SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

sábado, 15 de março de 2014

CASAL FOI SEQUESTRADO E ASSASSINADO

ZERO HORA 15 de março de 2014 | N° 17733

VANESSA KANNENBERG


FIM DO MISTÉRIO

Segundo Polícia Civil, mãe de santo arquitetou mortes no Vale do Sol, pois queria se vingar da vítima que depôs contra ela no passado



A polícia não exagerou quando disse que o desaparecimento de um casal em Vale do Sol, no Vale do Rio Pardo, parecia com novela. Depois de quase um mês e meio de mistério, a polícia revelou ontem que Lonia Gabe, 67 anos, e Antônio Celestino Lummertz, 59 anos, foram sequestrados, estrangulados e queimados por uma vingança amargurada havia 15 anos.

Aprotagonista do enredo é uma mãe de santo de 48 anos. Segundo o delegado Marcelo Chiara Teixeira, titular da Polícia Civil de Vale do Sol, Marli Machado de Martins foi acusada pela Justiça de ter mandado matar o cunhado, junto com uma irmã, para resgatar R$ 200 mil do seguro de vida dele. O assassinato foi em numa rua de Torres, em 1999. A vítima era o marido dessa irmã de Marli.

– Lummertz foi testemunha, e apontou Marli como culpada. Ele mesmo havia apresentado o assassino para ela – afirma Teixeira.

A mãe de santo foi condenada pela Justiça a 12 anos e oito meses de prisão, mas, segundo a Susepe, nunca cumpriu a pena pelo crime, pois vinha recorrendo. Após ter perdido o último recurso, segundo a polícia, ela resolveu arquitetar o sequestro e fazer com que Lummertz produzisse uma “contraprova”, que desfizesse o testemunho dele sobre o crime de 15 anos atrás. Com isso, durante o cárcere privado, Marli teria feito o aposentado gravar um vídeo e escrever uma carta dizendo que ela era inocente na morte do cunhado. O material teria sido entregue ao advogado dela, cujo nome a Polícia Civil não informou.

Após, Lummertz foi levado a um tabelionato de Osório para assinar um documento dizendo que tinha feito tudo espontaneamente. Por fim, Marli teria pedido a Valdir Ribeiro de Carvalho, um vigilante de 58 anos, com quem ela tinha um relacionamento, que matasse o casal de idosos.

– Eles mataram o casal, queimaram e enterraram o carro para ocultar todas as provas – afirma o delegado.

Os investigadores acreditam que Lonia não tinha ligação com o caso.



Policiais foram ontem a Rolante, onde acharam provas do crime. Carcaça de geladeira foi usada para queimar corpos de vítimas


Lonia e Antonio
Postar um comentário