SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

quinta-feira, 9 de junho de 2016

A IMPUNIDADE DO FURTO



ZERO HORA 09 de junho de 2016 | N° 18551


CAETANNO FREITAS VANESSA KANNENBERG

REPORTAGEM ESPECIAL


FURTO E TRISTEZA NA ESCOLA-MODELO DO RS




COLÉGIO AURÉLIO REIS, na Capital, é considerado referência de qualidade no ensino público há cinco anos, quando ficou conhecido por ter um computador por aluno. Arrombadores levaram ontem 110 equipamentos, um prejuízo de R$ 72 mil

Duas das áreas mais críticas do serviço público esta­dual, segurança e educação, se materializaram em um único fato na madrugada de ontem: 110 netbooks e um projetor foram furtados de uma instituição de ensino na zona norte de Porto Alegre. Com 249 alunos, a Escola Estadual de Ensino Fundamental Aurélio Reis é considerada há cinco anos, pelo próprio governo, uma escola-modelo – até então tinha um computador por estudante, com algumas unidades sobressalentes. O prejuízo, segundo a direção, é estimado em R$ 72 mil.

Conforme a diretora, Nássara Scheck, essa foi a primeira vez que a instituição foi arrombada nos últimos 30 anos, período em que ela trabalha na escola.

– Quando cheguei e vi o portão aberto, as salas arrombadas, netbooks faltando... Me deu uma tristeza. Chorei muito – desabafou.

Os computadores portáteis são o segundo caderno dos estudantes. Trabalhos, notas e pesquisas ficam salvos nos aparelhos, que têm nome e etiqueta colorida, conforme o ano do dono provisório – caso o aluno seja transferido ou se forme, o netbook passa para outras mãos.

Quando necessário, os estudantes podem levá-los para casa. Mas a regra, por ironia, é deixá-los na escola por questão de segurança. A maioria dos netbooks fica dentro de uma sala, onde cada aluno retira seu equipamento com um professor responsável. Na prateleira dos etiquetados em amarelo, onde estavam guardados os computadores da turma 71, não sobrou um.

– Roubaram tudo – exclamou Davi Porto, 13 anos, ao entrar no ambiente revirado.

– Levaram nossos trabalhos – alertou Kemilly Vieira, 12 anos.

– E o de Artes a gente nem apresentou – completou Adriele Ferreira, 12 anos, lembrando dos slides com a história do samba – A gente já não ganha quase nada, e ainda tiram o que tem de bom – lamentou a aluna.

Segundo a direção, dos equipamentos furtados, alguns estavam bloqueados por senhas que inutilizam o aparelho para quem não souber a chave, mas outros estavam com acesso liberado.

– Chama atenção é que trata- se de um colégio grande. Esses bandidos entraram pela porta principal, passaram pela direção e foram direto na sala onde estava o material. Sabiam onde ir – comenta o delegado Alexandre Vieira, da 9ª Delegacia de Polícia da Capital.

A escola não tem câmeras de monitoramento e a polícia ainda não tem suspeitos dos crime.

GOVERNO CANCELOU VISITA AO COLÉGIO

A professora de História Silvana Peixoto lamentou o furto do único data-show que funcionava 100% –os demais costumavam trancar:

– Vou ter de refazer todo o planejamento das aulas, tudo estava baseado na lousa digital.

Nas conversas de corredor, professores já pensavam na Feira de Ciências. Marcada para julho, a mostra ocorreria com os trabalhos salvos nos netbooks levados. Os modelos novos, recebidos pelo governo estadual há menos de dois anos, substituíram os primeiros, entregues entre 2011 e 2012.

Meses antes da primeira doação, o então governador Tarso Genro (PT) esteve na escola e declarou que ela serviria como referência aos colégios gaúchos. Ele mesmo constatou que não havia sinal de vandalismo em classes e paredes, a biblioteca era bem conservada, assim como refeitório, quadra esportiva e salas de aula. Se algo mudou de lá para cá, foi para melhor.

No último final de semana, pais e funcionários fizeram mutirão para refazer a horta com pneus velhos, pintaram galões de água para espalhar lixeiras para material orgânico e seco pela escola e construíram composteiras. Já planejavam reformar a pracinha e criar quiosques com churrasqueiras.

E o governador José Ivo Sartori parece concordar com a gestão anterior nesse ponto. Na terça- feira, segundo a diretora, a assessoria de imprensa do governo havia marcado visita para fazer fotos e coletar dados para publicizar a instituição exemplar. Após o furto de ontem, a equipe teria ligado cancelando. O secretário de Comunicação do Estado, Cléber Benvegnú, disse desconhecer tanto a visita quanto seu suposto cancelamento.



INFORME ESPECIAL | Tulio Milman


FIM DA PICADA


Nem a Campanha do Agasalho escapa.

Foram furtadas cerca de 10 mil peças de roupa arrecadadas no Iom Mitzvah, promovido no final de semana passado pela comunidade judaica de Porto Alegre. Elas estavam guardadas no clube Hebraica.

A polícia já foi comunicada e o registro da ocorrência será feito hoje.



MORADORA DE RUA ALEGOU QUE PRETENDIA FURTAR ARMAS

MARCELO KERVALT


A moradora de rua Naiane dos Santos, 33 anos, assumiu o furto de equipamentos do prédio onde funciona a cúpula da Secretaria da Segurança Pública (SSP) do Estado, no centro de Porto Alegre. Em depoimento ao delegado Omar Abud, titular da 17ª Delegacia de Polícia da Capital, Naiane disse que entrou no imóvel, na Avenida Voluntários da Pátria, por volta de 23h45min de segunda-feira, com a intenção de furtar armas. Ela sabia que o local era a sede da SSP, afirmou o delegado.

– Ela entrou pelos fundos, aproveitando uma porta que estava aberta, e foi procurando objetos que pudessem ser vendidos na rua – contou Abud.

Dentro do prédio, Naiane achou um molho de chaves que a possibilitou entrar em várias salas. A moradora de rua usou também chave de fenda para abrir uma porta e pulou uma divisória.

– Ela foi entrando em locais que não tinham gente. Disse que as divisórias são fáceis de abrir – acrescentou o delegado.

Em uma das salas, a invasora encontrou uma mochila. No acessório, Naiane colocou um notebook, um celular, quatro pendrives e o pó de café que havia furtado. Antes de sair, fez um lanche no refeitório. Ela foi detida para prestar depoimento, liberada em seguida e deve ser indiciada por furto qualificado.

– Estamos tentando recuperar os objetos. As informações (que ela passou) são bem complicadas – afirmou Abud.

SETOR MONITORA 24 HORAS AS RUAS DE PORTO ALEGRE


A moradora de rua acessou o segundo andar da SSP, onde funcionam os setores da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) e Departamento de Comando Controle Integrado (DCCI). Este último é responsável por gerenciar o atendimento das chamadas de emergência e monitorar 24 horas, por meio de câmeras, a ação de criminosos em Porto Alegre.


Postar um comentário