SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

quarta-feira, 14 de maio de 2014

BANDIDOS COMEMORAM GOL COM TIROS DE FUZIL

JORNAL EXTRA 14/05/14 06:00

Bandidos disparam fuzis em comemoração durante torneio amador de futebol em comunidade do Rio; assista


Carolina Heringer, Luã Marinatto, Marcos Nunes e Paolla Serra

http://extra.globo.com/casos-de-policia/bandidos-disparam-fuzis-em-comemoracao-durante-torneio-amador-de-futebol-em-comunidade-do-rio-assista-12479648.html

Ao lado do alambrado, a torcida vibra. Com uniforme da seleção brasileira e chuteiras laranjas, o principal atacante do Vila Aliança Clube — equipe local de um campeonato de futebol amador organizado na comunidade homônima, em Bangu, na Zona Oeste do Rio — se prepara para bater um pênalti na semifinal da 1ª Copa de Futebol de Vila Aliança. Convertida a cobrança, o autor do gol corre em direção ao público para festejar. Mas não se ouvem fogos na comemoração: o som que marca a festa para a equipe da casa é o das rajadas de tiros. Em meio a torcedores, homens armados disparam fuzis durante pelo menos 35 segundos. Toda a cena, ocorrida em 4 de maio deste ano, um domingo antes do Dia das Mães, foi registrada em vídeo. As imagens foram enviadas para o WhatsApp do EXTRA (21 99809-9952 e 21 99644-1263).

O vídeo tem 40 segundos de duração e mostra pelo menos cinco criminosos armados efetuando os disparos para o alto. Eles também vestem camisas do Brasil, e alguns ainda usam os meiões e chuteiras, como se tivessem acabado de deixar o gramado. Outro homem, mais velho e acima do peso, veste uma blusa semelhante, mas na cor azul e com o número 9 nas costas. Ele ostenta joias e um relógio dourado.

Com camisas da seleção brasileira, traficantes exibem armas Foto: Reprodução



Ao redor, dezenas de homens — na maioria jovens de bermuda, camisa polo, chinelo, boné e cordões de ouro — parecem encarar com naturalidade os disparos. Alguns chegam a tapar os ouvidos por causa do barulho, mas ninguém corre ou ameaça deixar o local. O campo fica numa praça localizada na área conhecida como Tiroteio, no Caminho do Lúcio. Já os tiros são disparados em uma quadra de cimento ao lado, separada do campo por um alambrado.

A copa era divulgada por uma página no Facebook até o fim da noite de ontem, quando — após tentativa de contato do EXTRA com os organizadores — o endereço foi apagado. Em 16 de março, uma postagem informava que a rodada do torneio foi suspensa “por motivo de um forte tiroteio na comunidade”.

Fuzis AR-15, AK-47 e FAL

Nas imagens, é possível ver pelo menos cinco armas. De acordo com o especialista Vinícius Cavalcanti, é possível identificar três tipos de fuzis — AR-15, AK-47 e FAL.

— São todos armamentos militares de uso restrito, vindos de fora do país. Mostra um grande poder de fogo desses criminosos, mas não vemos nenhuma grande novidade nessas armas que aparecem. Não há nenhuma surpresa — comentou Vinícius.

Especialista identificou três tipos de fuzis nas imagens: AR-15, AK-47 e FAL Foto: Reprodução



O especialista chamou atenção, no entanto, para uma luneta acoplada no fuzil do jogador que usa a camisa 26.

— Isso proporciona uma grande precisão no tiro que ele vier a disparar — explica.

O ex-comandante do 14º BPM (Bangu), tenente-coronel Gláucio Moreira da Silva, que foi exonerado na úlima segunda-feira do cargo, afirmou que não teve qualquer informação sobre um torneio de futebol na Vila Aliança envolvendo bandidos ou facções criminosas da região. Ele frisou ainda a atuação do batalhão na região. Segundo o tenente-coronel, no último dia 12, foi preso o traficante conhecido como Douglas Carvalho Medeiros, de 35 anos, conhecido como Zidane por sua fama de bom jogador de futebol.

— Realmente não tivemos conhecimento desse episódio. Temos feito prisões e apreensões de fuzis na Vila Aliança — comentou Gláucio, que apesar de exonerado, ontem ainda estava no comando do 14º BPM.

O Vila Aliança Clube seria apoiado pelo traficante Rafael Alves, conhecido como Peixe Foto: Reprodução



Apoio de traficante

O Vila Aliança Clube seria apoiado pelo traficante Rafael Alves, conhecido como Peixe, apontado como o principal chefe do tráfico na comunidade de Bangu. Outros cabeças da mesma facção criminosa, entretanto, também organizaram suas próprias equipes. A escolha do elenco seria feita através da oferta de regalias ou até mesmo intimidando moradores da favela.



Foragido da Justiça

Peixe, de 31 anos, encontra-se foragido. Entre outras acusações, ele responde por assalto a mão armada, formação de quadrilha e associação para o tráfico. O Disque-Denúncia (2253-1177) oferece recompensa de mil reais por informações que levem a sua localização. Ele chegou a ser detido em março de 2008, mas não retornou ao presídio após obter o regime semi-aberto em julho de 2009.

Vizinha ocupada

Em 16 de março, ocasião em que uma rodada do campeonato foi suspensa por “forte tiroteio”, um ônibus chegou a ser incendiado depois de um confronto entre policiais e traficantes. Três dias antes, a comunidade vizinha da Vila Kennedy, também em Bangu, havia começada a ser ocupada por militares para viabilizar a instalação de uma Unidade de Polícia Pacificadora.





Postar um comentário