SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

GOLPE NO NOVO CANGAÇO



ZERO HORA 09 de fevereiro de 2016 | N° 18440


HUMBERTO TREZZI



Deu tudo certo na operação do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) e agentes da Polícia Civil de Soledade contra a quadrilha desmantelada no norte do Estado. É o maior golpe já efetuado, em uma só ação, contra adeptos do Novo Cangaço – tipo de assalto a banco realizado por bandidos que, como os antigos cangaceiros, atacam policiais, dominam pequenas cidades, fazem reféns e explodem alvos.

O Novo Cangaço é uma praga que se alastrou sobretudo em regiões do Nordeste (como Maranhão e Piauí) e Centro-Oeste (Mato Grosso), mas encontra seguidores no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Algumas quadrilhas, aliás, englobam gaúchos e catarinenses. A fórmula é conhecida: buscam localidades que possuem escasso policiamento e uma ou duas agências bancárias. Muitas vezes o assalto é múltiplo, envolve dois bancos ao mesmo tempo.

É nisso que estava especializado o grupo desarticulado domingo. Luciano Bishoff Comper, o Peru, é apontado como o sujeito que compra dinamite usada pelo bando. Já Leandro Borchartt é envolvido na quadrilha de Seco (José Carlos dos Santos), preso há nove anos e celebrizado por usar caminhões e explosivos no ataque a blindados.

Não foi um ato casual da Polícia Civil e, sim, resultado de meses de paciente rastreamento dos bandidos, tanto os foragidos quanto os que cumpriam pena (à moda brasileira, aquele semiaberto que ninguém fiscaliza). Foi uma ação sem erro – tanto que o bandido morto em confronto, Ronaldo Mack, era condenado, foragido e respondia a cinco inquéritos por assaltos. Hora de reconhecer o esforço policial. Só assim, com trabalho de inteligência, para driblar a escassez constante de efetivo.



Postar um comentário