SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

PRESO POR TENTAR MATAR RAPAZ NO CENTRO DE CAXIAS DO SUL

DIÁRIO GAÚCHO 23/11/2014 | 10h26

Adriano Duarte

Ex-namorado de Henriette Vaccari é preso por tentar matar rapaz no centro de Caxias do Sul. Marcus Vinicius de Oliveira namorava ex-princesa da Festa da Uva, encontrada morta na semana passada



Pezão agrediu jovem no Centro de Caxias do Sul e agora está recolhido na Penitenciária Industrial Foto: Adriano Duarte/ Agência RBS



Uma semana após a ex-princesa da Festa da Uva Henriette Vaccari ter sido encontrada morta, a Brigada Militar (BM) prendeu o ex-companheiro dela por tentativa de homicídio, em Caxias.

Marcus Vinicius de Oliveira, 28 anos, o Pezão, agrediu um rapaz a pauladas no Centro, por volta das 11h15min de sábado. O ponto onde aconteceu o crime fica na Rua Marquês do Herval, entre a Rua Sinimbu e a Avenida Júlio de Castilhos, a poucos metros do apartamento onde ele morou alguns dias com Henriette.





Pezão ficou conhecido na semana passada por revelar que era o atual companheiro da ex-princesa da Festa da Uva. Os dois se conheceram na Praça Dante Alighieri, cerca de três semanas antes de Henriette ser encontrada sem vida e com hematomas pelo corpo no apartamento onde ela residia na Avenida Júlio de Castilhos. As causas da morte da ex-soberana ainda são investigadas pela Delegacia de Homicídios de Caxias.

No caso deste sábado, Pezão atacou o ajudante de motorista Jordi José Palhano, 19 anos. O crime teria sido motivado por um desentendimento por conta da venda de um CD, segundo o Comando Regional de Polícia Ostensiva (CRPO/Serra). Jordi acompanhava um amigo que havia adquirido o produto de um vendedor ambulante. O CD teria defeitos e o amigo de Jordi tentou fazer a troca. O vendedor concordou, mas chamou Pezão, conhecido dele, que estava por perto.

Conforme testemunhas ouvidas pelo Pioneiro, o ex-namorado de Henriette pegou um pedaço de madeira, se aproximou pelas costas de Jordi e acertou duas vezes o rosto do rapaz. O jovem sequer conhecia Pezão e o vendedor ambulante. A vítima recebeu atendimento no Postão 24 horas e no Hospital Pompéia, e já recebeu alta.

Levado para prestar depoimento na Polícia Civil, Pezão foi autuado em flagrante por tentativa de homicídio. Ele deu entrada na Penitenciária Industrial às 15h50min de sábado, onde ainda está recolhido. O vendedor ambulante, por sua vez, foi registrado na ocorrência como testemunha do crime. Por não ter participado da agressão, a polícia optou por liberá-lo. O nome dele não foi divulgado.

Antes de se envolver com a ex-princesa da Festa da Uva e da tentativa de homicídio deste sábado, Pezão teve passagens na polícia por tráfico de drogas, ameaça, posse de entorpecentes e roubo. Ele também respondia em liberdade a um processo por assassinato: matou Adalíbio Martins Velho, 56, a pauladas, em um bar próximo à rodoviária, em abril de 2011.

Sobre o envolvimento amoroso com Henriette, Pezão disse à polícia que a ex-princesa da Festa da Uva havia ido dormir depois de ingerir álcool e remédios para depressão. No início da manhã de 16 de novembro, domingo, ele tentou acordá-la e constatou que estava morta.

O delegado Rodrigo Duarte solicitou um laudo toxicológico, que deve mostrar quais substâncias foram ingeridas pela ex-princesa, como álcool e medicamentos, por exemplo. O exame deve ficar pronto entre 60 e 90 dias. Os investigadores aguardam um laudo para apontar se os hematomas no corpo de Henriette podem ser decorrentes de algum tipo de agressão.
Postar um comentário