SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

ROUBO DE CARRO

Resultado de imagem para roubo de carro a mao armada

ZERO HORA 13 de outubro de 2016 | N° 18659


MARCELO KERVALT


SEGURANÇA JÁ


Em cinco anos, roubo cresce três vezes mais do que a frota no RS


DE JANEIRO A AGOSTO deste ano, bandidos levaram, a cada dia, em média, 106 automóveis de vítimas



A máxima de que “o crime não anda a pé”, utilizada pelo delegado Adriano Nonnenmacher, titular da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV), é confirmada nos números divulgados pela Secretaria Estadual da Segurança Pública (SSP). Enquanto os os índices de violência assustam a população, sobem também os roubos e furtos de veículos no Rio Grande do Sul nos últimos cinco anos. Durante o primeiro semestre de 2016, bandidos levaram um veículo a cada 14 minutos no Estado. Foram, em média, 106 carros por dia.

Se levados em conta apenas os assaltos, houve acréscimo de 57% nos últimos cinco anos, passando de 5.887 nos seis primeiros meses de 2012 para 9.225 no mesmo período de 2016. A elevação foi três vezes maior do que o aumento da frota, que bateu a marca de 18% (veja quadro ao lado).

– Se seu carro está sendo visado pela criminalidade, não há o que fazer. Vai ser roubado – lamenta o cientista social Charles Kieling.

No entanto, o delegado Nonnenmacher aponta evolução no combate a esses crimes nos últimos meses. Conforme dados repassados por ele, em agosto e setembro, furtos e roubos de veículos em Porto Alegre diminuíram 33% e 44%, respectivamente, em relação aos mesmos meses de 2015.

– Realizamos mais de cem operações e prendemos 161 pessoas que atuavam em furto, roubo e clonagem em 2016. Além disso, foram mais de 30 ações da Operação Desmanche em parceria com a Brigada.

PARA SOCIÓLOGO, É PRECISO MAPEAR AS QUADRILHAS

O cientista social reconhece a efetividade da Lei dos Desmanches, mas não como ação isolada:

– É errado acreditar que uma lei vai coibir a criminalidade. É preciso mapear as quadrilhas que utilizam esses veículos. Há muitas pessoas que contribuem para que o mercado (de peças furtadas e roubadas) continue funcionando.

– Além do policiamento ostensivo, daria para implantar portais eletrônicos que identificariam carros que entram e saem da cidade. É fácil de se fazer – complementa o sociólogo e professor da PUCRS, Rodrigo Ghiringhelli de Azevedo.



SEGURANÇA JÁ. Mulheres são alvo de ladrões, diz delegado de Furtos e Roubos


Se há alguns anos o destino dos carros roubados e furtados estava bem definido, hoje a situação é diferente, conforme a Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos.

– Não predomina mais o perfil clássico de ladrões que roubavam para clonar, desmanchar ou mandar para outros Estados e países – diz o delegado Nonnenmacher.

Os carros, atualmente, são utilizados para os mais diversos fins. De acordo com o delegado, os veículos também são cobiçados por adolescentes que roubam e furtam para ir em festas, para simplesmente se deslocar entre bairros antes de abandonar, como para cometer outros crimes.

– São, em sua maioria, jovens, mas há perfil muito variado. Pode ser o pequeno traficante, o grande traficante, o estelionatário – enumera o delegado.

Quando vendidos, os automóveis variam de R$ 1 mil a R$ 3 mil, em média.

Conforme o delegado, os criminosos preferem abordar mulheres que estão distraídas em ruas pouco movimentadas, em geral, saindo de residências.


PREVINA-SE

- À noite, mantenha vidros fechados ao sair ou parar em algum sinal.
- Não pare em lugares desertos ou com pouca iluminação.
- Prefira locais vigiados para estacionar.
- Nunca deixe documentos, talões de cheque e cartões de crédito dentro do carro.
- Mesmo que seja parada rápida, sempre feche o veículo ao estacionar.
Fonte: Fonte: especialista em gestão no setor de segurança Adriano Klafke




Painel discute assaltos de veículos hoje


Os roubos de veículos, crimes com emprego de violência do ladrão perante a vítima, estão por trás de quase a metade dos latrocínios ocorridos em Porto Alegre neste ano: foram 13 casos num total de 28 ocorrências de assalto com morte registradas na Capital em 2016, conforme levantamento do Diário Gaúcho.

Para discutir essa trágica realidade e apontar soluções, o terceiro Painel RBS Segurança Já reunirá, hoje, às 15h, na sede da RBS TV, o titular da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos do Departamento Estadual de Investigações Criminais, Adriano Nonnenmacher, o ex-comandante-geral da Brigada Militar coronel Paulo Roberto Mendes Rodrigues, hoje juiz do Tribunal de Justiça Militar, e o tenente-coronel Cesar Augusto Pereira da Silva, coordenador da Força-Tarefa da Operação Desmanche.

– O roubo de veículos é um dos crimes que mais assustam os gaúchos. Quase a metade dos 28 latrocínios que ocorreram na Capital, este ano, têm relação com este crime – observa o editor de Segurança do Grupo RBS e editor-chefe do Diário Gaúcho, Carlos Etchichury.

EVENTO EM DIFERENTES PLATAFORMAS DIGITAIS

Etchichury será mediador do debate, ao lado do comentarista da Rádio Gaúcha e colunista de Zero Hora Cláudio Brito. O evento será transmitido ao vivo pela Rádio Gaúcha e pelas plataformas digitais do Grupo RBS.

O primeiro painel Segurança Já, em 26 de agosto, discutiu alternativas para o combate à violência e à criminalidade. O segundo, em 27 de setembro, tratou do tema impunidade. A mobilização institucional e editorial reforça o compromisso do Grupo RBS com a comunidade gaúcha.

A primeira medida foi a criação de uma editoria integrada sobre o tema, envolvendo Zero Hora, Diário Gaúcho, Rádio Gaúcha e RBS TV. Mais de 640 reportagens sobre o assunto foram veiculadas desde então nessas plataformas.


COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - É preciso punir com rigor e multa pesada os ladrões e assaltantes de carro. Penas elevadas e multas indenizatórias pagas para as vítimas e seguradoras, em espécie ou trabalho obrigatório e monitorado seriam formas para coibir estes crimes. A perda do direito de ostentar e de usar um patrimônio adquirido com o suor do trabalho numa situação que pode levar à perda da vida e da saúde física e mental. É um crime tratado com permissividade das leis e leniência da justiça, que compensa roubar, violentar, ferir e matar uma pessoa.
Postar um comentário