SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

JOVEM É AGREDIDA EM CASA NOTURNA POR NEGAR BEIJO

ZERO HORA 30/12/2014 | 06h04

Confusão na noite. Jovem nega beijo e é agredida em boate do Litoral Norte. Menina levou uma garrafada na cabeça e teve de ser encaminhada para o hospital em Xangri-Lá após confusão em casa noturna

por Mauricio Tonetto



Fabiane Bessa, 19 anos, diz que ainda não está acreditando que foi atacada porque se negou a ficar com um homem Foto: Reprodução / Arquivo Pessoal


Humilhação e perplexidade são as palavras que vêm à mente da jovem Fabiane Lessa, 19 anos, quando lembra da madrugada do último domingo, 28 de dezembro. Golpeada na cabeça por uma garrafa de tequila, ela teve de ser retirada pelos bombeiros da boate Privilège, em Xangri-Lá, no Litoral Norte.

O motivo teria sido negar-se a ficar com um homem, identificado como André Granville. Uma ocorrência por lesão corporal foi registrada na Brigada Militar em Capão da Canoa.

– Ele chegou em mim na festa e eu empurrei, disse para sair de perto. Ele chegou novamente e eu empurrei outra vez. Avisei um amigo dele que estava incomodando, e quando (André) ouviu isso me chamou de vagabunda e tocou a garrafa na minha cabeça. Eu desmaiei – relata Fabiane.





De acordo com a jovem, que trabalha em uma empresa de seguros e assistência a viagens na Capital, ela conhecia André de vista, mas nunca tinha conversado com ele até a noite de sábado. A agressão teria ocorrido por volta das 6h30min em um camarote e foi confirmada pela assessoria da Privilége – a casa noturna era inaugurada naquela noite. O homem foi retirado pelos seguranças.

Fabiane foi colocada em um táxi pelo Corpo de Bombeiros, com ajuda de funcionários da boate, e recebeu atendimento no Hospital Santa Luzia, em Capão da Canoa. Cinco pontos foram dados na sua cabeça e uma parte do cabelo teve de ser raspada.

– Tenho flashs da garrafa batendo, alguém me segurando e eu acordando. Não acredito ainda que isso ocorreu, é inexplicável, não tenho condições de pensar em nada agora. O meu pai ficou furioso quando me viu chegando em casa toda enfaixada – conta a jovem.



Uma amiga, Daniela Bamberg, 21 anos, presenciou a cena e disse que a agressão revoltou pessoas presentes e deu início a uma confusão, que foi logo contida pelos seguranças:

– Aconteceu tudo muito rápido e os funcionários da boate agiram na hora. Um dos sócios viu o tumulto e perguntou se estava tudo bem. Foi uma humilhação para nós.

"Não foi por querer, estava todo mundo bêbado", diz homem

Zero Hora entrou em contato com André Granville, que negou ter atacado a garota com uma garrafa de tequila. Conforme ele, que deve ser indiciado por lesão corporal, foi um acidente:

– Eu estava num lugar mais alto e ela num mais baixo. Me empurraram e eu caí. Estava com um negócio na mão, um copo. Vamos resolver isso na polícia, não foi por querer, estava todo mundo bêbado. Eu estava bêbado, mas não foi intencional. A gente bebeu tequila, o problema foi esse.
Postar um comentário