SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

QUADRILHA DE TRÁFICO E HOMICÍDIOS ERA LIDERADA POR APENADO


ZERO HORA 07 de agosto de 2014 | N° 17883


OPERAÇÃO DELTA. Ação prende 33 por homicídio e tráfico

BANDO É SUSPEITO de ter matado 20 pessoas na Região Metropolitana, incluindo um bebê


Trinta e três pessoas foram detidas em ação policial na manhã de ontem, na Região Metropolitana. Durante a Operação Delta, comandada pelo delegado Alencar Carraro, da Polícia Civil de Eldorado do Sul – e com participação da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Brigada Militar (BM) –, foram cumpridos 19 mandados de prisão e 48 de busca e apreensão em Alvorada, Cachoeirinha, Eldorado do Sul, Gravataí, Guaíba e Porto Alegre. Cerca de 300 policiais foram mobilizados.

O bando é investigado por pelo menos 20 homicídios no último ano, incluindo o de um bebê de apenas dois meses. De acordo com a Polícia Civil, a maioria dos detidos pertence aos Bala na Cara, organização criminosa com origem no bairro Bom Jesus, em Porto Alegre, e busca expansão em municípios da Região Metropolitana.

O negócio da quadrilha é basea- do no tráfico de drogas, e os assassinatos são atribuídos à manutenção do poder e do respeito.

– Desarticulamos um foco de tensão muito grande, que deve ter impacto nas futuras estatísticas de homicídios – acredita Carraro.

A Polícia Civil afirma que cinco assassinatos atribuídos ao bando foram elucidados. O mais brutal é o do bebê Derik dos Santos Fernandes. O pai dele, Cleiton da Silva Henriques, também foi executado.



Líder cumpre 57 anos de pena na prisão

Por ter na ficha criminal a morte de duas crianças, outros cinco homicídios, 10 roubos e sete furtos, Jeferson dos Santos Lopes, 29 anos, o Pequeno, ocupa um lugar de destaque na organização criminosa Bala na Cara, nascida nos anos 2000 no bairro Bom Jesus, em Porto Alegre. Pequeno galgou degraus na cadeia de comando com uso de violência e crueldade, marcas registradas de seus liderados.

– A função dele é abrir novos territórios. Faz isso matando rivais e até crianças – descreve o delegado Alencar Carraro.

Pequeno cumpre pena de 57 anos na Penitenciária Estadual do Jacuí. Em maio, foi indiciado pela morte, com dois tiros, do menino Derick dos Santos Fernandes, de apenas dois meses, e, em abril de 2007, pela execução de Tiago da Silva Farias, seis anos. Os dois assassinatos ocorreram durante disputa por pontos de droga. Elisandra dos Santos Lopes, 24 anos, mulher de Pequeno, também foi detida ontem, por participação nos homicídios.

Outro líder da facção, Luis Fernando Soares da Silva Júnior, foi preso há 15 dias e levado para a Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas. As detenções são parte da estratégia da Polícia Civil de retirar de circulação integrantes dos Bala na Cara.

Postar um comentário