SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

SECRETARIO COLOCA A RESPONSABILIDADE NA FAMÍLIA

ZERO HORA 20/04/2015 | 11h03


Secretário da Segurança diz que famílias também têm responsabilidade na violência. Wantuir Jacini afirmou em entrevista ao Gaúcha Atualidade que as crianças ficam sozinhas nas ruas à mercê dos criminosos



Foto: Rodrigo Ziebell / Governo do Estado,Divulgação


Em entrevista ao Gaúcha Atualidade, na Rádio Gaúcha, nesta segunda-feira, o secretário de Segurança do Estado, Wantuir Jacini, falou sobre a estratégia do governo para combater a onda de violência que, nos últimos dias, teve como caso mais emblemático o da menina de 7 anos morta por uma bala perdida de fuzil enquanto dormia na zona sul de Porto Alegre.

Para Jacini, o plano é dividido em dois eixos: criminal e social. Ele diz que o foco da Secretaria da Segurança é o criminal, mas que casos como o da criança atingida têm relação também com a violência social, que é falha de outros setores, entre eles as famílias.

— Antigamente, o pai era apenas o provedor do lar e a mãe ficava fazendo a educação. Hoje a mãe sai para prover o lar também e as crianças ficam sozinhas, ficam na rua, à mercê de todos os criminosos, principalmente nas periferias — disse.

Após receber críticas de ouvintes durante o programa, o secretário ressaltou que não estava culpando as famílias no caso da menina atingida por bala perdida. Disse também que as forças policiais já fizeram 18 prisões em menos de um mês, além de operações preventivas e investigações, mas que, em mais de 70% dos casos, os envolvidos têm antecedentes criminais.

Jacini também disse que os recursos para presídios em obras estão garantido, mas que devido à situação econômica do Estado, novos projetos não estão confirmados. Sobre os cortes de horas extras, o secretário voltou a afirmar que o impacto é somente na área administrativa e não do policiamento nas ruas, mas que no final do mês vai receber as estatísticas e terá um raio x completo do impacto do decreto de corte de gastos.
O secretário Jacini tem razão quando diz que parte do problema é das leis, que garantem o “prende e solta” e fazem com que os bandidos se sintam livres para agir. Tem razão, também, quando diz que a solução dos problemas sociais reduziria a necessidade de ação da polícia e coloca a educação como fato principal de prevenção à violência. Mas erra quando parte para a simplificação, culpando a entrada da mulher no mercado de trabalho pelo aumento da violência.

As mães, que já se cobram pelo tempo que não dedicam aos filhos, têm o direito de trabalhar sem culpa, sabendo que suas crianças estão na escola.

Postar um comentário