SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

ASSALTANTES DE BANCO FAZEM 8 REFÉNS

ZERO HORA 12 de fevereiro de 2014 | N° 17702

MAURICIO TONETTO

ASSALTO A BANCO. Oito pessoas ficam reféns em agência

Assaltantes tinham a chave da porta lateral e renderam gerente, vigilante e seis funcionários



Quando chegava para trabalhar ontem, por volta das 8h, uma gerente da agência do Santander na Avenida Getúlio Vargas, no bairro Menino Deus, em Porto Alegre, mal teve tempo de esboçar alguma reação ao ver um homem se aproximar e apontar uma pistola para sua cabeça. Sem esforço, o assaltante abriu a porta lateral do estabelecimento com uma chave que trazia com ele e, percebendo que a situação estava controlada, chamou mais três comparsas.

Discretamente, eles aguardaram a chegada de mais funcionários e renderam oito pessoas, incluindo o vigilante. A ação surpreendeu o Sindicato dos Bancários (Sindbancários) e a Polícia Civil pelo descuido com uma regra básica de segurança.

Do lado de fora da movimentada avenida da Capital, ninguém percebia o desenrolar do roubo, que durou mais de uma hora. Os criminosos tiveram tempo suficiente para aguardar o retardo do cofre, sistema de proteção utilizado para evitar a abertura do compartimento no momento em que a senha era digitada. Enquanto esperavam, eles deixaram os funcionários na mira de armas e fizeram diversas ameaças de morte.

– A gerente tinha conhecimento de que aconteceu no ano passado uma reforma no banco. A chave tinha ficado na posse dos responsáveis pela obra e sequer foi devolvida. O básico é, ao menos, trocar a fechadura. O banco é todo blindado e simplesmente os caras entram com as chaves da porta lateral. É até engraçado que o banco acabe deixando esse furo – afirmou Joel Wagner, titular da Delegacia de Roubos do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic).

Após limpar o cofre, a quadrilha ainda retirou o HD com as imagens das câmeras de vigilância e saiu sem danificar as estruturas da agência. O delegado solicitou à Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) as imagens externas da agência para tentar identificar o carro utilizado na fuga e a fisionomia dos membros do bando. Nenhum suspeito foi identificado.

O diretor do Sindbancários, Paulo Roberto Stekel, classifica o roubo como “absurdo” e cobra mudanças nas normas dos bancos:

– Os bancos têm de investir mais em segurança e nos seus normativos, no que deve ser feito. É uma coisa tão banal, mas parece que o banco quer economizar palito de fósforo. É um absurdo.


CONTRAPONTO

O que diz a instituição - Procurado por Zero Hora, o Banco Santander se limitou a dizer que “confirma a ocorrência e informa que está colaborando com as investigações policiais”.
Postar um comentário