SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

quinta-feira, 13 de março de 2014

39 DIAS DE MISTÉRIO


ZERO HORA 13 de março de 2014 | N° 17731


VANESSA KANNENBERG


Casal desaparecido pode ter sido morto, diz polícia. Quatro pessoas já foram presas por suspeita de envolvimento no sumiço de idosos em Vale do Sol



Enredo de novela. Assim descreve o delegado Luciano Menezes, titular da Delegacia Especializada em Furtos, Roubos, Entorpecentes e Capturas (Defrec) de Santa Cruz do Sul, o sumiço de um casal em Vale do Sol, no Vale do Rio Pardo. A investigação, cujos detalhes são mantidos em sigilo, conta com sequestro, cárcere privado, carro carbonizado, quatro presos e pistas em cidades distantes do local do sumiço. A principal suspeita é de que o casal tenha sido morto.

– Em mais de 20 anos de profissão, nunca vi um caso tão bem arquitetado – diz Menezes, mantendo o mistério.

Lonia Gabe, 67 anos, e Antônio Celestino Lummertz, 59 anos, sumiram há 39 dias da casa (leia quadro) que dividiam no interior de Vale do Sol.

– A gente chegou a falar para ela que ele era de longe, que ninguém o conhecia. Mas a vida era dela. Ela gostava dele, tinham uma vida tranquila, e nunca suspeitamos de nada – afirma uma sobrinha de Lonia, que prefere não ser identificada.

Em Vale do Sol, município com 11,2 mil habitantes, o desaparecimento é assunto que mais intriga os moradores e familiares da idosa.

– A gente nunca pensou que fosse demorar tanto para ter notícias – completou a sobrinha.

A investigação conjunta entre a Defrec e a Polícia Civil de Vale do Sol já buscou pistas em Santo Antônio da Patrulha, Taquara e Rolante – municípios que ficam no trajeto entre Vale do Sol e Dom Pedro de Alcântara, no Litoral Norte. Ontem, em Dom Pedro, a polícia prendeu o quarto suspeito de participação no sumiço do casal. Na mesma cidade, no meio de um bananal, foi apreendido um Palio, que teria sido usado como escolta no sequestro.

Na segunda-feira, os policiais já haviam prendido três suspeitos de envolvimento no caso. Entre eles, uma mulher, identificada como a mentora do sequestro e do suposto homicídio.

Na casa dela, em Rolante, no Vale do Paranhana, foram encontradas, enterradas e carbonizadas, peças do Honda Civic que pertencia ao casal, como para-brisa, molas e lataria. As peças mais nobres, segundo informou uma testemunha à polícia, teriam sido vendidas. O delegado ainda preferiu não dar detalhes de como nem quando foi o desfecho do sequestro.


Provas são mantidas em sigilo


Sobre as possíveis motivações, o delegado se limita a dizer que a hipótese é que tenha ligação com antecedentes criminais de Lummertz (que seria suspeito de homicídio, roubos, entre outros) e processos judiciais que o envolvem. Em princípio, Lonia não teria ligação direta com o caso.

– Acreditamos que ela (suposta mentora) tenha mantido eles em cárcere privado e depois tenha matado ou mandado matá-los – indica Menezes, que ainda não teria pistas da localização dos possíveis corpos.

Outros documentos e provas também foram apreendidos nos últimos dias pelos investigadores, mas o teor é mantido em sigilo.

– Queremos impedir que os suspeitos façam manobras para desviar o rumo da investigação ou que destruam provas. Nosso principal objetivo é localizar os corpos e conseguir provas contundentes para provar o crime – afirma o delegado titular de Vale do Sol, Marcelo Chiara Teixeira, sem deixar dúvidas de que o caso é tratado como duplo homicídio.


ENTENDA O CASO
Desde 2 de fevereiro, família não tem notícias de casal

- Lonia Gabe, 67 anos, e Antônio Celestino Lummertz, 59 anos, sumiram na noite de 2 de fevereiro, um domingo, da casa que dividiam no interior de Vale do Sol.

- Lummertz, que é natural de Torres, havia se mudado para a cidade natal da companheira, que era viúva, havia cerca de três anos.

- O último relato de testemunhas que teriam visto o casal é da noite do sumiço, segundo as quais eles teriam sido vistos no Honda Civic deles em direção à saída da cidade.

- Na residência do casal, não foi percebido nenhum vestígio de violência.

- A bolsa da aposentada e telefones celulares teriam sido levados, enquanto medicamentos e roupas, não.

- Passado mais de um mês do desaparecimento, na última segunda-feira, a polícia prendeu temporariamente três suspeitos de envolvimento no caso.

- Um deles é uma mulher, que seria a mentora do sequestro e das possíveis mortes, presa na própria casa em Rolante.

- No terreno da residência, foram encontradas, enterradas e carbonizadas, peças do Honda Civic que pertencia ao casal.

- A filha dela também foi presa, na segunda-feira, junto com outro Palio, que teria sido usado na escolta do casal no dia do sumiço. O veículo, que teria placas de Sombrio (SC), estava em um sítio, no interior de Santo Antônio da Patrulha, no Litoral Norte.

- Ontem, em Dom Pedro de Alcântara, também no Litoral Norte, a polícia prendeu o quarto suspeito. Na mesma cidade, foi apreendido um outro Palio, que também teria sido usado no sequestro, no meio de um bananal.

- A principal hipótese é de que o casal tenha sido assassinado. A possível localização dos corpos e a motivação do crime estão sendo investigadas.

Postar um comentário