SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

terça-feira, 7 de julho de 2015

MUITO BARULHO, POUCO RESULTADO



ZERO HORA 07 de julho de 2015 | N° 18217



SUA SEGURANÇA | Humberto Trezzi




Assaltos a carros-fortes são prato feito para a mídia. Cinematográficos, costumam ser pautados por bloqueios de rodovias, uso de reféns, tiros e explosões. Foi o que ocorreu ontem em Flores da Cunha, no ataque a um blindado da Brinks.

Graças a uma providência das transportadoras que começa a se tornar rotineira – o reforço dos cofres – os bandidos não tiveram sucesso em explodir o recipiente onde o dinheiro estava guardado, mesmo após três detonações. Para não perder a corrida, levaram coletes e armas dos vigilantes.

Ao contrário do que tanto barulho faz supor, roubos de blindados se tornaram raros no Estado. O último bem-sucedido ocorreu em 4 de novembro de 2013, também na Serra, em Nova Petrópolis. De lá para cá, só duas tentativas: uma em junho de 2014 em Candelária – quando três bandidos morreram em confronto com a Polícia Civil – e outra em setembro do mesmo ano, na Capital, quando vigilantes impediram roubo de carro-forte estacionado em um supermercado após tiroteio intenso.

Um dos maiores ladrões de blindados de todos os tempos, o gaúcho Carlos Ivan Fischer, o Teco, morreu no confronto de junho de 2014. Ele estava também no assalto de 2013 em Nova Petrópolis. Como se sabe disso? Por exames de DNA em resíduos.

Grande parte do mérito para o fracasso desse tipo de crime é da Polícia Civil, que tem neutralizado ladrões especialistas. Só esse ano foram 15 fuzis apreendidos com os bandidos e meia centena de pistolas, informa o delegado Joel Wagner, da Delegacia de Roubos e Extorsões.

ZERO HORA

Criminosos trancam rodovia e atacam carro-forte na Serra

ÔNIBUS FOI ATRAVESSADO na pista da ERS-122, em Flores da Cunha, para interceptar veículo de transportadora de valores, tombado por caminhão dirigido pelos ladrões que tentaram explodir cofre

O metalúrgico Adão Júnior de Aguiar chegou ao quilômetro 106 da ERS-122 segundos após um ônibus ter sido parado por bandidos e atravessado na estrada para trancar o tráfego nos dois sentidos entre Flores da Cunha e Antônio Prado. Logo adiante, um carro-forte da Brinks, tombado fora da pista por um caminhão usado pelo bando, era atacado com explosivos e tiros.

Os quatro vigilantes foram rendidos, mas os ladrões não conseguiram abrir o cofre e fugiram em dois ou três carros em direção a Antônio Prado. Até o fechamento desta edição, ninguém havia sido preso. Não houve feridos. Eram 8h45min de quando a curva na estrada virou o caos. Os carros que chegavam eram abandonados por condutores e caronas. Apavorados, os tripulantes corriam pela rodovia no sentido contrário ao epicentro do ataque.

– Cheguei e o pessoal já estava correndo. Mais 30 segundos e nós estaríamos ali, no lugar do ônibus – contou Aguiar, que viajava de Caxias do Sul a Lagoa Vermelha.

Outro motorista relata:

– Eu ia no sentido Antônio Prado. Já tinha um caminhão atravessado. Um dos criminosos parou meu carro. Atrás, vinha um ônibus da (Expresso) Caxiense. Fomos obrigados a atravessar o carro e ônibus na pista. Um dos bandidos pediu para não usarmos celular e ficou nos vigiando. Aí, começou a sequência de tiros e explosões. Mas não conseguimos ver muita coisa. Eles fugiram e, cinco minutos depois, a polícia chegou.

ELES SÃO PROFISSIONAIS, DISSE CONDUTOR DO COLETIVO

Em 14 anos de profissão, o motorista Ivanio Besutti nunca havia passado por tamanha tensão. Ele conduzia o ônibus da Expresso Caxiense que foi parado pela quadrilha. Da porta, armado com fuzil, um homem com rosto coberto ordenou que Besutti atravessasse o veículo na estrada. Além dele e da cobradora, havia 15 passageiros no ônibus que saiu às 8h de Caxias para Antônio Prado. Besutti ouviu três explosões.

– Pelas circunstâncias, até que foi tranquilo. Eles são experientes, são profissionais – concluiu.

O carro-forte transitava no sentido Flores da Cunha-Antônio Prado. Os ladrões levaram as armas dos vigilantes. A Brigada Militar (BM) estima que o bando tinha até oito homens. No meio da tarde, a BM localizou um Corolla prata usado no ataque, escondido perto de uma casa abandonada, em uma estrada vicinal de Antônio Prado.

CHAPAS DE METAL VIRARAM ESCUDO EM AUTOMÓVEL

Os bandidos instalaram chapas de metal nos encostos dos bancos do motorista e traseiro, possivelmente como proteção contra tiros em uma eventual reação policial ou dos vigilantes. Segundo a BM, o Corolla foi roubado em Bom Princípio e tinha placas clonadas.

Após o crime, o carro-forte, bastante danificado pelas detonações, teve de ser desvirado por um guindaste. Uma equipe da Delegacia de Roubos do Departamento Esta­dual de Investigações Criminais vai auxiliar nas investigações. A polícia não descarta que a quadrilha seja do Vale do Paranhana.

A ERS-122 ficou bloqueada durante toda a manhã. Depois do meio-dia foi autorizado tráfego em meia pista. A liberação total ocorreu perto do fim da tarde.
Postar um comentário