SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

SEQUESTRO EM ALTA NO RS

Crime em alta19/12/2014 | 15h45


Débora Ely


Sequestros dobram no Rio Grande do Sul em 2014. "Esse foi um ano marcado por sequestros", afirmou delegado Joel Wagner nesta sexta-feira



Cativeiro onde prefeito de Mostardas foi mantido refém nesta sexta-feira Foto: Ronaldo Bernardi / Agência RBS



— Esse foi um ano marcado por sequestros — declarou o delegado Joel Wagner cerca de oito horas após libertar o prefeito de Mostardas de mais um caso registrado em 2014.

Titular da Delegacia de Roubos do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), Wagner evidencia uma sensação comprovada pelos números. De janeiro a setembro deste ano, extorsões mediante sequestros dobraram em relação ao mesmo período de 2013: foram 12 casos no ano passado, e 24 em 2014.

— Não tenho uma explicação lógica — diz o delegado. — O que pode estar ocorrendo é uma migração do roubo para o sequestro. O interessante é que a gente combata isso para não deixar “virar moda”.


A incidência do crime nos três primeiros trimestres deste ano já ultrapassou o total registrado em todo 2013 — foram seis casos a mais até o último balanço divulgado pela Secretaria da Segurança Pública do Estado. Com sequestros em alta, a Polícia Civil afirma que vem desenvolvendo ações para coibi-los. Exemplo é a operação desencadeada na madrugada desta sexta-feira: menos de três horas após o prefeito de Mostardas, Alexandre Galdino Dorneles Lopes, ser feito refém, a Polícia Civil localizou o cativeiro graças ao monitoramento da quadrilha — que já ocorria há meses.

O prefeito foi solto sem ferimentos, um casal acabou preso, dois adolescentes, apreendidos e um sequestrador acabou morto. Na madrugada de terça-feira, a filha de um vereador de São Leopoldo foi libertada após ficar mais de dois dias em poder de sequestradores. No entanto, a Polícia Civil garante que os crimes não tem conexão: foram, inclusive, cometidos por quadrilhas diferentes e que têm modos de atuação distintos.

Prefeito fala sobre as horas de sequestro:

Postar um comentário