SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

terça-feira, 3 de junho de 2014

CONFESSOU 12 ASSASSINATOS NA ADOLESCÊNCIA. AGORA MAIS DOIS HOMICÍDIOS.



Jundiá virou notícia em 2008 ao confessar 12 assassinatos em apenas oito mesesFoto: Acervo Pessoal / Acervo Pessoal


ZERO HORA 03/06/2014 | 16h18

por Micheli Aguiar

Novo Hamburgo. Jovem que confessou 12 assassinatos na adolescência é preso suspeito de mais dois homicídios. Jundiá como ficou conhecido estava na casa de uma tia e resistiu à prisão


Jundiá, como é conhecido Jacqson Nauta de Quadros, de 22 anos, foi preso no início da tarde desta terça-feira em Novo Hamburgo, no Vale do Sinos. Ojovem que em 2008, com apenas 16 anos, confessou 12 assassinatos, seis atribuídos a ele, era procurado pela justiça desde dezembro do ano passado quando se tornou suspeito de um homicídio na cidade de Portão. No início deste ano, a justiça de Tramandaí, no Litoral Norte, expediu um segundo mandado de prisão, também por homicídio qualificado.

De acordo com o delegado Alexandre Quintão, Jundiá foi preso na casa de uma tia no Kephas. Crescido no bairro e com a família ainda vivendo pelas imediações, ele estaria pelo local há duas semanas. A polícia passou 15 dias de campana, observando as ações do jovem, que estava com a ficha limpa até ser acusado pelo homicídio em Portão.

– A gente esperou o momento certo para capturá-lo. Já havíamos visto a moto dele circulando pelo Kephas, mas ainda não tínhamos tido oportunidade – explica o delegado.

Jundiá foi preso logo após o almoço e, junto com dois primos adolescentes, resistiu à prisão. Os jovens teriam tentado tirá-lo de dentro da viatura da Polícia Civil. De acordo com Quintão, os dois foram autuados por desacato. Jundiá será encaminhado ainda hoje ao Presídio Central de Porto Alegre.

O jovem chegou a ser preso em Caxias do Sul em 2013 por porte ilegal de arma restrita, mas na ocasião ainda não havia suspeita com o assassinato. Depois a polícia descobriu que a arma era a mesma usada para matar um apenado do semiaberto dentro de um ônibus em Portão.

Quem é Jundiá

Jacqson Nauta de Quadros, o Jundiá, hoje com 22 anos, virou notícia internacional em 2008, quando aos 16 anos, confessou ter matado 12 pessoas em apenas oito meses no Vale do Sinos. A Justiça atribuiu a ele, entretanto, a autoria de seis casos. Os demais inquéritos do jovem eram de tentativa de homicídio, receptação e assaltos.

Em um dos homicídios, a Polícia chegou a relatar que o jovem torturou a vítima antes de desferir 20 tiros. Após três anos cumprindo medida sócio-educativa na Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase), de Novo Hamburgo, e com tentativa de fuga em 2009, Jundiá foi liberado, em março de 2011, aos 19 anos, amparado no artigo 121 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) — segundo o estatuto, uma medida de internação não deve ultrapassar três anos.

Apenas cinco meses após a liberdade, Jundiá se tornou suspeito de sequestrar, torturar e estuprar uma mulher em Novo Hamburgo. Mas segundo autoridades federais, ele estava sob abrigo de um programa de proteção fora do Rio Grande do Sul na época_ como mantinha relações com vários criminosos, ele foi encaminhado a um programa direcionado a jovens ameaçados de morte. O exame de DNA descartou presença de material genético dele no sêmen recolhido na vítima.


ZERO HORA  08/08/2011 | 18h45

por José Luís Costa e Cid Martins

Suspeito de violentar jovem confessou 12 assassinatos aos 16 anos em 2008. Jovem conhecido como "Jundiá" está foragido há 45 dias



Nereu Lima da Silva, de 44 anos, foi preso nesta segunda, suspeito de ser o mandante do sequestro da jovemFoto: Miro de Souza / Agencia RBS


A Polícia Civil procura os suspeitos de terem violentado uma jovem de 20 anos na última sexta-feira em Novo Hamburgo, no Vale do Sinos. Segundo a polícia, o crime ocorreu após o sequestro da jovem, que teria ocorrido por represália ao irmão da vítima, adolescente que possuía envolvimento com traficantes. Um dos suspeitos é Jacqson Nauta de Quadros, o "Jundiá", de 19 anos. Em 2008, aos 16 anos, ele confessou ter matado 12 pessoas no Vale do Sinos, e a Justiça atribuiu a ele a autoria de seis homicídios (veja perfil abaixo).

Na manhã desta segunda-feira, uma operação conjunta da Polícia Civil com a Brigada Militar, no bairro São José, prendeu o traficante suspeito de ser o mandante do sequestro, Nereu Lima da Silva, de 44 anos. A polícia procura, além de "Jundiá", outro suspeito do crime de estupro, cujo nome não foi divulgado.

O crime

Na sexta-feira, o pai da jovem teria recebido uma ligação avisando que a filha havia sido sequestrada e exigindo o pagamento de R$ 600 para libertá-la. Para tanto, deveria entregar o dinheiro no viaduto da ERS-239 sobre a Avenida Engenheiro Jorge Schury, no bairro São José, em Novo Hamburgo. Após fazer o pagamento e receber a filha de volta, o homem chamou a Brigada Militar.

À Brigada, a vítima contou ter ficado em poder de dois homens por cerca de uma hora e 30 minutos, período em que foi violentada. De acordo com a polícia, ela recebeu atendimento médico e, levada à delegacia, reconheceu dois homens como sendo os indivíduos que a sequestraram e estupraram.

Segundo o tenente-coronel Carlos Armindo Thomé Marques, que responde pelo Comando Regional de Policiamento Ostensivo do Vale do Sinos, o irmão da jovem é usuário de drogas e estaria devendo a traficantes. Por isso a teria atraído até o local onde a dupla a sequestrou.

O suspeito

Jacqson Nauta de Quadros, o "Jundiá", de 19 anos, tornou-se notícia internacional em 2008, aos 16 anos, após confessar ter matado 12 pessoas em oito meses no Vale do Sinos. A Justiça atribuiu a ele, no entanto, a autoria de seis casos.

Os demais inquéritos do jovem eram de tentativa de homicídio, receptação e assaltos. Em um dos homicídios, a Polícia chegou a relatar que o jovem torturou a vítima antes de desferir 20 tiros. O delegado que cuidou do caso, Enizaldo Plentz, chegou a dizer no início deste ano que seria um risco soltar o jovem.

Após três anos cumprindo medida sócio-educativa na Fase de Novo Hamburgo, e com tentativa de fuga em 2009,"Jundiá" foi liberado, em março de 2011. Como mantinha relações com vários criminosos, ele foi encaminhado a um programa federal de proteção a jovens ameaçados de morte. Segundo o delegado Bolivar Llantada, um dos responsáveis pela operação desta segunda-feira, o adolescente fugiu deste sistema de proteção há 45 dias.

Infográfico: matador aos 16 anos

Postar um comentário