SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

quinta-feira, 27 de março de 2014

EXPLOSIVOS, ROUBO, EXTORSÃO E SEQUESTRO


ZERO HORA 27 de março de 2014 | N° 17745

ROBERTO AZAMBUJA

VÍTIMAS EM DOBRO

Ladrões negociavam devolução de carros. Quadrilha especializada em roubo de veículos agia na Região Metropolitana



Uma operação policial desmantelou ontem uma quadrilha que roubava carros e depois passava a extorquir as vítimas na Região Metropolitana. Pelo menos 10 pessoas foram presas em Esteio e Sapucaia do Sul, bases do grupo criminoso.

Segundo a polícia, o grupo agia em São Leopoldo, Canoas e na zona norte de Porto Alegre. Após roubar os veículos, os bandidos telefonavam para as vítimas e negociavam o resgate dos carros, ressalta o titular da Delegacia de Furto e Roubo de Veículos (DFRV) de Canoas, delegado Thiago Almeida Lacerda.

– Além disso, (os criminosos) monitoravam as vítimas nas redes sociais e, com essas informações, passavam a ameaçá-las, para que não denunciassem o caso à polícia sob pena de represálias – diz o delegado.

A investigação teve início em agosto passado, quando uma jovem teve seu Peugeot 207 levado nas imediações do Canoas Shopping, em Canoas. No dia seguinte, um casal foi até a residência da vítima e deixou na portaria um bilhete com o número de um telefone celular para negociar a devolução do automóvel.

Sentindo-se acuada, a vítima procurou a DFRV, que assumiu o caso. Dois dias após o roubo, a polícia prendeu a dupla perto de uma churrascaria, local estabelecido para ocorrer a devolução do carro mediante o pagamento de R$ 3 mil. O casal foi condenado em fevereiro a quatro anos de prisão no regime semiaberto.

Durante a investigação, a polícia chegou ao líder da quadrilha, que acabou preso na última sexta-feira, em Canoas. O homem, conhecido como Alemão, possui quatro condenações por crimes patrimoniais e deveria estar cumprindo pena do regime semiaberto no Instituto Penal de São Leopoldo. Porém, era considerado foragido.

No mesmo dia da prisão de Alemão, a polícia descobriu em Esteio uma oficina que era utilizada por ele para armazenar os veículos roubados enquanto extorquia as vítimas.

Grupo planejou sequestros


A quadrilha de roubo de carros e extorsão, desmantelada no início da manhã de ontem, durante a Operação Berlim, da Polícia Civil, chegou a negociar explosivos e planejar sequestro de pessoas, apurou a Delegacia de Furto e Roubo de Veículos (DFRV) de Canoas por meio de interceptações telefônicas. Com base em Esteio e em Sapucaia do Sul, os criminosos agiam em São Leopoldo, em Porto Alegre e em Canoas.

Segundo detalhes da investigação policial, o lucro que o grupo obtinha das extorsões (R$ 3 mil a R$ 5 mil por veículo) servia para retroalimentar outros tipos de crimes. A polícia não soube informar quantas pessoas teriam sido alvo da quadrilha. Nove pessoas foram presas durante a manhã. Às 14h30min, um décimo integrante foi detido em flagrante.

Os ladrões repassavam carros roubados ao líder da quadrilha, conhecido como Alemão, que extorquia as vítimas. Parte do dinheiro era investido no tráfico de armas e drogas.

R$ 3 mil eram exigidos por criminosos para devolver veículos roubados em São Leopoldo, no Vale do Sinos, Canoas e na zona norte de Porto Alegre.


‘‘É uma orientação da polícia jamais negociar com esses criminosos. Porque, uma vez que se paga pelo veículo, se está financiando o esquema, e não há garantias de que ele será mesmo devolvido. E a pessoa se expõe a risco de sequestro.” Thiago Almeida Lacerda. Titular da Delegacia de Furto e Roubo de Veículos (DFRVt) de Canoas



A EXTORSÃO - Confira abaixo a transcrição de um dos casos de extorsão

Criminoso – Três mil reais. Consegue o dinheiro e eu volto a ligar para ti.
Vítima – Quanto em dinheiro?
Criminoso – Três mil reais.
Vítima – Três mil em dinheiro. Quais são as condições do carro?
Criminoso – Não peguei nada.
Vítima – Com tudo que o carro tem dentro?
Criminoso – Com tudo que o carro tem dentro. Vai levar teu documento direitinho, tua pastinha, eu não quero nada disso.
Postar um comentário