SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

QUADRILHA INTERESTADUAL DE ROUBOS E FURTOS DE CAMINHÕES

ZERO HORA, Atualizada em 07/01/2014

Polícia prende quadrilha especializada em roubo de cargas no Rio Grande do Sul. Criminosos tinham ramificações em Santa Catarina e São Paulo, conforme a Polícia Civil




A Delegacia de Roubo de Veículos da Polícia Civil deflagrou, na manhã desta terça-feira, a Operação Carga Pesada para coibir o roubo, furto e clonagem de caminhões no Rio Grande do Sul. Cerca de 50 policiais participaram da ação e pelo menos 11 pessoas foram presas nesta manhã.

A polícia cumpriu ainda 15 mandados de busca e apreensão em nove cidades gaúchas — Canoas, Gravataí, Portão, Garibaldi, Vacaria, Caxias do Sul, Farroupilha, São Leopoldo e Novo Hamburgo. A base da quadrilha seria em Gravataí, na Região Metropolitana.

Foram identificadas ramificações do grupo criminoso em Araranguá, no Estado de Santa Catarina, e em São Paulo. Na operação, foram apreendidas armas e peças de veículos. Três suspeitos de serem os líderes do bando também foram presos, conforme o delegado Juliano Ferreira, titular da Delegacia de Roubo de Veículos do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

Desde que a operação teve início, em abril de 2013, pelo menos 40 caminhões foram roubados ou furtados pela quadrilha, informou a Polícia Civil. Muitos destes veículos eram usados para extorsão e outros levados a São Paulo e Santa Catarina, segundo apontou a investigação.


ZERO HORA ONLINE 07/01/2014 | 10h30

Morador de Farroupilha seria um dos líderes de quadrilha interestadual de roubos e furtos de caminhões. Segundo delegado, homem de 42 anos intermediava a ação de ladrões e receptadores



Esquema foi desarticulado na manhã desta terça-feira em todo o EstadoFoto: Polícia Civil/ Divulgação


Um dos três líderes da principal quadrilha de roubo e furto de caminhões no Estado era morador de Farroupilha. O esquema foi desarticulado na manhã desta terça-feira na Operação Carga Pesada, deflagrada pela delegacia de Repressão a Roubos de Veículos do Deic.

Conforme o delegado Juliano Ferreira, o homem, de 42 anos, era responsável por intermediar o roubo ou o furto do veículo e a venda de peças por meio de receptadores. Ele foi localizado em casa na localidade de Linha Mundo Novo, em Salto Ventoso, no interior do município.

— Os receptadores encomendavam as peças e era responsável por conseguir o veículo, mas não era ele que realizava o roubo, ele apenas encomendava. Muitas vezes os próprios ladrões ofereciam a ele, devido a toda a rede de contatos montada em mais de 10 anos de atuação — explica o delegado.

Cinquenta agentes cumpriram 15 mandados de busca e apreensão e 12 de prisão temporária em 10 cidades do Estado, além de Santa Cataria e São Paulo. Na Serra, além de Farroupilha, foram cumpridas prisões em Caxias do Sul, Vacaria e Garibaldi, uma em cada cidade. As três pessoas, segundo Ferreira, eram receptadoras.

De acordo com o delegado, pelo menos dois terços dos furtos e roubos no Estado passavam pela quadrilha. Além dos furtos e roubos, os criminosos também clonavam os veículos e tentavam conseguir dinheiro dos proprietários. A esposa e a mãe do líder de Farroupilha já haviam sido presas ao longo da investigação por receptação.

— Muitos não tinham seguro e eram objetos de extorsão. A pessoa virava vítima duas vezes — afirma Ferreira.


ZERO HORA 07/01/2014 | 12h41

Dois terços dos caminhões roubados no RS passavam por quadrilha presa. Polícia Civil diz que grupo preso na Serra e Região Metropolitana roubou mais de 60 veículos



Entre os presos estão José Arancíbio Colares Santana, Paulo Henrique Cazara e Lonir Altahus, considerados os três principais líderes do bandoFoto: Polícia Civil / Divulgação


Mauricio Tonetto


Com ramificações em Santa Catarina e São Paulo, a quadrilha de roubo de caminhões presa nesta terça-feira (7 de janeiro) na serra gaúcha e Região Metropolitana foi responsável por dois terços de todos os roubos cometidos contra os veículos no Rio Grande do Sul nos últimos meses.Quadrilha especializada em roubo de cargas é presa no Rio Grande do Sul

Segundo a Polícia Civil, o bando atacou ao menos 60 veículos em um esquema criminoso que envolvia empresários receptadores e possivelmente donos de estabelecimentos comerciais, que serviriam como olheiros. Ao todo, 15 pessoas – 11 hoje – foram detidas desde abril de 2013, quando iniciaram as investigações.

– Quando não roubavam, esses bandidos estavam envolvidos de outra forma. Em alguns casos, o dono do veículo ficava desesperado e eles pediam até R$ 40 mil para devolver o caminhão – relata o delegado Juliano Ferreira, titular da Delegacia de Roubos do Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC).

Entre os presos estão José Arancíbio Colares Santana, Paulo Henrique Cazara e Lonir Altahus, considerados os três principais líderes do bando. Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Canoas, Gravataí, Portão, Garibaldi, Vacaria, Caxias do Sul, Farroupilha, São Leopoldo e Novo Hamburgo, além de Sombrio (SC), Araranguá (SC) e São Paulo.

– Era uma quadrilha extremamente especializada, que roubava em locais que os caminhoneiros utilizam para almoço, janta ou dormitório. Se o veículo tivesse rastreador, eles localizavam e danificavam o equipamento. Há suspeitas de que motoristas e donos de estabelecimentos eram aliciados – diz Juliano Ferreira.

Há dois meses, na propriedade de Lonir, em Farroupilha, foram encontrados 15 caminhões desmanchados. Conforme o delegado Ferreira, o grupo atua há mais de 10 anos e tem uma vasta ficha de ocorrências.
Postar um comentário