SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

GOVERNO E SEGURADORAS DIVERGEM SOBRE INDICADORES DE ROUBO E FURTO DE VEÍCULOS


ZERO HORA 16 de maio de 2014 | N° 17798

SEGURANÇA DE OLHO NAS RUAS

Roubo e furto de veículos são os menores em 7 anos. DADOS OFICIAIS do governo mostram queda em ocorrências até o ano passado, mas as seguradoras apontam aumento de registros em abril



A quantidade de roubos e furtos de veículos em Porto Alegre é preocupante, mas as estatísticas mostram uma pequena melhora nesse quadro. Nos últimos sete anos, houve queda de 48% nas ocorrências desses crimes em relação à frota.

Em 2007, a cada cem veículos, 2,2 foram levados por criminosos. Em 2013, o número baixou para 1,14 na mesma comparação. Embora os dados sejam positivos, a Capital continua perigosa para os motoristas. Entre as 10 capitais com mais carros, Porto Alegre é a segunda com o maior índice de roubos e furtos, superando Rio de Janeiro e Salvador, por exemplo. A Capital perde apenas para São Paulo, onde 1,31% da frota foi levada pelos bandidos.

O titular da Delegacia de Repressão a Roubos de Veículos (DRV), delegado Juliano Ferreira, comemora a redução, mas considera os índices elevados:

– Temos de diminuir isso de qualquer jeito.

De acordo com Ferreira, tem sido reforçada a fiscalização de ferros-velhos, em parceria com o Detran, para evitar a venda ilegal de peças em desmanches, e ampliada a realização de perícias para identificar impressões digitais em carros e prender responsáveis. Ferreira destaca, ainda, uma possível mudança de atitude do Judiciário.

– Aos poucos, vem se conscientizando que o roubo de veículos é crime grave. Com o tráfico de drogas, é o principal vilão da Capital – acrescenta.

Enquanto os registros policiais mostram queda nos roubos e furtos, os dados das seguradoras mostram um cenário diferente. Segundo o Sindicato das Seguradoras no Rio Grande do Sul (Sindseg-RS), em abril de 2014, foram levados 40% mais veículos em comparação ao mesmo período do ano passado.

– Chegou no topo. Está muito pior do que 2012 ou 2013 – afirma Julio Cesar Rosa, diretor-presidente do Sindseg-RS.

Por serem dados privados, o sindicato opta por não divulgar os números absolutos.

A assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública informa que a pasta não comenta dados das seguradoras.
Postar um comentário