SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

ASSALTOS SANGRENTOS

ZERO HORA 19 de fevereiro de 2014 | N° 17709


JOSÉ LUÍS COSTA


Fevereiro mais violento em seis anos no Estado. 
Com 10 roubos com morte em menos de 20 dias, o mês registra uma média de um caso a cada 43 horas


Em apenas 18 dias, 10 pessoas morreram pelas mãos de assaltantes no Rio Grande do Sul – média de um latrocínio a cada 43 horas. Em Viamão, a Polícia Civil investiga um novo crime que pode ser o 11º latrocínio de fevereiro. Caso se confirme a hipótese de roubo com morte, os assassinatos se igualam aos casos ocorridos em 2003.

Embora faltem 10 para acabar o mês, fevereiro já é mais violento desde 2006. Sete dos crimes em fevereiro ocorreram entre a noite e a madrugada. Quatro vítimas trabalhavam no comércio, e cinco latrocínios aconteceram com invasão de moradias. Na maioria dos casos, as vítimas teriam reagido ou se negado a entregar pertences aos criminosos, e acabaram mortas.

Especialistas ensinam que ninguém deve reagir a um assalto, porque os ladrões costumam agir sob efeito de drogas ou estão mais nervosos do que as próprias vítimas. Um pequeno gesto, ainda que involuntário da vítima, pode levar o criminosos a atirar.

A mais recente morte sob suspeita de latrocínio ocorreu na segunda-feira, em Viamão. Por volta das 22h, o comerciante João Eli de Oliveira Machado, 60 anos, trocou tiros com dois homens que, supostamente, pretenderiam invadir o estabelecimento da vítima, na Estrada da Pimenta, localidade de Águas Claras. Armado com um espingarda, Machado teria trocado tiros com os intrusos.

– Não anunciaram nada, não levaram nada. Estamos investigando o que aconteceu – afirmou o delegado Edson Frade, da 1ª Delegacia da Polícia Civil de Viamão.

Entre 2012 e 2013, os latrocínios cresceram 21,9%. Zero Hora procurou a assessoria de comunicação da Brigada Militar e da Secretaria da Segurança Pública (SSP) para falar sobre o assunto. A SSP orientou a Polícia Civil a se pronunciar. Para Tiago Baldin, da Delegacia de Polícia Regional de Porto Alegre, a facilidade do acesso a armas e o “despreparo” de ladrões ajudam a explicar o fenômeno.

– Em 99% dos casos, o criminoso não quer matar. Ele quer o patrimônio. Mas, aí, vem a indignação da vítima. Uma mera contração muscular é suficiente para o ladrão disparar.


SUA SEGURANÇA | HUMBERTO TREZZI

Jovens, imperitos e cruéis


Não é preciso ser gênio, basta um papo com algum policial experiente para traçar o perfil médio do ladrão envolvido em latrocínio: jovem, imperito no que faz e cruel, no sentido de que dá pouco valor à vida alheia e à sua própria. Muitas vezes, diante da reação da vítima, dispara, acabando com uma família e traçando seu destino rumo ao abismo da vida louca eufemismo que criminosos dão para a aventura de mergulhar no crime.

E por que o número de latrocínios deste mês é o maior em seis anos? Bom, aí é mais difícil buscar uma explicação. Pode ser um fenômeno de longo prazo ou até mesmo uma coincidência, já que só um estudo estatístico mais aprofundado definiria uma tendência. O certo é que latrocínio é crime contra o patrimônio, um delito relacionado ao policiamento preventivo e ostensivo. Quanto mais policial na rua, menos roubos se registra, isso é universalmente conhecido. Pois a carência de policiamento ostensivo, no Brasil feito pelas PMs, não chega ser novidade. É deficiência conhecida de todos.

Justiça seja feita, a BM até que faz blitze seguidas. O problema é que não se supre uma falta de mais de 4 mil policiais (para o número ideal) de uma hora para outra.


LATROCÍNIOS EM 12 ANOS
2003* - 11
2004 - 6
2005 - 11
2006 - 9
2007 - 8
2008 - 7
2009 - 7
2010 - 8
2011 - 8
2012 - 6
2013 - 8
2014 - 10**
Fonte: * Os dados são referentes a latrocínios no mês de fevereiro dos respectivos anos. **Até ontem.

ESCALADA DE CRIMES

DOMINGO, DIA 2 
- A empresaria Benilde Iria Stulp Vogt, 48 anos, foi asassinada por ladrões, em Novo Hamburgo, no Vale do Sinos, às 7h, ao abrir distribuidora de alimentos da família, no bairro Boa Saúde.
- Antônio Maria Marques Prates, 41 anos, funcionário de um estacionamento na Rua General Lima e Silva, no Centro, em Porto Alegre, reagiu com uma faca a um assalto e foi morto com quatro tiros, às 22h30min.
SEGUNDA, DIA 3
- O pedreiro Valter Ney Teixeira Vieira, 50 anos, foi morto em Esteio, Região Metropolitana, às 18h, com um tiro no peito ao se tornar vítima de um roubo a residência de um cliente.
- Dalva Justo Rodrigues, 62 anos, e o companheiro David Alves Fernandes, 73 anos, morreram esfaqueados, às 22h50min, ao ter a casa invadida por um assaltante, em Terra de Areia.

QUARTA, DIA 5
- Após ter a casa invadida, às 22h, em Mato Castelhano, o agricultor Edu Inácio Fraga Maier, 67 anos, foi atingido por um tiro e morreu.

QUARTA, DIA 6
- Dois homens atacaram a casa de Fátima Rejane Moreira, 43 anos, em Venâncio Aires, por volta da meia-noite, e a mataram com um tiro. A dupla fugiu com a moto da vítima.

SEXTA, DIA 14
- O comerciante Albino Lauthert da Silva, 59 anos, foi atacado por três pessoas ao abrir o seu minimercado no bairo Rubem Berta, em Porto Alegre, às 7h. A vítima teria reagido ao ataque dos ladrões.
- Depois de ser assaltado em sua lancheria, em Bento Gonçalves, na Serra, Reginaldo José Gobatto, 36 anos, perseguiu os ladrões e foi morto com um tiro na cabeça.

SÁBADO, DIA 15
- A tentativa de escapar de um assalto, às 21h4min, resultou na morte do taxista Jorge Luís Gil de Freitas, 59 anos, em Portão, no Vale do Paranhana. Ao perceber o passageiro armado, o motorista tentou sair do carro e foi alvejado na nuca.
Postar um comentário