão para a cadeia. O melhor mesmo é estar atento para uma verdade milenar: o Diabo não dorme.

NA HORA DO PAGAMENTO



ZERO HORA 24/08/2013 | 00h40

Homem é morto por assaltantes dentro de construção em Cachoeirinha. Luiz Delaunei Cardoso, 57 anos, era responsável pelo pagamento dos funcionários da obra

Um homem foi morto por assaltantes por volta das 17h desta sexta-feira, na Vila Regina, em Cachoeirinha, na Região Metropolitana. Luiz Delaunei Cardoso, 57 anos, responsável pelo pagamento de funcionários que trabalham na construção de um prédio de três andares na Rua Edgar Bins, foi assassinado por uma quadrilha, que levou aproximadamente R$ 10 mil que estavam com a vítima.

Pelo menos quatro homens teriam invadido o local e rendido os funcionários. Depois, os criminosos teriam se dirigido diretamente para o segundo piso da obra, onde era realizado o pagamento. De acordo com testemunhas, Cardoso teria reagido ao assalto e levado dois tiros no peito.

A Brigada Militar chegou a levá-lo ao Hospital Padre Jeremias, mas ele chegou sem vida. Ninguém foi preso. O caso é investigado pela 1ª Delegacia da Polícia Civil do município.


Criminosos explodem caixa eletrônico em Balneário Pinhal. Ataque representa o segundo assalto em pouco mais de um mês ao posto bancário


Posto do banco Bradesco foi alvo de criminosos na madrugada deste sábadoFoto: Brigada Militar / 

Um grupo de criminosos invadiu um posto bancário e explodiu um caixa eletrônico na madrugada deste sábado, em Balneário Pinhal, no Litoral Norte. A ação ocorreu por volta das 3h30min no posto bancário do Bradesco, localizado na Avenida Itália, sem registro de feridos.

De acordo com informações da Brigada Militar (BM), não há confirmação se os bandidos, que fugiram em um carro branco, conseguiram levar dinheiro. Foram montadas pelo menos 10 barreiras na região, em uma tentativa de localizá-los.

Na ação da madrugada deste sábado, os grupo de assaltantes — seriam quatro, conforme informações preliminares — agiu rapidamente. Conforme o tenente Dutra, da BM de Balneário Pinhal, o ataque durou aproximadamente cinco minutos. Não haveria testemunhas, e a BM foi avisada pelo telefonema de uma pessoa que ouviu a explosão.

Uma equipe de perícia, vinda de Porto Alegre, faria uma vistoria no local na manhã deste sábado. Antes do trabalho dos peritos, a impressão era de que os assaltantes agiram com precisão.

— Eles sabiam usar os explosivos — afirma o tenente Dutra.

O ataque deste sábado representa o segundo assalto, em pouco mais de um mês, ao posto do Bradesco. Em 2 de julho, uma dupla invadiu o local quando os funcionários chegavam para trabalhar, no início da manhã. Renderam dois vigias e fugiram com três pessoas reféns, entre eles o gerente, sem levar dinheiro.

Como dois policiais militares flagraram a fuga, foi possível chegar à localização de um suspeito, preso à noite. Os reféns não se feriram.


Comerciante é executado dentro de revenda de automóveis em Alvorada. Givanildo Sleifer, 40 anos, foi atingido por pelo menos quatro tiros de pistola .380

Eduardo Torres

O comerciante Givanildo Sleifer, 40 anos, foi executado, no final da tarde de sexta-feira, dentro da revenda de automóveis em que era proprietário, na Avenida Getúlio Vargas, em Alvorada, próximo ao limite com Porto Alegre.

Pouco antes das 18h, um homem teria chegado à revenda e, depois de pedir informações sobre um carro, teria perguntado pelo proprietário do estabelecimento. Quando Givanildo se aproximou, foi atingido por pelo menos quatro tiros de pistola .380. Ele não teria antecedentes criminais. A polícia descarta a hipótese de um latrocínio (roubo com morte).

No começo da noite, um Fox - sem registro de roubo - foi encontrado abandonado no Parque dos Maias, Bairro Rubem Berta, Zona Norte da Capital. A polícia desconfia de que pudesse ser o carro do atirador. Como o veículo não tem registro de roubo, a 1ª DP de Alvorada agora tenta descobrir quem é o dono.

A motivação do crime ainda é misteriosa.


DIÁRIO GAÚCHO





BALEADO DENTRO DO HOSPITAL

ZERO HORA 24/08/2013 | 03h44

No horário de visitas

Homem é baleado dentro do Hospital Cristo Redentor, na zona norte da Capital. Tiago Diogo Gonçalves, 27 anos, já havia sido alvo de disparos na quinta, no bairro Rubem Berta


Eduardo Rosa

Um homem de 27 anos, internado no Hospital Cristo Redentor, na zona norte de Porto Alegre, foi baleado na noite desta sexta-feira, dentro da instituição. Conforme a Polícia Civil, Tiago Diogo Gonçalves se recuperava após ter sido alvo de disparos na quinta-feira.

De acordo com o delegado Leônidas Cavalcante, da 3ª Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DPHPP), que investiga o caso, um homem teria aproveitado o horário de visitas, entrado no quarto onde estava Gonçalves, atirado com arma de fogo várias vezes (atingindo as pernas da vítima) e fugido. Na quinta-feira, segundo investigação, Gonçalves havia sido baleado no tórax e no abdômen por dois homens usando toucas ninja, que estariam em uma caminhonete, no bairro Rubem Berta.

A Polícia Civil já requisitou as imagens das câmeras de circuito interno da instituição e trabalha com a hipótese de tentativa de execução. A vítima tem passagem pela polícia. O Hospital Cristo Redentor informou à reportagem, no início deste sábado, que Gonçalves sobreviveu e foi atendido logo após o fato ter ocorrido.

Durante a madrugada, Zero Hora tentou contato com a assessoria de imprensa do hospital para saber que medidas a instituição vai tomar em relação ao fato, mas não teve sucesso.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

MOTOQUEIROS ARMADOS ASSALTAM FARMÁCIA EM CIDADE DO INTERIOR


Ijuí News - 22/08/2013

Motociclistas armados assaltam Farmácia na Rua 19 de Outubro



Lig Farma sofre o segundo assalto em um ano. Foto: Abel Oliveira


Criminosos armados e de motocicleta assaltaram a Farmácia Lig Farma, na Ra 19 de Outubro, nas proximidades do Posto de Saúde da SMS, no início da noite desta quinta-feira (22/8).

Por volta das 18h45, um dos bandidos entrou na Farmácia de capacete, capa de chuva e portando uma arma de fogo, e exigiu o dinheiro do caixa.

Com cerca de R$ 300 e um telefone celular roubados, o criminoso fugiu na motocicleta que o aguardava na rua.

O proprietário da Farmácia saiu atrás dos autores que tomaram como direção a Zona Norte da cidade.

A Brigada Militar faz buscas. Não há informações de feridos na ação.

A mesma Farmácia também foi assaltada em julho do ano passado, quando bandidos de motocicleta invadiram o local armados de faca.

RECIFE PROÍBE MÁSCARAS EM PROTESTOS


Após confusão, Recife proíbe máscaras em protestos. A partir de agora, Batalhão de Choque chegará antes do início das manifestações e fará revistas

LETÍCIA LINS
O GLOBO
Atualizado:22/08/13 - 21h21

Mascarados participaram de protesto na quarta-feira que terminou em conflito em Recife Bobby Fabisak/JC Imagem


RECIFE - Um dia depois do protesto que acabou em confronto com a polícia e ao menos dez feridos em Recife, a Secretaria de Defesa Social de Pernambuco decidiu fechar o cerco aos black blocs. Em entrevista coletiva nesta quinta-feira, o secretário Wilson Damázio informou que vai mudar o protocolo adotado em manifestações pelo passe livre na cidade. Segundo ele, as máscaras não serão mais toleradas e as mochilas serão revistadas. Além disso, o Batalhão de Choque, que só aparecia para atuar em momentos de conflito, agora vai chegar antes ao local das manifestações, revistar mochilas e impedir o uso de máscaras.

Na noite desta quarta-feira, black blocs se infiltraram em um passeata de estudantes e protagonizaram cenas de violência, entre pedradas na sede da Câmara Municipal, um ônibus incendiado e pelo menos 31 outros depredados. Só na Câmara municipal, os responsáveis pela limpeza recolheram pedras que encheram um carrinho de mão.

O secretário de Defesa Social de Pernambuco disse que designou o delegado Darlson Macedo para investigar os atos de vandalismo da noite desta quarta-feira, que ocorreram durante protesto da Frente de Luta pelo Transporte Público (FLTP), versão local do Movimento Passe Livre. O FLTP é integrado em sua grande maioria por representações estudantis e já tinha realizado pelo menos sete outros protestos. De acordo com a polícia, o último, com apenas 150 pessoas, foi o mais violento. O Chefe da Policia Civil de Pernambuco, Osvaldo Morais, disse que o Serviço de Inteligência da instituição vem identificando manifestantes arruaceiros que participaram de outros atos de vandalismo.

Na tentativa de identificar manifestantes que vieram de outros estados, a Secretaria de Defesa Social de Pernambuco disse que vai entrar em contato com policiais dessas localidades, como cariocas e paulistas.

— Estou trocando informações com polícias de outros estados, como São Paulo e Rio de Janeiro, para identificar integrantes com ação interestadual — disse Damázio.

Pelo menos um manifestante, que estava no meio do quebra-quebra, veio de fora de Recife para participar da ação. A polícia colheu pedras, artefatos explosivos de fabricação caseira e bexigas com material inflamável.

Apoio da OAB

O presidente da secional Pernambuco da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Pedro Henrique Reynaldo Alves, afirmou ser legítimo, por parte do estado, exigir a quebra do anonimato dos manifestantes.

- A constituição prevê o livre direito à associação, porém para fins pacíficos. No evento de quarta, houve associação para violar a ordem jurídica.

Já o desembargador José Muiñoz Pineiro Filho, integrante da comissão de reforma do Código Penal, disse que não há lei que impeça um cidadão de andar mascarado. À luz da legislação vigente, segundo Pineiro, a polícia não pode prender alguém só pelo uso de máscara, nem obrigá-la a exibir o rosto sem uma justa causa.

— Examinando a legislação, inclusive no campo das contravenções penais, não encontrei nada que proíba. E, na legislação penal, nenhuma conduta que criminalize. A Constituição permite que cada um se vista como quiser. O que não pode é o atentado ao pudor.

A única exceção, para o desembargador, seria o caso de uma atitude suspeita, como um cidadão mascarado perto de uma agência bancária. Nesse caso, a autoridade policial teria cobertura legal para exigir que a pessoa retirasse a máscara. Outra exceção seria o uso de máscaras associado a atos de vandalismo:

— Se a pessoa praticar dano ao patrimônio, a polícia pode exigir a retirada do capuz, e mesmo prendê-la, por se tratar de um crime. Mas só depois da prática do crime.

AS QUADRILHEIRAS

O SUL Porto Alegre, Sexta-feira, 23 de Agosto de 2013.



WANDERLEY SOARES

A ideia de que as mulheres são simplesmente reféns de seus companheiros traficantes tem muito de hipocrisia, para não dizer que é falsa.

O lucro fácil e alto devido ao crescimento constante de consumidores, inclusive com o apoio velado de alguns segmentos da mídia e nada velado de comunidades de jovens, a fragilidade dos meios de recuperação de dependentes, além dos sempre atrasados dispositivos de repressão, são, entre outros pontos, molas impulsionadoras do tráfico de drogas que envolvem famílias inteiras e incentiva as mulheres a se integrar nesse processo nem sempre subterrâneo. A ideia de que as mulheres são simplesmente reféns de seus companheiros traficantes tem muito de hipocrisia, para não dizer que é falsa. Como um humilde marquês, aqui de minha torre, digo que é evidente que os governos estão desarrumados e escorregadios nessa guerra, não conseguem controlar os líderes do tráfico, estejam eles presos ou em liberdade, e demonstram incapacidade de entender o avanço da importância que as mulheres estão assumindo nas redes de violência e criminalidade. Isso é chocante.


Meninos

A polícia de Eldorado do Sul prendeu, ontem, nove adolescentes envolvidos no incêndio da escola La Hire Guerra, ocorrido no último dia 12. A operação, comandada pelo delegado Alencar Carraro, cumpriu mandados de apreensão nos bairros Sans Souci e Progresso. Os adolescentes têm entre 13 e 17 anos de idade e somente um nunca foi aluno da escola. Conforme Alencar, eles apresentam um fraco desempenho escolar, pois repetiram o ano várias vezes e muitos desistiram de estudar. Isso se chama deseducação transversal. Os prejuízos da escola são estimados em R$ 1 milhão.


Educação

No labirinto da violência e da criminalidade, a educação é a porta de saída. No entanto, contrastando com isso, no DOE (Diário Oficial do Estado) são fartas as publicações de professores sendo cedidos ou tendo confirmados os desvios de função.


Malote

A polícia recuperou um malote do Banrisul com R$ 70 mil em dinheiro. Estava com dois homens que foram presos quando circulavam num carro roubado pelo bairro Guajuviras, em Canoas. A suspeita é de que o malote pertença à agência da Ceasa, de Porto Alegre


Banco

Três homens invadiram ontem a agência Banrisul na estrada Edgar Pires de Castro, pegaram o dinheiro e fugiram em um veículo Renault Logan branco, encontrado queimado próximo do local.

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

OPERAÇÃO DELEGADA NA CIDADE DE SÃO PAULO

Diego Zanchetta
O ESTADO DE S.PAULO, 20/08/2013

Haddad aceita PMs de cidades vizinhas para ampliar Operação Delegada


Em encontro hoje pela manhã com o secretário de Segurança do Estado, Fernando Grella, o prefeito Fernando Haddad (PT) aceitou viabilizar a Operação Delegada à noite com PMs das outras 38 cidades da Região Metropolitana que quiserem fazer o ‘bico’ da Prefeitura de São Paulo. Hoje só os policiais da capital podem participar do convênio para atuar na cidade – eles recebem, em média, adicional mensal de R$ 1.800 por 40 horas.

O acordo ocorre quatro dias após a gestão Haddad excluir como meta do governo a extensão da patrulha dos PMs na Operação Delegada nos bairros da periferia. O prefeito admitiu que havia resistência de soldados da capital em aderirem ao programa nos bairros – hoje os 1.853 policiais militares do convênio ficam principalmente na região central, em ruas comerciais com grande circulação de pessoas.

Em março, logo após Estado e Prefeitura assinarem convênio para estender a Operação Delegada para o período noturno, a maior parte dos soldados da corporação que atuavam no centro e seriam transferidos para os bairros desistiu de participar do ‘bico’. O efetivo pago pela Prefeitura, que era até abril de 3.458 homens, foi reduzido pela metade.

“O secretário foi muito gentil conosco, e acredita-se que, com a possibilidade de soldados de outras cidades participarem do convênio, vai se resolver o problema”, disse o prefeito à reportagem do Estado hoje à tarde, por volta das 15 horas, logo após reunião com o presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Alceu Navarro.

A oferta do Estado foi feita porque hoje existe solicitações de vários batalhões de cidades vizinhas como Guarulhos, Osasco, Itapevi, Santo André e São Bernardo que queriam ter a possibilidade de participar da Operação Delegada na capital.

Haddad disse que a intenção é mudar o perfil da Operação Delegada, focada nos últimos quatro anos no combate ao comércio informal. “Com metade do efetivo nós conseguimos aumentar o número de apreensões de produtos ilegais. Então precisamos deslocar esse contingente para outras funções.”




Haddad se encontra com presidente do TRE Alceu Navarro no centro de SP

O TRÁFICO E A PORTA SEMIABERTA

O SUL, Porto Alegre, Quarta-feira, 21 de Agosto de 2013.


WANDERLEY SOARES


Na Redenção, há redutos exclusivos para traficantes e consumidores.

Sobre as ações do Estado em relação ao tráfico de drogas, desde a importação bandida, da produção, da comercialização e consumo, na crítica, ao se eliminar os aspectos políticos-partidários, hipócritas, demagógicos, além dos debatedores acadêmicos e outros simplesmente ingênuos, é de se reconhecer que mesmo os mais bem intencionados especialistas não conseguem encontrar a melhor saída de urgência do labirinto. Prisões, apreensões e até eliminações físicas ocorrem em todos os lugares, todos os dias. Mas em todos os lugares, todos os dias, a comercialização e o consumo obedecem a um ritmo incontrolável e até em escala maior diante de nosso nariz. Em Porto Alegre, o Parque da Redenção, cartão postal da cidade, tem redutos exclusivos para traficantes e consumidores, tornando toda a área no entorno de plena periculosidade. A educação é a principal porta de saída, mas ela esta distante e apenas semiaberta ou quase fechada. Chego a pensar que o cerco a jornalistas é mais rigoroso do que contra traficantes.


Chocante (1)
Na Fase (Fundação de Atendimento Sócio-Educativo), o Projeto Lanche mobiliza as adolescentes na feitura desta refeição e o lucro é aplicado neste mesmo projeto ou em outras iniciativas. Ocorre que uma funcionária do órgão, em cargo de confiança, está vendendo quentinhas dentro de sua unidade, concorrendo com as internas e visando o lucro para si. Chocante.


Chocante (2)

Servidores da PEJ (Penitenciária Estadual do Jacuí) e do Presídio Central trabalham, em média, 18 horas por dia, ultrapassando, em muito, a carga horária contratual, qual seja, de 40 horas semanais. A percepção de diárias não autoriza o gestor a esse abuso. Chocante.


Chocante (3)


O CIOSP continua enfrentando dificuldades para acompanhamento das ocorrências policiais próximas de câmeras do Centro de Segurança Pública da Prefeitura de Porto Alegre. Os operadores do Centro têm ordem de seus superiores, entre eles um coronel da reserva da Brigada Militar, para priorizarem o trânsito em detrimento dos pedidos do CIOSP. Além disto, a dificuldade ainda é maior, pois o Centro criado para a Copa, ainda em obras na pasta da Segurança, possui poucos atendentes durante a noite e, por isso, fica desativado no período da janta dos funcionários. Ocorre que a violência e a criminalidade nunca são desativadas, pois que o Diabo não dorme. Chocante.


Ruim de negócio

A posse da nova diretoria da Asdep (Associação dos Delegados de Polícia do RS), ocorrida segunda-feira, foi prestigiada pelos três poderes do Estado e de Porto Alegre, o que demonstrou a força do perfil do delegado Wilson Muller Rodrigues, que vai para o seu quarto mandato de dois anos, e da delegada Nadine Tagliari Farias Anflor, primeira mulher a ser eleita vice-presidente da entidade. Em seu pronunciamento, o presidente Muller ressaltou a constante amabilidade com que sempre é recebido no Piratini, mas lembrou que o governador Tarso "é ruim de negócio".

ALVO DE VINGANÇA


ZERO HORA 1 de agosto de 2013 | N° 17529

LETÍCIA COSTA


Dívidas teriam motivado execução de empresário. Morto na frente do filho, dono de revenda de veículos havia se mudado para Capão para fugir de ameaças


Foi para se esconder que o empresário do ramo de motos e carros Zelomar Ortiz, 52 anos, se mudou com a família para Capão da Canoa, no Litoral Norte. Mas a tentativa de fugir de ameaças que recebia em decorrência de dívidas, segundo a Polícia Civil, não foi suficiente para evitar a morte dele, na frente do filho, em plena luz do dia.

Ortiz foi alvejado com três disparos de revólver calibre 38 dentro de um camioneta Mercedes-Benz, no começo da manhã de sexta-feira, quando deixava o filho de 12 anos no colégio. A linha de investigação da polícia aponta para uma vingança, por questões patrimoniais. O valor do camioneta ainda não havia sido quitado.

– Ele veio para Capão porque já estava sofrendo ameaças. Temos suspeitos, mas não vou entrar em detalhes – disse a delegada Walquiria Meder, titular da Delegacia de Capão da Canoa.

Recentemente, em um churrasco entre amigos já na nova residência – uma casa em um condomínio de alto padrão do Litoral Norte –, Ortiz teria dito que pessoas foram até a revenda de automóveis de sua propriedade na parada 70, em Gravataí, para ameaçá-lo. Sem dar muitos detalhes aos amigos, Ortiz resolveu se mudar, mesmo sem estabelecer um novo negócio.

Revenda ficou aberta por menos de três meses

A revenda na parada 70 era a terceira loja de veículos do empresário, que há cerca de dois anos recebeu uma herança do pai. O ponto durou pouco tempo. Com as chaves recebidas em maio, o empresário teria fechado as portas da Zelo Motos em julho. No mesmo mês, adquiriu a casa no condomínio e matriculou os filhos na escola de Capão. Ortiz estaria no terceiro casamento e tinha a guarda da filha de 11 anos e do filho de 12 anos. As outras duas revendas, na parada 64 – uma delas só com motos importadas – não estavam mais em operação, e as sociedades já haviam sido desfeitas.

Sem carros e motos à venda, o espaço da revenda na parada 70 permanece sendo alugado no nome de Ortiz e é utilizado como estacionamento aos sábados e domingos. Conforme o dono do imóvel, que pediu para não ter o nome divulgado, o local estava com o aluguel vencido havia dois meses.

O investimento de Ortiz no ramo de veículos começou no ano passado, mas o empresário já ostentava a paixão por motos havia anos. Conforme o presidente da Associação Motoesporte e Lazer de Gravataí (Ameg), Gilson Ilha Cardoso Junior, o pai do empresário era dono da Fazenda Ortiz, que abrigava uma pista de motocross na cidade. Em 2012, já com a herança, Ortiz foi um dos patrocinadores do 1º Moto Aldeia, evento organizado pela Ameg. Em outra ocasião, investiu em reformas de um espaço com pistas de corrida para realizar um campeonato de nível estadual.

– O forte dele eram motos esportivas, acima de R$ 30 mil – destacou Gilson Junior.

Apesar do gosto por motocicletas, o empresário não costumava andar muito nelas, diz um amigo que pede para não ser identificado por temer represálias. Ortiz era integrante da equipe Só Zerinho Moto Show, que faz apresentações com acrobacias em motos e carros. Comprou um motor-home para acompanhar, com toda família, as apresentações no começo do ano. Em janeiro, durante uma apresentação em Balneário Gaivota (SC), ele teria dito:

– Nunca fui tão feliz como estou sendo.

Ortiz teria mantido contato com a equipe. Por duas vezes, reuniu o grupo para churrascos na nova residência.

– Ele era bem divertido, gostava de festa – descreveu o amigo.


Delegada descarta vínculo de herança com o crime

Procurado pela reportagem de Zero Hora, João Ortiz, irmão de Zelomar por parte de pai, disse que não vai se manifestar neste momento e que não mantinha muito contato com a atual mulher da vítima. Familiares já prestaram depoimentos à Polícia Civil. Conforme a delegada Walquiria Meder, o homicídio não teria relação com o dinheiro recebido de herança:

– Houve o recebimento de herança, que mudou a situação econômica da vítima. As testemunhas e familiares não especificaram o valor, mas a divisão entre os irmãos foi tranquila. Não tem suspeita nenhuma sobre envolvimento da família no crime.

Diligências para colher depoimentos continuam sendo feitas enquanto a delegada aguarda o laudo de um veículo suspeito de ter sido usado pelo matador. O carro, um Fiesta preto, foi encontrado na noite de sexta-feira, com placas clonadas nas proximidades de um parque aquático de Capão da Canoa. Mesmo sem conseguir identificar detalhes do veículo em imagens de câmeras do local da execução, a polícia acredita que o carro possa ajudar a esclarecer a autoria do crime.


A EMBOSCADA

- O empresário Zelomar Ortiz, 52 anos, foi morto por volta das 7h30min de sexta-feira em frente ao Centro de Ensino Médio Pastor Dohms, em Capão da Canoa.

- Um carro preto teria parado atrás da Mercedes-Benz de Ortiz, que deixava o filho de 12 anos na escola.

- Quando o garoto abriu a porta do carona, um homem o empurrou e efetuou três disparos – todos na cabeça da vítima.

- Na noite de sexta, um Fiesta preto foi encontrado nas proximidades de um parque aquático da cidade. O carro foi encaminhado para a perícia, pois a polícia acredita que ele tenha sido usado pelo assassino.


OUTROS CRIMES


ROSÁRIO DO SUL - Antes de morrer, vítima revela o autor de disparo


Alvo de um ataque dentro de casa, um idoso conseguiu relatar à polícia o autor do crime momentos antes de morrer. Nelso Ângelo Cossetin, 72 anos, foi baleado em Rosário do Sul por volta das 19h de segunda-feira. Segundo a companheira da vítima, que estava no local e foi atingida por um disparo de raspão no braço direito, o crime teria sido praticado por dois homens que chegaram de moto na residência, no bairro João Alves Osório. Ela foi atendida e passa bem. Um dos criminosos teria arrombado a porta da residência e atirado contra o idoso. Cossetin chegou a ser levado ao hospital, mas não resistiu ao ferimento no abdômen. Segundo a BM, ele revelou que conhecia o atirador, com quem estava negociando a compra de um revólver. O suspeito deixou um capacete e uma carteira com documentos no local do crime.

– Seguimos investigando para identificar o segundo suspeito – disse a delegada Ana Luiza Tarouco.


PORTO ALEGRE - Presa dupla que agia na Zona Norte

O roubo de uma Honda CB 300 na zona norte de Porto Alegre, em 17 de fevereiro, foi o ponto de partida para uma investigação que culminou na prisão de dois homens ontem. Conforme o delegado Arthur Raldi, a dupla faz parte de uma quadrilha especializada no roubo de motocicletas. Em duplas, os assaltantes chegavam de moto até as vítimas. Armados, rendiam os motociclistas e os obrigavam a descer do veículos. O assaltante caroneiro assumia a moto roubada e ambos fugiam, deixando a vítima a pé. Em geral, os ataques ocorriam na Zona Norte.



terça-feira, 20 de agosto de 2013

UM PACTO PELA SEGURANÇA

FOLHA.COM 20/08/2013 - 03h00


Marconi Perillo



As guerras travadas no Congresso Nacional em torno da divisão dos royalties do petróleo e da reforma do ICMS trouxeram à luz um debate que não pode mais ser adiado: a revisão do pacto federativo.

Os Estados encontram-se espremidos financeiramente, tanto pelas exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal quanto pela queda de repasses da União na esteira das sucessivas desonerações do governo. Precisam, não obstante, ampliar investimentos em serviços públicos.

A segurança pública é um setor que demanda solução urgente, vitimado de forma particularmente grave pela situação fiscal dos Estados. Segundo dados do Mapa da Violência 2013, a taxa de homicídios na população brasileira, que em 1996 era de 24,8 por 100 mil habitantes, saltou para 27,1 em 2011. É o maior índice entre os 12 países mais populosos do mundo --quase quatro vezes maior que o do Paquistão.

Para fazer frente à demanda cada vez maior por segurança pública, é necessário aumentar o efetivo das polícias. Mesmo em meu Estado, onde o salário inicial de um policial militar é o segundo mais alto do Brasil e onde conseguimos, em 2013, produzir uma inflexão na taxa de homicídios, o número de policiais por habitante é baixo: o efetivo é de apenas 12 mil homens, metade do necessário para atingir o patamar de 1 policial por 250 habitantes recomendado pela ONU.

Não existe mágica contábil que nos permita fazer um aporte de pessoal dessa magnitude. As transferências federais caíram nos últimos dois anos, em parte devido às desonerações de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e Cide (Contribuição sobre Intervenção no Domínio Econômico) feitas pelo governo para estimular a economia. Essa caridade foi feita com o chapéu dos Estados, que viram despencar o montante do FPE (Fundo de Participação dos Estados).

Por outro lado, o piso da educação subiu 22% em 2012 e mais 8% em 2013, o que fez com que mesmo o aumento de 6,7% na arrecadação de Goiás não desse conta de cobrir as despesas com a folha de pessoal.

Para mitigar a situação da segurança pública e desafogar os Estados, o governo de Goiás propõe uma revisão do pacto federativo. Nossa proposta consiste em uma emenda ao artigo 21 da Constituição, por meio da qual a União deverá prestar assistência financeira aos Estados para a manutenção e a execução de serviços de segurança pública.

Antes que o leitor se espante com a ousadia ou questione se isso não trará problemas na cadeia de comando --já que a PM deve obediência ao governador, que paga seu soldo--, permita-me lembrar que já existe um precedente. A Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros do Distrito Federal são mantidos pelo governo federal, sem que cause constrangimento à autoridade do governador.

O Fundo Constitucional para a Segurança Pública, que seria instituído por lei ordinária para regulamentar o dispositivo constitucional, seria usado para custear até 50% da folha de pagamento da PM, da Polícia Civil, do Corpo de Bombeiros Militar e da Polícia Técnico-Científica.

Propomos que ele seja repartido aos Estados conforme o número de agentes de segurança pública por habitante: quanto mais policiais, mais verba o Estado receberia. O fundo seria corrigido pela receita líquida corrente da União.

O projeto tem a vantagem adicional de pôr fim à polêmica em torno da PEC 300, em tramitação no Congresso, que equipara os salários da PM e dos bombeiros de todo o país aos do DF e ao qual os governadores resistem, não sem razão.

Não estar-se-ia, com isso, produzindo nenhuma revolução no ordenamento jurídico brasileiro, dado o precedente do Distrito Federal.

Trata-se tão somente de propor um pacto --palavra tão em voga em Brasília-- por mais um serviço público essencial, que tem ficado de fora do radar do governo federal, gerando risco desnecessário e evitável para toda a população.


MARCONI PERILLO, 50, bacharel em direito, é governador de Goiás pelo PSDB

*

VIOLÊNCIA NO RIO DIMINUI EXPECTATIVA DE VIDA


Violência diminui expectativa de vida de homens no estado. Taxa anual, segundo pesquisa, é de 103 jovens mortos para cada cem mil habitantes

GERALDO RIBEIRO
O GLOBO
Atualizado:20/08/13 - 9h31



RIO - A violência está reduzindo em pelo menos um ano e quatro meses a expectativa de vida para homens nascidos no Estado do Rio. O alerta é do pesquisador Daniel Cerqueira, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Ele aponta uma proporção maior de jovens, cada vez mais novos, sendo assassinados. O perfil dessas vítimas, em geral mortas por armas de fogo, é na maioria de homens, negros ou pardos, com baixa escolaridade.

— No Brasil, de um modo geral, a violência letal, sobretudo contra jovens, é absurda. No Estado do Rio, estamos falando de 103 jovens mortos por ano, para cada cem mil habitantes — disse Cerqueira, que participou ontem de uma audiência pública convocada pela Comissão de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa do Rio, para discutir a morte de jovens negros no país.

A constatação do pesquisador é confirmada por dados do Mapa da Violência, divulgados no ano passado pelo Ministério da Saúde. O estudo apontava que 53,3% dos 49.932 mortos por homicídios em 2010 eram jovens, dos quais 76,6% negros e 91,3%, do sexo masculino.

Para tentar frear essa tendência, representantes da sociedade civil, presentes à audiência, querem que a Secretaria de Segurança inclua no seu Sistema Integrado de Metas os homicídios praticados contra jovens e negros. A solicitação será feita pelo deputado Marcelo Freixo (PSOL), presidente da comissão da Alerj. Para ele, os índices oficiais que apontam a redução dos homicídios no estado podem estar mascarando o aumento das mortes entre jovens e negros:

— Os jovens negros morrem numa proporção de 2,3 para cada jovem branco, ou seja, um jovem negro tem 2,3 vezes mais chances de ser assassinado do que um jovem branco — afirmou o parlamentar na audiência pública, acrescentando que defende a criação de uma política específica para a juventude negra.


Estado do Rio registra quase 92 mil desaparecimentos em 22 anos. Comissão da Alerj propõe criação de grupo de trabalho para ajudar parentes de desaparecidos. Integrantes da ONG Rio de Paz fizeram ato representando as vítimas

ANA CLÁUDIA COSTA, VERA ARAÚJO E FÁBIO VASCONCELOS
O GLOBO
Atualizado:13/08/13 - 22h16

Integrantes da ONG Rio de Paz fizeram ato representando o desaparecimento de vítimas no Rio Yasuyoshi Chiba / AFP


RIO - Faz 30 dias que os moradores do Rio perguntam: onde está Amarildo? O ajudante de pedreiro Amarildo de Souza, morador da Rocinha, desapareceu após ter sido levado por PMs para a UPP da favela. O caso, que está sendo investigado pela Divisão de Homicídios, passou a fazer parte de uma triste rotina no estado. Dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) indicam que ocorrem, em média, 15 casos por dia de desaparecimentos motivados por assassinatos, brigas familiares ou doenças mentais. Na capital, a média é de seis registros por dia.

Entre 2007 e 2013, a soma do número dos registros chegou a 34,7 mil no estado, aproximadamente 41% (14.328) deles na capital.

O caso de Amarildo se tornou mais um dessa estatística por causa de uma operação policial, a Paz Armada, para combater o tráfico, feita na Rocinha um dia antes do seu sumiço. Ele teria sido levado para a UPP, segundo a polícia, justamente para dar mais informações sobre acusados. Ontem, o Tribunal de Justiça divulgou uma decisão da 35ª Vara Criminal da Capital, que decretou a prisão preventiva de 16 acusados de tráfico na favela, cujos nomes foram levantados pela Operação Paz Armada.

Nesta terça, a Anistia Internacional lançou, em sua página no Facebook, uma campanha de mobilização para exigir das autoridades o esclarecimento do caso do ajudante de pedreiro. Ela convoca a população a enviar fotos segurando um cartaz onde se lê a pergunta: “Onde está Amarildo?”.

No Centro do Rio, para protestar contra o grande número de pessoas desaparecidas, atores e integrantes da ONG Rio de Paz fizeram um ato na escadaria da Alerj. Eles se pintaram de vermelho, simbolizando o sangue de pessoas mortas, e, em seguida, deitaram-se no chão, sendo cobertos por lençóis brancos. No ato, pneus simbolizavam o “forno micro-ondas”, usado por traficantes para queimar suas vítimas. Segundo o coordenador do Rio de Paz, Antônio Carlos Costa, a encenação lembrou o assassinato e o desaparecimento das vítimas:

— A estatística oficial de homicídios dolosos está aquém da realidade. O Rio está coberto de cemitérios clandestinos. A Baía de Guanabara está repleta de corpos ocultados. Há um número incontável de desaparecidos.

Em 22 anos, 92 mil registros de desaparecidos

Dentro da Alerj, houve uma audiência pública. Nela, o sociólogo e professor da UFRJ Fábio Araújo apresentou dados da sua pesquisa sobre desaparecimentos, com base nas estatísticas do ISP. Segundo ele, entre 1991 e maio deste ano, o Estado do Rio registrou 92 mil casos. Para Araújo, é importante retomar a definição dos desaparecimentos forçados. Ele explicou que esses registros não estão nas estatísticas e são ligados à atuação da polícia, da milícia e do tráfico.

O sociólogo Gláucio Soares, consultor da pesquisa “Desaparecimentos, o papel do policial como conscientizador da sociedade”, do ISP, publicada em 2009 e na qual é analisado o perfil dos desaparecidos, afirma que estudos em vários países do mundo, com estatísticas mais confiáveis que as do Brasil, indicam que boa parte dos sumiços é temporária e voluntária:

— Quem some muitas vezes é adicionado ao número de homicídios. Mesmo aqueles que foram assassinados podem ter sido contados duas vezes, porque há muitos que não são identificados. É um cipoal. Trata-se de um grande problema, pois não dão baixa nos registros das pessoas que reaparecem. Isso não é feito porque muitas vezes as pessoas têm medo de procurar a polícia.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alerj, deputado Marcelo Freixo (PSOL), propôs a criação de um grupo de trabalho, unindo parlamentares, Ministério Público, ISP, Polícia Civil e Secretaria de Segurança, para orientar parentes de pessoas desaparecidas.

— Nós temos que organizar melhor as propostas. Uma CPI pode ser necessária se outros instrumentos forem esgotados. O mais importante, de imediato, é dar assistência a essas famílias e ter os dados mais trabalhados. Precisamos de um setor específico da Secretaria de Segurança para cuidar desses casos — disse Marcelo Freixo.

Parentes de Amarildo e da engenheira Patrícia Amieiro (desaparecida em julho de 2008 na Barra)participaram da audiência e cobraram providências que possam ajudar a encontrar os corpos de seus familiares. Num depoimento emocionado, Marionice de Souza, irmã de Amarildo, disse que a família permanece na Rocinha e teme ser ameaçada pelos policiais que continuam no local:

— A injustiça continua lá na Rocinha. Os policiais continuam na favela ameaçando todo mundo. Todos têm medo de que a história de Amarildo se repita. Queremos policiais para nos ajudar, nos proteger e não para nos hostilizar. Não vou me calar, porque criei meu irmão para ser um homem de bem. Será que todo mundo que mora na favela é traficante?

Também emocionado, Adriano Amieiro, irmão de Patrícia Amieiro, contou que até hoje a família vive um vazio, à espera da chegada de sua irmã, que não vai acontecer. Ele disse esperar que, com o júri popular, os policiais acusados de desaparecer com o corpo de Patrícia sejam punidos:

— Minha irmã sumiu há cinco anos e sabemos que o corpo jamais será encontrado. Sabemos que os policiais a mataram e ocultaram o corpo.

Já o presidente do ISP, Paulo Augusto de Souza Teixeira, explicou que o percentual de desaparecidos mortos é menor em relação ao total de casos. Ele disse que as pessoas precisam informar os casos de reaparecimento dos familiares.