SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

OUTRA MÃE MORTA, OUTRA FILHA QUE SAI E NÃO VOLTA




ZERO HORA 19 de setembro de 2016 | N° 18638



POLÍTICA + | Rosane de Oliveira



Primeiro Cristine, agora Andressa. Duas mães assassinadas na frente dos filhos por ladrões de carros. A mais nova órfã da barbárie no Rio Grande do Sul nem completou dois anos. Terá para recordar a foto de uma mulher sorridente, mas o amor de mãe será uma abstração.

Andressa Reinaldo Ellwanger Friedrich morreu aos 25 anos, depois de levar um tiro diante da filhinha e do marido, ao estacionar o carro no pátio de casa em Canoas. A família agora desfeita estava retornando do Acampamento Farroupilha. Andressa apelou aos ladrões para que a deixassem tirar a criança do carro. Os bandidos atiraram nela e fugiram no Cobalt do casal, encontrado mais tarde em Sapucaia do Sul.

A violência também inverteu a ordem natural das coisas em Caxias do Sul. Na terra do governador José Ivo Sartori, a mãe de Érica da Silva dos Santos, 20 anos, cumprirá hoje, às 9h, o pior dos castigos impostos a uma mulher: enterrar a filha. Érica foi morta em um tiroteio na madrugada de domingo, em frente a uma casa noturna. Era uma trabalhadora que, como tantos jovens, saiu de casa para se divertir na noite de sábado e não voltou mais. As investigações preliminares indicam que foi vítima de bala perdida. Outras quatro pessoas que também estava em frente à casa noturna ficaram feridas.

Esses não foram os únicos crimes do fim de semana. São os que mais chamam atenção pelas circunstâncias e pelo perfil das vítimas, jovens e sem envolvimento com o crime. Da Secretaria da Segurança Pública e do Palácio Piratini, apenas o silêncio ensurdecedor. Nem uma nota de solidariedade às famílias, nem uma palavra das autoridades.

O secretário da Segurança, Cezar Schirmer, passou o fim de semana em Santa Maria e hoje deve se encontrar com o colega José Mariano Beltrame, no Rio, em busca de conselhos e de inspiração.

Na volta, Schirmer terá de administrar as carências da Brigada Militar, que não dá conta do telefone 190. Um fato ocorrido na manhã de domingo atesta a falência da segurança em Porto Alegre. Um ladrão foi detido por populares, depois de assaltar uma padaria, e liberado 40 minutos depois porque os policiais militares não apareceram para formalizar a prisão. O comandante do 1° Batalhão de Polícia Militar, Alexandre Brite, alegou que não havia recursos disponíveis naquele momento. Todas as viaturas estavam ocupadas em outras ocorrências na região.


Postar um comentário