SEGURANÇA PÚBLICA - CONCEITO E OBJETIVO

No Sistema de Justiça Criminal, cada poder tem funções que interagem, complementam e dão continuidade ao esforço do outro na preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A eficácia do sistema depende da harmonia e comprometimento dos Poderes de Estado em garantir a paz social. O Sistema de Justiça Criminal envolve leis claras e objetivas, prevenção de delitos, contenção, investigação, perícia, denuncia, defesa, processo legal, julgamento, sentença e a execução penal com objetivos e prioridades de reeducação, reintegração social e ressocialização do autor de ilicitudes. A finalidade do Sistema é garantir o direito da população à Justiça e à Segurança Pública, a celeridade dos processos e a supremacia do interesse público em que a justiça, a vida, a saúde, o patrimônio e o bem-estar das pessoas e comunidades são prioridades.

quarta-feira, 10 de abril de 2019

EU SOU VOCÊ AMANHÃ!




"EU SOU VOCÊ AMANHÃ!


O QUE OS PODERES LEGISLATIVO, EXECUTIVO E JUDICIÁRIO ESTÃO FAZENDO PARA MUDAR ESTA VIOLÊNCIA QUE ASSOLA A POPULAÇÃO?

Durante décadas só vem aumentando o número de gangues, o empoderamento por armas de guerra, a ousadia do crime, o enfrentamento contra os policiais, as execuções, a impunidade dos criminosos, a leniência dos poderes, a permissividade das leis, a irresponsabilidade na execução penal e o crescimento absurdo da violência.

TEORIA DO CAOS – EFEITO BORBOLETA – Sistemas caóticos têm resultados caóticos. O caos se instala a partir de pequenas causas não tratadas a tempo.


Quando o crime aumenta, a sociedade se destrói. Equilíbrios se rompem”, John Laub

A carreira criminosa começa nos pequenos crimes e na dependência de drogas; inicia na hierarquia dos ladrões e assaltantes comuns e passa pelo olheiro, vapozeiro (vendedor da droga), soldado da facção, gerente do ponto, matador e chefe. Para os bandidos há um só norte: é matar ou morrer – o dever à facção acima de tudo”.

Manter as comunidades e integrantes subjugados às leis e justiça paralelas e violentas é necessário para a eficiência, cobertura e segurança dos negócios do crime. Para reduzir a pressão na comunidade, as facções são solidárias aos anseios das pessoas pobres que necessitam de ajuda diante da carência do Estado no provimento de serviços básicos.

Elas dominam territórios e as galerias nas prisões, invadem casas, tiram moradores de suas casas, determinam o toque de recolher, fecham postos de saúde, submetem a comunidade escolar e circulam livremente nas ruas com armas de guerra na mão. Os moradores e comerciantes são obrigados a colocar grades e ficar presos em suas casas e estabelecimentos, rezando para não serem assaltados e mortos.

A ECONOMIA DO CRIME - “O crime dá satisfação, poder e status, e compensa cometer crimes, pois não dá nada e se der é pouco.


Ilustração: Em 25 de novembro de 2010, Iotti caracterizou numa charge o Estado do Rio de Janeiro, ferido e cravado de balas, dizendo para um Rio Grande do Sul extremamente assustado - ”EU SOU VOCÊ AMANHÃ!”

Nenhum comentário: