SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

SERVIDORA DO TJ É MORTA NA FRENTE DO FILHO DURANTE ASSALTO


CLIC RBS, CASO DE POLÍCIA 29 de setembro de 2014 


CID MARTINS



Polícia investiga morte de servidora do TJ na frente do filho durante assalto em Porto Alegre

A 4ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre está investigando o assassinato de uma servidora do Tribunal de Justiça (TJ) na frente do filho de dez anos durante assalto na zona norte da cidade. O fato ocorreu na quinta-feira da semana passada quando Arlete Lilge, 49 anos, chegava em casa a pé na avenida Brasil quase esquina com a Pernambuco. Ela faleceu um dia depois, na sexta-feira à noite, no hospital Cristo Redentor.

Assalto

Arlete, que estava com uma bolsa, caminhava com o filho pela calçada e era seguida por um casal. A mulher teria repassado algum objeto para o homem e este se aproximou das vítimas, dando um golpe de faca na altura de uma das costelas da servidora. Logo depois ele pediu a bolsa e ela teria levantado o braço para entregar, no entanto, o criminoso desferiu mais dois golpes e fugiu. A bolsa foi levada. O próprio filho acudiu a mãe e pediu socorro para demais moradores do prédio, já que eles estavam em frente à residência.

Arlete foi socorrida e encaminhada para o hospital pelo Samu. Mas um dia depois, na sexta-feira à noite, não resistiu aos ferimentos e morreu. Os golpes atingiram o coração e o pulmão. O velório foi neste domingo, com a presença do presidente do TJ/RS, desembargador José Aquino Flôres de Camargo. A 4ª DP informou que a investigação está avançada e que já tem suspeitos do latrocínio, matar para roubar.

Arlete Lilge foi assassinada na zona norte com golpes de faca por causa de uma bolsa / Foto: Reprodução Facebook

Nova residência

Arlete morou praticamente toda a vida em Canoas, mas no último mês, devido ao trânsito e à proximidade da escola dos filhos, estava residindo em um apartamento na zona norte da capital. Ela, que era natural de São Lourenço do Sul e trabalhava no Departamento de Biblioteca e Jurisprudência do TJ, deixou marido e dois filhos, o de dez anos que estava junto com ela no momento do crime, e outro de 14 anos. A irmã dela, que mora no Maranhão, estava em Porto Alegre para passarem juntas os aniversários de ambas. O de Arlete no dia 2 de setembro e o da irmã amanhã, terça-feira (30).
Postar um comentário